Rodrigo Hirose
Rodrigo Hirose

Felipe Prior, Atila Iamarino, Drauzio Varella, Vera Magalhães: ninguém escapa do linchamento virtual

Em tempo de Covid-19, a pandemia de ataques virtuais toma ares de insanidade, atingindo cientistas e até mesmo o entretenimento catártico do BBB20

Vera Magalhães, Felipe Prior, Drauzio Varella e Atila Iamarino: alvo de ataques nas redes sociais

Na terça-feira, 31, Felipe Prior foi eliminado do Big Brother Brasil com mais de 700 milhões de votos. Foi um marco histórico no programa, fenômeno televisivo há duas décadas, mas que ganhou fôlego extra na edição atual, turbinada por discussões de gênero, racismo e política. Sim, a entrada do deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente da República, na torcida por Prior turbinou as menções ao BBB nas redes sociais e, consequentemente, o número de votos.

A Rede Globo informou que mais de 1,5 bilhão de votos foram computados. Um marco histórico em um programa que parecia desgastado, ainda que sempre se mantendo entre os mais populares do País. A atual edição tem movimentado as redes sociais, especialmente o Twitter. Um programa que atraia simpatia ou repulsa pelo desempenho dos participantes, neste ano temas mais polêmicos (como assédio e racismo) foram colocados na mesa. Assim, atraiu celebridades, intelectuais, jogadores de futebol e até políticos.

O BBB20 reflete o extremismo das discussões políticas no Brasil. Cientistas, como Átila Iamarino, médicos, como Drauzio Varella, jornalistas, como Vera Magalhães e subcelebridades como Felipe Prior atraem legiões de pessoas e de robôs em campanhas difamatórias, a depender do gosto de cada um. Até a declaração de torcida por Eduardo Bolsonaro, Prior era um dos favoritos a ficar até o fim do jogo – ele cumpria o papel do vilão que todos adoram odiar e para o qual estava destinado o final infeliz (ser eliminado no final do programa, que, em quase 100% das vezes, premia o mocinho, ou mocinha, no último capítulo).

Vera Magalhães é alvo de pancadaria virtual já há algum tempo. Inicialmente, mais pelos que se identificam com a esquerda. Hoje, especialmente pelo bolsonarismo. Drauzio virou alvo após o programa em que abraçou uma transexual, no Fantástico, da Rede Globo.

Átila Iamarino entrou no radar da patrulha desde que alcançou sucesso com suas análises sobre a pandemia de Covid-19 no Youtube. E viu a agressividade aumentar com a entrevista que concedeu ao Roda Viva, na segunda-feira, 30 – especialmente pelo programa ser ancorado exatamente por Vera Magalhães.

Os argumentos científicos – que podem ser refutados por outros argumentos científicos –, o exercício da profissão ou o desempenho em um reality show televisivo importam pouco. O que torna cada pessoa um alvo potencial é a identificação, real ou fictícia, com algum espectro político. E, de repente, paramos de ouvir os especialistas, escolher os jornalistas que queremos ou não acompanhar ou simplesmente nos alienar um pouco com um entretenimento banal, para nos colocarmos dentro do ringue virtual que carregamos nas próprias mãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.