Cezar Santos
Cezar Santos

Zé Eliton começa 2018 com marca municipalista

Pré-candidato da base governista fortalece presença nos municípios, o que dá força ao projeto eleitoral na sucessão de Marconi Perillo

José Eliton, pré-candidato tucano ao governo: ele deve apresentar projeto de avanço para a sociedade | Foto: Jota Eurípedes

Quando ainda não estava consolidada a opção da base governista pelo nome do vice-governador José Eliton como pré-candidato ao governo, o presidente do PSDB goiano, o deputado federal Giuseppe Vecci, ressaltou um substantivo para dar qualificação ao correligionário: conhecimento.

O substantivo usado por Vecci dava conta do domínio que o vice-governador tucano tem da situação econômica e política de todos os municípios goianos. E não é para menos. Como lembrou Vecci, Eliton estava há seis anos vivenciando os problemas do governo, como companheiro de Marconi. Com a tomada de consciência dos demais aliados sobre essa realidade, o vice foi confirmado como o nome para unir a base.

E de lá para cá, o conhecimento de Zé Eliton sobre a realidade dos municípios vem sendo reforçado cada vez mais. Um predicado importantíssimo para quem quer ser governador. A agenda do vice, enquanto coordenador do programa Goiás na Frente, o levou a percorrer de ponta a ponta todas as regiões, nas quais ampliou diálogo com prefeitos e anunciou investimentos nos municípios.

A bordo do programa, o segundo semestre de 2017 foi praticamente todo de viagens sucessivas para visitas a quase todos os municípios. De maio a setembro, o vice-governador, coordenador do plano de investimentos do governo de Goiás, o Goiás na Frente, percorreu todo o Estado para celebrar os convênios com as prefeituras e viabilizar o repasse direto de recursos do tesouro estadual para obras nos municípios.

As visitas começaram no mês de maio, quando o governo realizou os encontros regionais para apresentação do Goiás na Frente aos prefeitos de cada região e dizer à população que o plano de investimentos do governo seria executado com o máximo de transparência. Em sua maior parte, os prefeitos decidiram que os recursos estaduais iriam para obras de pavimentação asfáltica e recapeamento de vias urbanas deterioradas.

Foram 11 encontros regionais do vice-governador com prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, secretários municipais, servidores públicos e lideranças locais. O início da programação foi no Entorno do Distrito Federal com o encontro regional da Cidade Ocidental. Depois, vieram as demais regiões, cobrindo todo o Estado.

Em cada encontro regional, foram anunciados os investimentos estruturantes do governo para a região, além dos repasses aos municípios. Só em obras públicas, o investimento do Goiás na Frente é previsto no montante de R$ 9 bilhões, o que tem sido uma alavanca para o desenvolvimento, dando oportunidade aos prefeitos para realizarem obras num momento de escassez financeira que castiga toda a administração pública.

Oportunidade

Na semana passada, o deputado federal Thiago Peixoto (PSD) ressaltou a potencialidade de José Eliton como candidato ao governo. O parlamentar analisou a possibilidade de o vice assumir o Executivo goiano em abril de 2018, com a mais que provável renúncia do governador Marconi Perillo para sair candidato ao Senado, como uma “grande oportunidade” para o candidato da base aliada.

“Ao que tudo indica, o vice deve assumir como governador em abril de 2018. E, diante disso, Eliton terá uma oportunidade que mais nenhum outro postulante ao cargo terá. Nesses meses de gestão, o vice-governador pode dar uma amostra de como ele deve liderar o Estado nos próximos anos, caso ele seja eleito. A escolha do secretariado e a forma como ele vai conduzir Goiás serão decisivas no diálogo e aceitação da população”, disse o deputado em entrevista ao site A Redação.

Ao analisar o cenário político em Goiás, Thiago Peixoto disse que acredita que o vice-governador tem um grande desafio pela frente, principalmente o de renovação. “O projeto político do governador Marconi Perillo é vitorioso, trouxe um salto de desenvolvimento para Goiás. Mas, José Eliton deve apresentar um projeto próprio, ousado, não de continuísmo, mas de continuação do crescimento e progresso do Estado.”

 

A opinião de Thiago Peixoto tem consonância com o que já havia expressado Giuseppe Vecci. O tucano disse que Eliton tem condições de dar continuidade ao projeto que coloca Goiás superando outros Estados, em quesitos como geração de empregos, por exemplo. E os números não mentem. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados na quarta-feira, 27, pelo Ministério do Trabalho mostraram Goiás como o quarto Estado com melhor saldo positivo na geração de empregos formais (com carteira assinada) em 2017. De janeiro a novembro, foram 39.319 vagas de saldo, atrás apenas de São Paulo, com 109.056, Minas Gerais, com 61.120, e Santa Catarina, com 51.550.

Outro dado interessante: a Junta Comercial do Estado de Goiás (Juceg) registrou em 2017 a abertura de 20.001 novas empresas. O número representa um avanço de 17,3% em relação aos 17.036 negócios constituídos em 2016. O desempenho revela uma taxa de natalidade empresarial de 55 novas empresas/dia ou 2,2 empresas/hora neste ano.

Isso significa que o projeto em curso pelo governo de Marconi Perillo, ao qual José Eliton pretende dar continuidade e, mais que isso, ampliar, tem obtido resultados. “Nosso projeto tem muito ainda a apresentar. Nossa proposta é de avanço, de crescimento da economia, de dias melhores para a população. E isso será encorado na candidatura de José Eliton. Temos de trabalhar e reforçar esse projeto”, afirmou Giuseppe Vecci.

Deixe um comentário