Rodrigo Hirose
Rodrigo Hirose

Ao negar atendimento, Ibaneis trata o morador do Entorno como cidadão de segunda classe

Governador do Distrito Federal pretende impedir que os moradores da região com o coronavírus sejam tratados nos hospitais da capital federal

Ibaneis Rocha, governador do DF | Foto: Reprodução

A ameaça do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, do MDB, de impedir que moradores dos municípios goianos localizados no Entorno do DF com a Covid-19 sejam atendidos em hospitais da capital federal desrespeita o conceito do Sistema Único de Saúde (SUS), fere o princípio constitucional de que todo brasileiro tem direito à saúde e demonstra uma visão colonial em relação à região.

O SUS foi concebido sob o pilar da unicidade do sistema. Os recursos são dos impostos pagos por todos os brasileiros aos municípios, Estados, Distrito Federal e para a União. A inteligência do sistema é exatamente garantir atendimento a todos em qualquer unidade da federação. Para isso, existem as compensações, para que municípios e regiões que tenham mais estrutura médica sejam ressarcidos quando atendem pacientes oriundos de outras localidades.

O SUS está previsto na Constituição Federal, do artigo 196 ao 200. O artigo 196 é claro ao determinar que a saúde é direito de todos e deve ser de acesso universal e igualitário. Negar atendimento é ferir de morte esse artigo.

Por fim, a intenção de Ibaneis revela um olhar elitista em relação aos moradores do Entorno do Distrito Federal. Diariamente, milhares de goianos ou imigrantes radicados na região vão ao DF trabalhar, muitas vezes em atividades nas quais o morador do Plano Piloto – uma espécie de Ilha da Fantasia brasileira – se recusa a fazer. Nessas idas e voltas, esses trabalhadores consomem e pagam impostos para o GDF.

Ao negar atendimento médico, o emedebista manda o seguinte recado a essa população: “Queremos vocês para cuidar dos nossos jardins, trabalhar como operários na nossa construção civil, fazer faxina nas nossas casas. Mas não os queremos como cidadãos”. Qualquer semelhança com a casa grande e a senzala não é mera coincidência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.