A rede estadual de educação de Goiás passará mais seis escolas para o Comando de Ensino da Polícia Militar de Goiás. O superintendente de segurança escolar da Secretaria de Estado da Educação, Mauro Vilela, estima que as unidades, que estão localizadas no Entorno do Distrito Federal, comecem a funcionar sob a nova gestão cívico-militar em janeiro de 2023.

Por se tratar de um modelo híbrido, os colégios cívico-militares diferem dos colégios militares do Exército ou das polícias militares, que possuem toda a gestão por militares. Assim, os militares atuam no recebimento dos alunos, nos intervalos entre os turnos e no encerramento do horário de aula. A remuneração é feita diretamente pelo Ministério da Defesa.

O comando da PM prevê que mais quatro novos colégios sejam enquadrados neste modelo no Estado. A proposta da governadoria foi aprovada pela Assembleia Legislativa de Goiás (Alego). Neste caso, a instalação é conduzida pelo Comando de Ensino da Polícia Militar e pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc).

Pelo programa lançado pelo governo federal, as escolas cívico-militares são aquelas em que militares da reserva participam da gestão e da organização delas, sendo a direção e a maior parte das disciplinas a cargo de civis.