Cezar Santos
Cezar Santos

Lula vai ser preso

Denúncia a mais pessoas nos crimes que envolvem o ex-presidente vai abrir caminho para novas delações premiadas, o que será fatal para o petista

dallagnol

Promotor Deltan Dallagnoll: Lula comandou o esquema de “propinocracia” e se beneficiou diretamente

A notícia política — talvez dizer notícia policial seja o correto — mais im­portante da semana foi a denúncia que o Ministério Público Federal (MPF) fez ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na quarta-feira, 14. Os promotores, que fizeram a apresentação da denúncia em entrevista coletiva, utilizando o aplicativo Power Point, foram muito criticados pelos advogados de defesa de Lula, o que era de se esperar.

Para eles, teria sido muito pirotecnia para poucos fatos. Os advogados de defesa do ex-presidente refutaram as acusações em outra entrevista coletiva na quarta-feira, em São Paulo. O advogado Cris­tiano Zanini Martins disse que a apresentação do procurador Deltan Dallagnol foi um “espetáculo de verborragia”, uma “farsa que ataca o estado democrático de direito e a inteligência dos brasileiros”.

Não resta dúvida de algo estava fora da ordem naquela apresentação, de fato um tanto espalhafatosa, em que aparentemente não houve demonstração de provas. Mas o que a defesa de Lula talvez não tenha percebido com mais atenção é que além do ex-presidente, outras pessoas também foram denunciadas.

A Lava Jato denunciou formalmente Lula; a ex-primeira-dama Marisa Letícia; o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto; o ex-presidente da OAS José Alde­má­rio Pinheiro, o Léo Pinheiro; Agenor Franklin Magalhães Medeiros, ex-executivo da OAS; Fabio Hori Yonamine, ex-presidente da OAS Investimentos; e os funcionários da OAS Roberto Moreira Ferreira e Paulo Roberto Valente Gordilho.
Com esses denunciados vai se abrir o caminho para um punhado de delações premiadas. E aí, não tenha dúvida, leitor, Lula será indiciado, julgado e, finalmente, preso pelos crimes que cometeu, numa cadeia de propinagem em que utilizou a força do cargo de presidente da República e chefiando um esquema ardiloso.

Segundo os procuradores que atuam na Operação Lava Jato, o ex-presidente teria comandado o esquema de corrupção na Petrobrás e atuado, com a empreiteira OAS, no desvio de ao menos R$ 87,6 milhões da estatal. Lula teria recebido, conforme os procuradores, em lavagem de dinheiro, R$ 3,8 milhões.

A principal acusação se refere ao tríplex, no Guarujá. A OAS teria reservado a cobertura do prédio para o casal Lula e Marisa como forma de pagamento de propina, que somaria mais de R$ 2,4 milhões, somando o valor do imóvel e as reformas feitas.

Assim que tiver acesso ao processo com a denúncia, o juiz Sergio Moro terá um prazo de cinco dias para analisá-lo e tomar uma decisão. Poderá aceitar a denúncia feita pelo MPF ou não; se aceitar, Lula passará de denunciado a réu e será citado e intimado a apresentar uma defesa preliminar em um prazo de dez dias.

Na sexta-feira, 16, o ministro do Supremo Tribunal e Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, defendeu o trabalho da força-tarefa da Operação Lava Jato e afirmou que o fato de Lula ter sido denunciado pelo MPF dá “segurança” a ele a seus advogados. Gilmar afirmou que, com a denúncia, o petista poderá se defender de forma ampla e concreta, superando o debate político.
“O que é positivo nesse caso específico? E acho que isso dá segurança ao presidente Lula e a seus advogados. Agora ele tem uma denúncia. O mais é ‘mimimi’ e ‘trololó’. Havendo uma denúncia, se defende da denúncia que foi proferida. É o dado positivo”, disse o ministro.

Segundo Gilmar Mendes, a força-tarefa está fazendo um bom trabalho. “Um trabalho importante. Isso precisa ser reconhecido. Já se falou muitas vezes de passar o Brasil a limpo. É uma tarefa muito difícil. Mas isso de alguma forma está ocorrendo. Nós estamos conhecendo as entranhas do mundo político e empresarial brasileiro. Aqui ou acolá vai haver críticas, eu mesmo já fiz críticas a determinadas propostas. Isso é absolutamente normal”, afirmou.

Gilmar Mendes avaliou que a discussão referente a quais crimes poderiam ser imputados a Lula na Lava Jato não é importante neste momento. O positivo, disse, é que houve a apresentação de uma denúncia. “Do mais, se amanhã ele vier a ser denunciado por organização criminosa ou se está sendo investigado no Su­premo por quadrilha ou organização criminosa, isso vai se resolver no âmbito do Ministério Público e do Judiciário.”

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.