Depois de ficar dois dias internado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), em Goiânia, o pequeno Derick Lucca Silva Braga, de 2 anos, que estava em estado gravíssimo, não resistiu aos ferimentos e teve morte cerebral na noite desta terça-feira, 21. A informação foi confirmada ao Jornal Opção pelo pai da criança, José Nilton.

Derick foi espancado pelo padrasto no último domingo, 20, após ‘atrapalhar’ o homem a dormir por estar chorando com saudades da mãe. Segundo a Polícia Civil (PC), a mulher era conivente com as agressões e estava no trabalho no momento do crime. O caso ocorreu em Rio Verde, sendo que a criança precisou ser transferida para a capital devido a gravidade dos ferimentos na coluna e na cabeça. 

“Indefeso, ele foi espancado. O padrasto bateu muito a cabeça dele no chão, ele teve morte cerebral. Ontem à noite os médicos estavam tentando ver se ele reagia de alguma forma, mas não teve resposta. Então deram o resultado final. Pedimos para doar os órgãos. Ele ainda está no Hugol. E deve fazer a cirurgia às 14h”, disse José Nilton.

O Hugol, em nota, disse que Derick ainda estava internado na UTI, em estado gravíssimo e com suporte de respiração mecânica. 

Crime

O padrasto da criança confessou o crime, dizendo que a arremessou contra o colchão fino por mais de uma vez. Durante a agressão, o menino bateu a coluna e a cabeça, o que provocou traumas na coluna cervical, lesões no pulmão, convulsões, perda de movimentos e morte encefálica. Esta não teria sido a primeira vez que a vítima foi agredida.

No hospital, a polícia constatou que o garoto apresentava lesões de agressões nas pernas, nos braços e na cabeça, além de marcas de queimaduras no abdômen. Um vídeo gravado pela Polícia Militar (PM) mostra o padrasto simulando a agressão a Derick. (Veja vídeo abaixo).

A mãe da criança, assim como o autor do crime com que se relacionava havia quatro meses, deve responder criminalmente pelo homicídio, conforme a PC.

“Estamos muito abalados. Já faz três dias que não como direito. Estou muito mal”, concluiu o pai de Derick. 

Veja o vídeo do suspeito simulando a agressão abaixo: