Cezar Santos
Cezar Santos

“BR Distribuidora foi loteada entre Collor e PT”

Senador Fernando Collor (PTB-AL) destaca sua absolvição, pelo Supremo Tribunal Federal, em processo no qual foi acusado dos crimes de peculato, corrupção passiva e falsidade ideológica no período em que ele era presidente da República

Senador Fernando Collor (PTB-AL) destaca sua absolvição, pelo Supremo Tribunal Federal, em processo no qual foi acusado dos crimes de peculato, corrupção passiva e falsidade ideológica no período em que ele era presidente da República | Foto: Agência Senado

Cézar Santos

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse na semana passada que Lula da Silva, em seu governo, deu ao senador Fernando Collor (PTB-AL) “ascendência” sobre a BR Distribuidora, subsidiária da Petro­brás, por volta de 2009, “em troca de apoio político à base governista no Congresso Nacional”. A ser verdade, lembra a arquitetura do mensalão, o esquema que José Dirceu montou para compra apoio de parlamentares no primeiro governo de Lula.

Segundo Janot, na BR Distribui­dora, foi criada ao menos entre 2010 e 2014 “uma organização criminosa preordenada principalmente ao desvio de recursos públicos em proveito particular, à corrupção de agentes públicos e à lavagem de dinheiro”.

Noticiou a “Folha” que as afirmações de Janot integram a denúncia protocolada no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o deputado federal Vander Loubet (PT-MS). O caso está sob análise do ministro Teori Zavascki, que deve decidir, sem prazo, se acolhe ou rejeita a denúncia. Lula não é alvo da acusação da Procuradoria.

O jornal registra que Janot não descreveu a origem de sua conclusão sobre o papel de Lula na distribuição de cargos da BR, mas o ex-diretor da Petrobrás e da BR Nestor Cerveró disse em delação premiada que Lula havia “concedido influência política” sobre a BR a Collor.

Na denúncia, o procurador-geral escreveu que Collor nomeou os responsáveis pela diretoria de Rede de Postos de Serviços da BR, Luiz Claudio Caseira Sanches, e pela diretoria de Operações e Logística, José Zonis. Segundo Janot, as duas diretorias ocupadas por indicados de Collor “serviram de base para o pa­ga­mento de propina ao parlamentar”.

O procurador também afirmou que quando “parte da BR foi entregue ao senador” Collor, a Presidência era ocupada por Lula, e por isso outra parte da estatal foi “reservada” ao PT, que indicou Cerveró para a diretoria financeira e serviços.

A Procuradoria já denunciou Collor ao STF pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, inclusive, por suspeita de desvios na BR. De acordo com os investigadores, o grupo do ex-senador teria recebido R$ 26 milhões em suposta propina do esquema de corrupção.

Na reportagem da “Folha”, o Instituto Lula afirmou rebate que Lula tenha sido responsável pela indicação do ex-diretor da Pe­trobrás Nestor Cerveró a uma diretoria da BR Distribuidora e que nunca tratou “com qualquer pessoa sobre supostos empréstimos ao PT”.

Sobre as afirmações de Janot em denúncia contra o deputado Vander Loubet (PT-MS), o instituto informou que não iria se manifestar. A defesa de Fernando Collor informou que são “falsas” as acusações de que usou influência política para obter vantagem da BR Dis­tribuidora. Afirmou que suas relações “com instituições públicas sempre se deram exclusivamente em caráter institucional, no desempenho da função de senador da República e na defesa dos interesses do Estado de Alagoas, tudo no legítimo exercício da representação parlamentar”.

Nestor Cerveró diz que foi nomeado por Lula num esquema que Rodrigo Janot denuncia no Supremo Tribunal Federal como formação de organização criminosa | Fotos: Lula Marques/Agência Brasil e Wilson Dias/Agência Brasil

Nestor Cerveró diz que foi nomeado por Lula num esquema que Rodrigo Janot denuncia no Supremo Tribunal Federal como formação de organização criminosa | Fotos: Lula Marques/Agência Brasil e Wilson Dias/Agência Brasil

Negócio bom
A propósito, a jornalista Eliane Cantanhêde abre seu artigo no jornal “Es­ta­dão”, na sexta-feira, 15, com a seguinte frase: “Pre­cisa-se criar, urgentemente, uma comissão multidisciplinar, com policiais, procuradores, advogados, cientistas políticos, economistas, matemáticos, gestores públicos e, claro, psiquiatras, para a sociedade brasileira tentar entender a incrível relação entre Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Collor de Mello.”

Vem o segundo parágrafo: “Em 28 de junho, perguntou-se exatamente neste espaço por que raios a UTC teria doado R$ 20 milhões para Collor, duas décadas depois do impeachment. Afora o detalhe de que foi mais ainda que R$ 20 milhões, a nova pergunta é por que diabos Lula teria dado de presente para Collor uma estatal preciosa como a BR Distribuidora. Nem Freud explica.”

Na sequência, Cantanhêde registra: “Collor é de Alagoas, Estado pequeno com apenas nove dos 513 deputados federais, e é do PTB, partido que é o oitavo da Câmara, tinha 18 deputados em 2014 e elegeu 25. Detalhe: nenhum dos eleitos por Alagoas é do partido. En­tão, fica difícil compre­ender, com base na po­lítica e na aritmética, o que Lula tanto pretendia lucrar ao entregar a BR para Collor. Certamente, não eram votos no Congresso, ou só votos no Congresso”.

Alguns parágrafos adiante: “Há, portanto, algum motivo para o presente de Lula para Cerveró, mas nada explica, à luz do dia e da lógica, que ele tenha jogado a subsidiária da Petrobrás no colo de Collor (sem trocadilho, por favor). É um mistério.”
Eliane não é ingênua e é sabedora de que não há mistério. Quem conhece Lula e Collor sabe que os dois não fazem nada que não seja bom. Para eles.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.