A já extensa Goiânia não precisa de mais uma expansão urbana

Se a capital fosse compactada no padrão de Buenos Aires, todos os goianienses poderiam viver (bem) em uma área oito vezes menor do que a do município atual. Mas tem muita gente interessada é em “espalhar” ainda mais a população da cidade. Isso não pode acontecermapa

Conjunto Vera Cruz, região oeste de Goiânia, construído na década de 80; Setor Madre Ger­mana 2, na saída sudoeste, datado dos anos 90; Residencial Orlando de Morais, região norte, dos anos 2000; e Jardins do Cerrado, também região oeste, consolidado na segunda década do século. Em comum, entre todos esses bairros residenciais, o fato de terem sido erguidos, cada um à sua época, em loteamentos a quilômetros de distância da então última zona habitada da cidade. Na época em que “nasceram”, por assim dizer, tanto Vera Cruz como Madre Germana eram totalmente isolados de qualquer bairro. Eram vizinhos do nada. Do mato e do nada. Da mesma forma com que ocorre hoje com Orlando de Morais e Jardins do Cerrado, ainda separados do perímetro urbano.

São apenas alguns dos muitos exemplos. Observando o que vai se sucedendo, parece que tudo é apenas sinal do progresso e do crescimento de Goiânia: afinal, é a metrópole avançando, “os equipamentos públicos chegando de forma integral aos mais longínquos recônditos da periferia” — uma frase rebuscada, que certamente ficaria muito bonita em qualquer discurso de político, para dizer que os habitantes daquele local escanteado pelo poder finalmente estavam tendo acesso, de fato, à cidade.

Para ter ideia da falta de dignidade da situação, somente agora os dois últimos bairros citados no primeiro parágrafo estão sendo pavimentados, na nova leva de obras tocada pela Prefeitura. Foram anos ou até mais de década esperando para ganhar as mesmas condições de infraestrutura de que os demais habitantes da cidade já usufruíam. Tudo mascarado pelo “sonho da casa própria”, como se ter uma moradia fosse algo que desse salvaguarda à negligência dos demais direitos.

Não é o caso de falar de um pretenso populismo de programas assistenciais, como o Minha Casa Minha Vida, mas de se questionar: “dar” a residência — na verdade, facilitar a aquisição, com valor financiado com juros bem mais módicos do que os cobrados pelo sistema convencional — absolve um detentor de mandato de buscar praticar uma política pública que inclua de modo efetivo aquele contingente no seio da cidade?

A resposta é não. E um “não” ainda maior na atual gestão de Goiânia. Ora, se todo o plano de governo que conduziu Paulo Garcia (PT) à reeleição gira em torno do slogan de campanha “cidade sustentável”, nada mais óbvio do que fazer as tomadas de decisões caminharem nesse rumo. Nesse sentido, é bom observar que o Paço dá sinais de que não vai permitir o surgimento de outros casos similares de confinamento de moradores em um canto qualquer da cidade, disfarçados sob o nome bonito de “expansão urbana”. Pelo menos foi o que indicou Paulo César Pereira, titular da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano Sustentável (Semdus), em recente reportagem do Jornal Opção (edição 2085).

Questionado sobre a movimentação de certos setores por mais uma expansão urbana na capital, Paulo César respondeu de forma categórica: “Não é uma pauta prioritária para a Prefeitura.” E completou: “Embora não queira entrar no mérito do que foi aprovado para parcelamentos como Jardins do Cerrado e Orlando de Morais, é correto citá-los como exemplos negativos para apontar preocupações com relação à expansão urbana sem critérios técnicos.”

A Prefeitura pode não querer, mas há setores fortes da sociedade, economicamente falando, que querem porque querem. Nenhum tão interessado quanto o ramo imobiliário. E nenhum poder é mais vulnerável à influência dos donos de construtoras e incorporadoras do que o Legislativo. Afinal, basta olhar a prestação de contas de campanha dos vereadores para perceber que boa parte da Câmara de Goiânia foi eleita com uma ajuda substancial do dinheiro desse pessoal. É hoje, com certeza, o lobby mais forte dentro da Casa.

É um assunto de base técnica, mas é fácil políticos fazerem com que ele ganhe formato populista: se a Prefeitura fincar o pé e bancar um veto a um projeto de criação de novas áreas habitáveis (expansão urbana, no fundo, é isso e nada mais), sofre o desgaste de “impedir o pobre de ter casa própria”. Na verdade, a questão meramente funcional — a teoria da cidade compacta e da facilidade de acesso à infraestrutura — não sensibiliza a população.

Infelizmente, poderia se dizer. A área do município de Goiânia é bastante extensa: são 789 quilômetros quadrados (km²), quase quatro vezes mais do que, por exemplo, a superfície do distrito de Buenos Aires, que tem 202 km². Mas vejamos o mais importante: a densidade demográfica de uma e de outra. Enquanto a capital portenha tem 14,8 mil habi­tantes/km², o índice para Goiânia é de 1,9 mil habitantes/km². Mas a área goianiense é quase o o quádruplo, argumentariam alguns. Então, para ficar justa a conta, basta multiplicar por quatro a densidade de Goiânia: quatro vezes 1,9 mil resulta em 7,6 mil habitantes/km². Ou seja, levando em conta a densidade de Buenos Aires (14,8 mil), chegamos à conclusão de que, mesmo que toda a população goiana fosse concentrada numa área igual à da capital argentina, esse espaço urbano seria ocupado somente pela metade, no máximo.

Em outras palavras: pelo padrão de compactação de Buenos Aires — e várias outras cidades poderiam ser aqui colocadas como (bons) exemplos —, a população da capital poderia viver muito bem (e melhor) em uma área de pouco mais de 100 km². Quase oito vezes menos do que a superfície total do mu­nicípio. E com acesso muito mais facilitado a transporte, escolas, hospitais, repartições e postos de atendimento.

O  “espraiamento” da capital, portanto, não é o ideal. Os goianienses não vivem em uma cidade compacta. Isso gera custos altíssimos, inclusive de manutenção, que poderiam ser economizados e reinvestidos na própria cidade.

Pior: se os goianienses já não vivem hoje em uma cidade compacta, sob diversos pretextos — todos tecnicamente pouco embasados e visando interesses nada coletivos —, querem torná-la ainda mais espalhada. É um crime contra o cidadão, de duas maneiras: jogam-no longe de tudo e o obrigam a pagar impostos para sustentar esse déficit de qualidade de vida.

Mais urgente do que promover qualquer nova expansão urbana, a Câmara de Goiânia deve se preocupar em fazer o que for possível para aproveitar os vazios urbanos da capital. São pelo menos 100 mil lotes vagos por especulação imobiliária, e que acabam servindo para aumentar os índices de violência urbana e exclusão social. Uma boa medida seria agilizar a aplicação do imposto progressivo — que, curiosa e sintomaticamente, não “anda”. É isso que precisa ser feito. Se, pelo contrário, houver o atendimento da sanha por nova expansão, só restará, por Goiânia, tocar um tango argentino. l

5 respostas para “A já extensa Goiânia não precisa de mais uma expansão urbana”

  1. Avatar Caíque disse:

    Parabéns não só por essa mas por todas as excelentes reportagens que o jornal tem feito em relação a urbanização de Goiânia, denunciando os abusos dessa máfia imobiliária que faz o que bem entende com a NOSSA cidade!

  2. Avatar NEWTON disse:

    Sempre questionei esses crescimentos desordenados nas cidades brasileiras. Não há planejamento. Os serviços públicos ficam cada vez mais dispendiosos. Os prefeitos podem serem os melhores que não conseguirão organizar a sua administração. Esse editorial é excelente pois visualiza o descontrole que há nesse item chamada expansão urbana.

  3. Avatar Filipe disse:

    Parabéns pela reportagem! Porém que tal comparar com grandes cidades americanas, também extensas e com ótima qualidade de vida.

  4. Avatar José Nicodemos Silva disse:

    Parabéns pela reportagem! como leitor assíduo deste meio de comunicação, quero também aqui expressar meus singelos comentários! Sou Corretor de Imóvel e sei bem o que o mercado imobiliário vem sentindo para a aprovação de novos empreendimentos aqui em Goiânia, é tanta burocracia que dá até descrença em lançar um novo projeto, temos sim imensos bolcões vazios em todas as regiões de Goiânia, pasmem só, existem áreas a menos de 10 km da praça do bandeirantes que ainda está registrada como área rural e tudo isso devido a burocracia (ou falta de propina) para que as mesmas áreas sejam inclusas como expansão habitável. Daí a busca por outras áreas mais longínquas do setor central, fica ai a sugestão, façam uma reportagem investigativa junto aos cartórios de imoveis, a própria prefeitura e imobiliárias!.Lamentável o agir de nossos representantes, vereadores, prefeito e outros, na forma de conduzir o destino de nós,pobres moradores desta cidade!

  5. Avatar Reinaldo Assis Pantaleão disse:

    o tema é extraordináriamente atual. pois Goiânia projeta por Àtila Correa Lima,para se chegar no ano 2000,com cinquenta mil pessoas,foi estranfulada ao longo do se processo de crescimento ( evidente que 50 mil em 2000,seria pensar um crescimento com os olhos diminuto),diante da realidade do mundo.a questão é que desde os 70,tenta se discutir um Plano Diretor para a cidade.o que infelizmente não ocorreu com muita sequência,pois com o crescimento,um plano Diretor .Uma tem que ser refeito,é a dinâmica do processo.com o açodamento da pressão do setor imobiliário,com um legislativo,totalmente alheio a uma debate . ” . mais profunda do destino da cidade,que no fundo é o bem estar da populaçã( mesmo reconhecendo que o atual Plano Diretor já teve uma maior paticipação de vários setores da sociedade,com o executivo e o legislativo),infelizmente não acompanhou a drámatica situação do crescimento urbano da nossa capital( não é uma questão só de Goiânia).hoje é preocupação em todo mundo.uma cidade ” sustentável!,não pode ficar apenas em período eleitoral. quem se apresentar como candidato para administrar Goiânia nas eleiçoes de 2016,tem que entender que a cidade e a população,antes de mais nada é um todo. portanto eis uma boa hora de começar um profundo debate,com relação ao tema em boa hora suscitado pelo Jornal.parabéns.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.