Morreram três pessoas: Alan Kardec, Ronaldo de Souza e Luiz Roberto. Eles voltavam dos Estados Unidos para o Brasil

Há 57 anos, em outubro de 1963, Goiânia estava completando 30 anos, com uma população que iria a seguir crescer muito, pois era de apenas 250 mil habitantes. Naquele outubro a população se entristeceu por causa da tragédia de uma viagem sem volta.

Dono de uma empresa de táxi aéreo, o piloto Alan Kardec foi aos Estados Unidos para adquirir um novo avião. Viajou em sua companhia o jovem Ronaldo de Souza, cujo pai, o médico Antônio Bertoldo de Souza, havia sido deputado e estadual. Encontrou-se com eles, já nos Estados Unidos, outro jovem, Luiz Roberto de Freitas Borges, filho do primeiro prefeito de Goiânia, Venerando de Freitas Borges.

Em uma viagem longa, aeronaves de menor porte têm de fazer muitas escalas. E assim vinha seguindo o avião comandado por Alan Kardec — e, com ele, Ronaldo e Luiz Roberto. A última notícia que se teve desse percurso foi quando a aeronave escalou na Guiana Inglesa. Depois disso, mais nada.