Rodrigo Hirose
Rodrigo Hirose

Desinteligente, Goiânia ignora o novo e permanece no século 20

Passou da hora de a capital goiana ter gestores, para usar um termo da moda, disruptivos. Só assim para ela se transformar em uma cidade inteligente

Trânsito pesado em Goiânia: onda verde nunca funcionou adequadamente | Foto: Arquivo / Jornal Opção

Em 1976, Antônio Carlos Belchior (o compositor cujas letras cortam feito facas) gritou em nome da juventude brasileira, oprimida em pleno vigor do Ato Institucional número 5 (AI-5). Em “Como nossos pais”, o cearense de Sobral lamentava por aqueles que amavam o passado, sem perceber que o novo sempre virá. Mais de 40 anos depois, o novo ainda espanta, mesmo em um tempo de transformações velozes como a luz.

 A evolução da inteligência artificial, a internet das coisas, o Big Data, tudo isso está entranhado no cotidiano das pessoas. As cidades, como organismos vivos, não são diferentes. As novas tecnologias podem impactar positivamente na mobilidade, urbanização, sustentabilidade e demais aspectos da polis.

Contudo, o apego ao passado (ou a incapacidade de compreender que o futuro sempre vem) represa os avanços (palavra usada, aqui, não no sentido de melhoria, mas com a conotação de seguir adiante). Fiquemos em dois exemplos prosaicos: as patinetes elétricas e o Uber, ambos, curiosamente, ligados à mobilidade urbana.

Recém-chegadas a Goiânia, as patinetes logo caíram no gosto das pessoas, especialmente as mais jovens. Nas ruas dos bairros considerados nobres (como os setores Bueno, Marista e Oeste), em pouco tempo elas tomaram conta das ruas e das calçadas. Logo, a consequência previsível: usuários começaram a se acidentar e pedestres foram atropelados.

Regulação

Imediatamente as autoridades, assim como em todo o Brasil, gritaram por regulação – palavra bem ao gosto dos burocratas. É claro que alguma atitude teria de ser tomada para se evitar acidentes, mas o reflexo da reação desproporcional já pode ser observada: a empresa que explora o serviço começa, aos poucos e silenciosamente, substituir as patinetes por bicicletas.

Em momento algum se pensou em retomar o projeto das ciclovias, por exemplo, que poderiam ser compartilhadas por ciclistas e usuários de patinetes. Não se imaginou uma solução que não sufocasse a iniciativa. Mais uma vez, o remédio pode matar o doente.

Quando chegou a Goiânia, o Uber sofreu ataque semelhante. Imediatamente a Câmara dos Vereadores e a Prefeitura se mobilizaram para regular o serviço. Muito debate foi feito, algumas propostas que inviabilizariam a solução foram feitas e não prosperaram e, pouco mais de três anos depois, a inovação venceu e concorrentes chegaram ao mercado goiano.

Uber e patinetes, definitivamente, não são soluções para a mobilidade urbana. Ao contrário, em grande medida, causam impacto negativo no trânsito das cidades, especialmente os aplicativos de transporte. Só o Uber coloca 600 mil carros a mais nas ruas, atendendo a aproximadamente 22 milhões de usuários.

Porém, eles atenderam a uma necessidade e apresentaram soluções mais interessantes para as pessoas que os meios tradicionais de transporte, como os táxis e ônibus do transporte coletivo. Em resumo: o Uber e as patinetes foram inteligentes. E são cidades inteligentes o que nos falta.

Smart cities

O conceito de smart cities é relativamente recente. De acordo com o IESE Cities in Motion Index, uma cidade inteligente tem de se destacar em nove dimensões, que passam do capital humano à mobilidade e transporte, passando pela coesão social, planejamento urbano e outros critérios. No último ranking, divulgado pela revista Forbes, as cidades brasileiras fazem feio. A melhor colocada, São Paulo, ocupa apenas a 116ª posição. A líder mundial é Nova Iorque, seguida de Londres – veja bem, são megalópoles que enfrentam todo tipo de consequência do tamanho que têm, mas que encontraram, ao longo do tempo, soluções para melhorar a qualidade de vida de todos.

O acesso aos serviços públicos é um exemplo como Goiânia não consegue ser inteligente. Os órgãos públicos, tanto da Prefeitura da capital quanto do Estado, ainda se ancoram no modelo do Vapt Vupt, que foi uma revolução há 20 anos – e não é mais. Um exemplo de como as coisas poderiam ser diferentes vem da pequena Estônia. Lá, apenas três serviços exigem a presença física do cidadão: casamento, divórcio e transferência de imóvel. Este último ponto já está com os dias contados.

Nem onda verde funciona

Outra iniciativa inspiradora vem de Cingapura, cidade-estado do Sudoeste da Ásia. Lá, o trânsito é monitorado por meio de uma complexa rede que inclui o GPS dos carros, câmeras e sensores espalhados pelas ruas. O sistema é capaz de prever a formação de um congestionamento e o departamento de trânsito, então, atua na mudança do tempo dos semáforos e sugere desvios por meio de painéis eletrônicos. Na capital goiana, nem mesmo a onda verde funciona adequadamente.

Os motoristas ganham um “incentivo” a mais: o pedágio urbano fica mais caro quando o tráfego emperra. Dessa forma, mais de 60% dos deslocamentos dos moradores é feito por meio do transporte público e a meta é de que sejam 75% até 2030. Enquanto isso, em Goiânia ainda engatinhamos na discussão sobre o financiamento do transporte coletivo urbano.

Para transformar esse cenário são necessários investimentos e vontade política. Mas, acima de tudo, mentes criativas. Para usar um termo da moda corporativo-tecnológica, procura-se por gestores disruptivos. Só assim para Goiânia e Goiás deixarem o século 20 e ingressarem, com atraso, no século 21. Ronaldo Caiado, governador, e Iris Rezende, prefeito, deveriam pensar nisso.

9 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

David Santillo

Excelente texto. Essa nossa cidade demorará demais deixar de ser roça.

Pedro Manuel Batista Giovannucci

Um dos maiores problemas de Goiânia atualmente, é a falta de pontes, se for olhar as principais avenidas, se finalizam todas em um único ponto… O prefeito Iris prometeu em sua campanha, mas até agora, nem arrumar as principais pontes, ele arrumou.

Agnaldo

Precisamos de mais ações em direção ao futuro do que simples divagações, mais ações e menos divagações.

Jorge

Parabéns pela matéria Rodrigo, na minha opinião vc disse tudo!

Manoel

Uma cidade que nem viadutos tem. Estas rotatorias sao uma tristeza. Pra comprar, Uberlandia tem mais viadutos que Goiania, até nos bairros la tem. O transito flui. Vergonha o transito goianiense

Silvia Oliveira

Morando fora de Gyn e sempre debatendo com os amigos que ficaram o deterioro da capital, foi um prazer deparar-me com esta nota!

Wellington

Goiânia não tem estrutura para ciclovias, não dá forma como vem sendo feito… deve-se pensar algo voltado para isto e não limitar a área de tráfego de veículos. Estrangular esta via de tráfego apenas expõe ao sofrimento ainda maior os moradores de nossa cidade. O caminho é ter vias exclusivas para ciclo e patinetes. Investir em vias de trânsito rápido, a situação em Goiânia está tão complicada e o prefeito nos inventa de construir uma trincheira que não é de longe a prioridade que temos neste momento… acorda prefeito!! Vamos trabalhar de forma inteligente.

Thales Rodrigues

Caraca, isso sim é que é conteúdo de verdade. Esse tipo de notícia que deveria ser prioridade nos telejornais, meus parabéns. Há tempos não vejo uma matéria tão verdadeira e útil. Obrigado!

Juvenal Rodrigues Sant Ana

Aceitar o novo é difícil, mas torna-se impossível quando o velho sistema persiste. É tempo de renovação e de acabar com o consórcio de transporte urbano e abrir espaço para transportes mais limpos, confortáveis e baratos. Antes que seja tarde demais.