Hélio Rocha
Hélio Rocha

Velha propaganda tinha qualidade e não continha erros

“Veja, ilustre passageiro, o belo tipo faceiro que o senhor tem a seu lado. /E, no entanto, acredite, quase morreu de bronquite. /Salvou-o o Rhum Creosotado”

Nos tempos remotos da propaganda no Brasil, ela era às vezes meio ingênua, mas nunca vinha com erros.

Exemplo, os versos, do farmacêutico e compositor Ernesto de Souza (chegaram a ser atribuídos ao poeta Bastos Tigre, criador da publicidade “Se é Bayer é bom”), de um comercial do medicamento Rhum Creosotado, exibido nos antigos bondes do Rio: “Veja, ilustre passageiro, o belo tipo faceiro que o senhor tem a seu lado. /E, no entanto, acredite, quase morreu de bronquite. /Salvou-o o Rhum Creosotado”.

(((LABORATÓRIO NÚCLEO — ABERTO 24 HORAS)))

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.