Com acervos históricos sobre Goiás, Goiânia e diversos municípios goianos, os museus são opções de passeios e visitas. É um mergulho no passado, mas também no presente. Os espaços museológicos resguardam a história e a memória, alimentando os aspectos culturais e artísticos de um povo. Para ampliar as importâncias desses locais, o Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), além de manter o Arquivo Histórico Estadual, promove exposições de temporada e fixas, com entrada gratuita ou com valor acessível.

Na Capital, há três desses espaços. Para se ter ideia, apenas na Praça Cívica e arredores do Centro, os moradores e turistas têm acesso a ações museológicas de pesquisa, preservação e comunicação do contexto cultural goiano. Um é o Museu da Imagem e do Som (MIS), que fica no Centro Cultural Marietta Telles Machado.

Atualmente, a unidade está com três mostras em cartaz. A programação vai até março de 2023. São elas: “Luiz Pucci – é favor me olhar com cuidado” e “Mulher: identidade e resistência”, que estão dentro do projeto “O MIS é nosso”. Trata-se de uma ocupação cultural com o objetivo de democratizar a arte fotográfica; e o videodocumentário “Lambe-lambe em Goiânia”,  sobre os fotógrafos lambe-lambe da capital. A visitação é gratuita de segunda a sexta-feira, das 8 às 17h.

Museu Palácio Conde dos Arcos, na cidade de Goiás, foi a residência oficial do primeiro governador da antiga Vila Boa de Goiás, Dom Marcos de Noronha
Museu Palácio Conde dos Arcos, na cidade de Goiás, foi a residência oficial do primeiro governador da antiga Vila Boa de Goiás, Dom Marcos de Noronha

No local, o Arquivo Histórico Estadual Cívica abriga e organiza os documentos mais antigos de Goiás. Para lá, foram recentemente documentação que foi classificada como histórica. O espaço atende pesquisadores, historiadores e outros estudiosos, além de desenvolver pesquisas. O arquivo organiza exposições sobre datas comemorativas e todo acervo está disponível para consulta gratuita no próprio local, de segunda a sexta-feira, das 8 às 17h.

Nas proximidades da praça, na Rua 25, no Setor Sul, se localiza o Museu Pedro Ludovico Teixeira. Lá, há um acervo diversificado e representa vários estilos que remetem à vida familiar e política do fundador de Goiânia, Pedro Ludovico Teixeira, e de sua esposa, Gercina Borges Teixeira. A unidade recebe visitas gratuitas de terça a sexta-feira, das 9 às 17h, e aos sábados, domingos e feriados, mediante agendamento das 9h às 12h e das 13 às 17h.

Outros museus  

Museu Ferroviário de Pires do Rio
Museu Ferroviário de Pires do Rio preserva locomotivas a vapor e ainda a coleção de livros, fotografias, vídeos e documentos de Jacy Siqueira, fundador do local

Na antiga capital do estado, a cidade de Goiás, na Praça Tasso Camargo, fica o Palácio Conde dos Arcos, um pedaço palpável da história de Goiás. O prédio foi transformado em museu e recebe visitas de terça à sábado, das 8h às 17h, e nos domingos e feriados, das 8h às 13h. Com preço simbólico para turistas de R$ 5 para visitar e estudantes pagam metade do valor. Os moradores vilaboenses têm entrada gratuita.

Em Pires do Rio, os visitantes podem se maravilhar com o Museu Ferroviário de Pires do Rio. Ele foi criado em 1989 no lugar onde funcionava a antiga oficina mecânica das locomotivas a vapor da Rede Ferroviária Federal. O acervo é constituído de locomotivas a vapor, balanças, máquinas, picotadores de passagens dos séculos XIX e XX, além de peças e objetos que pertenceram aos ferroviários e estão expostos nos galpões reformados e adaptados. O espaço fica aberto de terça a sexta-feira, das 8h às 11h e das 13 às 17h. Sábados, domingos e feriados, somente com horários agendados.