Cezar Santos
Cezar Santos

Alckmin abre o jogo

Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin| Foto: Du Amorim/ A2img

Com Lula da Silva (PT-SP), Jair Bolsonaro (PSC-RJ), João Doria (PSDB-SP) e Ciro Gomes (PDT-CE) fazendo franca campanha à Presidência da República, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) deixa os negaceios de lado e também entra no jogo. Alckmin (PSDB) abriu uma nova fase em sua escalada para ser mais uma vez candidato a presidente da República. E o faz demonstrando confiança em sua força nos bastidores do partido, uma vez que tem concorrente pela indicação, seu afilhado político João Doria, o prefeito da capital paulista.

Na sexta-feira, 20, Alckmin disse que se prepara para concorrer à Presidência da República, antecipando a decisão sobre a escolha dos candidatos dentro da sigla. “Essa decisão (de candidatura à presidência) não é pessoal, é coletiva. Ela ocorrerá mais para frente. Agora, eu me preparo. Acho que é importante a gente estar preparado para servir ao Brasil”, completou, durante entrevista à imprensa num evento, conforme registrou o UOL Notícias.

Na verdade, a fala de Geraldo Alckmin é uma declaração como “entrei na parada, não tem mais essa de ficar tergiversando.”
Senão, vejamos a continuação da fala do tucano, avaliando que o País vive um momento considerado crítico, que pode trilhar em direção ao “populismo fiscal irresponsável” ou ao “crescimento sustentável, com geração de emprego e de renda”.

Claro, o governador insinua que o “populismo fiscal” é o PT e sua concepção de governo, enquanto o “crescimento sustentável, com geração de emprego e renda” é ele mesmo, Alckmin, que emendou: “O mundo que cresce tem política fiscal rigorosa, política monetária com juros baixos e câmbio competitivo”.

Bola nas costas
Mas Geraldo Alckmin tem dentro de seu próprio partido um “amigo da onça” no presidente nacional da sigla, Alberto Goldman. O ex-governador disse que os tucanos estão com muita dificuldade de apresentar uma candidatura de destaque ao Planalto. “A dificuldade é real, mas quem está melhor do que o PSDB?”, questionou Goldman.

Ele até cita o governador Geraldo Alckmin como o nome mais expressivo no momento dentro do partido, mas ponderou que ele “não é nenhuma figura de grande expressão, uma grande liderança nacional”. “Não é um Lula, que foi um grande líder, a verdade é essa”, disse Goldman, esquecendo que foi justamente o “grande líder” Lula que empurrou o Brasil para a crise atual.
Pelo visto, os tucanos não precisam de inimigo, pois já tem um “amigo” como Alberto Goldman.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.