O desempenho da Black Friday 2023 foi o segundo pior registrado na série histórica no Brasil. Os dados das vendas divulgados neste sábado, 25, mostraram os resultados decepcionantes das vendas neste ano. As projeções otimistas de associações e empresas de pesquisa, que não foram alcançadas, previam um aumento entre 4% e 17%.

No entanto, no período de quinta-feira, 23, à 00h, até sexta-feira, 24, às 23h59, o comércio eletrônico registrou queda de 15,1%, ou seja, aproximadamente R$ 3,4 bilhões no volume de vendas. A comparação foi feita em relação a 2022 – ano em que a receita já havia diminuído dois dígitos.

Os dados são provenientes da plataforma Hora a Hora, da Confi.Neotrust, uma empresa de inteligência de dados, em colaboração com a ClearSale. De acordo com as informações, embora não seja a maior queda de faturamento do evento, que ocorre no Brasil há 13 anos – em 2022 a redução variou de 23% a 34% online. Neste ano, houve redução de vendas com essa modalidade, o que representou o segundo pior resultado desde o início do evento promocional em 2010.

Os números não incluem as vendas em lojas físicas, que foram incorporadas às ações das empresas nos últimos anos. Varejistas destacaram um aumento na conversão de fluxo de consumidores em vendas em lojas de eletrônicos e moda no dia 24.

Descontos abaixo do esperado

A renda da população ainda comprometida com dívidas e descontos abaixo do esperado pelos consumidores foi considerada como reflexo de um estoque mais ajustado nas lojas ao longo do ano. “Observamos uma Black Friday mais tímida em comparação ao ano anterior, analisando principalmente o faturamento e o volume de pedidos já que ambos apresentaram queda”, ressaltou em nota Matheus Manssur, superintendente comercial da ClearSale.

A empresa identificou que há alguns anos, as promoções têm sido limitadas a um menor número de produtos na Black Friday, como uma forma de o varejo proteger a rentabilidade e reduzir o custo de capital, após o aumento da taxa Selic que encarece os estoques parados.

Apesar da queda, grandes redes líderes de venda devem ganhar participação de mercado devido ao desempenho superior à média. O Mercado Livre e o Magazine Luiza cresceram em comparação com 2022. Especialistas afirmam que o recuo pode ter afetado, especialmente, varejistas digitais de menor porte e segmentos mais dependentes de crédito.

Golpes recuaram

Para Manssur, os indicadores também foram significativos para diminuir as tentativas de fraudes de golpistas na internet. Sobre isso, no período houve 18,6 mil tentativas de ações fraudulentas, isto é, em valores aproximadamente R$ 26,6 milhões (recuo de 56,4% em comparação com o ano anterior). O ticket médio das tentativas foi de R$ 1.439,47.

Entre quinta e sexta, as categorias mais impactadas pelas ações dos golpistas foram:

  • Ferramentas (2,7%),
  • Passagens aéreas (2,5%)
  • Brinquedos (2%).

Segundo o levantamento da plataforma Hora a Hora, os produtos mais vendidos no período foram:

  • Eletrodomésticos (20,8% do total comercializado);
  • Eletrônicos (15,1%);
  • Telefonia (11,9%).

Os meios de pagamento mais utilizados no e-commerce foram:

  • Cartão de crédito (56,5%);
  • Pagamentos via PIX (30,3%);
  • Boleto bancário (8,2%);
  • E-wallet, cashback, débito e vales (5%).

Leia também: Com menos inflação, comércio espera recorde de vendas na Black Friday

Greve nos Correios na black friday: Veja se Goiás pode ser afetado