Vinicius Sassine recebe menção honrosa no Prêmio Irmã Dorothy Stang

Entidade católica destacou a “competência profissional”, “sensibilidade cidadã” e “colaboração com a formação de valores humanos” no trabalho do repórter

Maria José Silva

Especial para o Jornal Opção

O jornalista goiano Vinícius Sassine, de 36 anos, teve o seu trabalho reconhecido mais uma vez. Ele foi contemplado com a menção honrosa no Prêmio Irmã Dorothy Stang, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

Em sua página no Facebook, Vinícius Sassine acentuou que ficou honrado e feliz com as observações feitas pela CNBB. “Essas sempre foram minhas preocupações no diuturno exercício de ser repórter ao longo desses 15 anos e meio”, sublinhou. Ele disse que se sente orgulhado por estar nesta homenagem ao lado de Wagner Moura, Milton Jung e, especialmente, Ricardo Boechat. “É uma emoção receber um prêmio que leva o nome de Dorothy Stang, a tradução do que significa o bom combate.”

Natural de Rubiataba, Vinícius Sassine concluiu o curso de Jornalismo na Universidade Federal de Goiás e o de Economia na Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Ele trabalhou no “Diário da Manhã”, “O Popular” e “Correio Braziliense”. Atualmente, atua em “O Globo”, onde redigiu, entre outros trabalhos, a emblemática série de reportagens “Recusas da FAB impedem transplantes de 153 órgãos”, que mostrou que órgãos que poderiam salvar muitas vidas deixaram de ser transportados para priorizar voos de autoridades.

Desde o início de sua carreira, Vinícius Sassine tem se destacado e recebido várias premiações nacionais e internacionais, entre os quais os prêmios Embratel, Roche de Periodismo em Salud, efetivado pela Roche América Latina em parceria com a Secretaria Técnica da Fundação Gabriel García Márquez para o Novo Jornalismo Ibero-Americano e SIP a La Excelencia Periodistica, promovido pela Sociedade Interamericana de Imprensa.

Maria José Silva é jornalista.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.