Na manhã desta quinta-feira, 29, professores e funcionários da PUC Goiás realizaram manifestação na instituição em busca de reposição salarial. De acordo com o sindicato, os professores estão há três anos sem reajuste e com o anuênio congelado há quatro anos, além de dez anos sem Acordo Coletivo de Trabalho.

Dentre as insatisfações, os professores relatam que rejeitam a proposta patronal que pretende acabar com os contratos de TI. Além disso, questionam a proposta de aumento do tempo de hora-aula.

Eles fizeram as reivindicações ao lado do auditório onde estava o Arcebispo Dom João Justino, também presidente da Sociedade Goiana de Cultura, mantenedora da PUC Goiás.

Na oportunidade, entregaram documento em mãos para o o Arcebispo Dom João Justino, que é presidente da Sociedade Goiana de Cultura (SGC). Esse documento expõe os problemas enfrentados pelas categorias e solicitam audiência com a Vossa Eminência Reverendíssima.

A presidente do Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar do Estado de Goiás, Irene Araújo Leite, entregando o documento da categoria ao Arcebispo. Foto: divulgação

De acordo com o sindicato, a entrega do documento foi um momento histórico já que desde a posse de Dom João Justino na Arquidiocese de Goiânia, em fevereiro de 2022, as entidades tem solicitam audiência com o arcebispo.

Em dezembro do ano passado, em Assembleia Geral realizada no Sinpro Goiás, os docentes aprovaram indicativo de greve da categoria caso o processo negocial com a Administração Superior da Universidade não fosse retomado.

Ainda de acordo com os relatos, na quarta-feira, 28, pela manhã houve infrutífera tentativa de mediação no Ministério Público do Trabalho entre as entidades representativas dos/as docentes e a Reitoria.

A reportagem busca respostas da PUC Goiás. Espaço permanece aberto para manifestação da instituição.