Vila Cultural expõe Goyazes — Festival de Fotografia 2017

Festival abre espaço para a cultura da fotografia no Centro-Oeste, promove ações que instiguem a reflexão no campo teórico e prático sobre a imagem fotográfica

Arquibancada | Foto de Luiz Braga

Britz Lopes

Em cartaz na Vila Cultural Cora Coralina a primeira edição de Goyazes – Festival de Fotografia 2017, com exposições e vasta programação até o dia 10 de setembro. Todas as atividades são gratuitas e acessíveis a plateias diversificadas, possibilitando tanto a formação de público quanto de novos fotógrafos. Ao todo são 17 horas de atividades– entre workshops, palestras, conversas e leituras de portfólios.

Coordenado por Wagner Araújo, com curadoria de Diógenes Moura, o Festival pretende abrir espaço para a cultura da fotografia no Centro-Oeste, promovendo ações que instiguem a reflexão no campo teórico e prático sobre a imagem fotográfica produzida no Brasil contemporâneo.

Foto de: Luiz Braga

Outra proposta importante do Goyazes é a utilização da própria cidade como suporte para produção e exibição de trabalhos de arte. A Vila Cultural Cora Coralina tem esta grande facilidade por ser central, urbana, de fácil acesso e bem aparelhada. Uma estrutura que permite várias atividades simultâneas com abrangente participação do público, criando um clima especial para convívio e troca de saberes, onde, além de ver exposições, assistir palestras e oficinas, os participantes podem ter contato direto com os convidados.

O salão da Vila Cultural Cora Coralina foi todo transformado para receber as exposições: Retumbante Natureza Humanizada, do premiado fotógrafo Luiz Braga; dos selecionados das convocatórias do Prêmio Goyazes; Visões de um Poema Sujo, do fotógrafo Márcio Vasconcelos e Devotos e Bandeiras, do coletivo fotográfico Olhares do Cerrado. Com apoio do Núcleo de Ação Educativa do Museu de Arte Contemporânea de Goiás – MAC, o Festival Goyazes tem à disposição arte educadores que possibilitam o diálogo e a experimentação durante as visitas guiadas para a apresentação das obras, proporcionando uma mediação de qualidade.

Luiz Braga: fotógrafo

Para o coordenador do Festival, Wagner Araújo, este acontecimento inédito em Goiás, além de promover o intercâmbio de fotógrafos de renome com o público local, reforça o panorama de atividades voltadas para a fotografia no Estado. O curador Diógenes Moura disse que o Festival já está inserido no calendário cultural da capital, mas ele não quer que fique grande demais e se torne um “evento”.  “Vamos formando público e criando uma relação de arte-educação com a cidade. A minha intenção é que não se torne uma coisa tenebrosa chamada evento. Evento acontece num dia, no outro desaparece. E o Festival não vai ser assim”.

Foto de: Luiz Braga

Prêmio Goyazes

Os números desta primeira edição já impressionam. Fotógrafos de todo o país se inscreveram para o Festival. Entre os 461 ensaios inscritos na categoria nacional, contando com a presença de 16 estados brasileiros e o Distrito Federal, foram selecionados cinco trabalhos para compor a exposição; e entre os 48 trabalhos inscritos na categoria estadual foram selecionados três ensaios para compor a exposição. No total foram oito ensaios finalistas. O júri foi composto por Deborah Borges, Diógenes Moura, Samuel de Jesus e Wagner Araújo.

1 – CATEGORIA NACIONAL

Primeiro lugar

Michelle Bastos – Nicolettas

Finalistas

Estefania Gavina – Inculpáveis

Gabriel Bicho – Têmpora in ngô meitire

Marise Maués – 304

Thaisa  Figueiredo – Organismos Insistentes

2 – CATEGORIA ESTADUAL

Primeiro lugar

Guilherme Minoti – Jardins Telúricos – Topofilias de Goyaz

Finalistas

Alejandro Zenha – Geometria do Abandono

Ana Póvoas – Alargamento da Alma

Programação

Dia 5

9 horas – Workshop: “Contrários: a rivalidade dos Bois-Bumbás de Parintins”, com Andreas Valentin.

Workshop: “Do poético ao prático: fotografia documental”, com Guy Veloso

19 – Palestra sobre a iniciativa Mobgraphia.

20h30 – Projeções noturnas.

Dia 6

9h30 – Leituras de Portfólio com Guy Veloso

19 horas – Palestra “Trajetória e processo criativo”, com Cássio Vasconcelos.

20h30 – Conversa com Adenor Gondin e Diógenes Moura.

Dia 7

9 horas – Workshop: “Trajetória e processo criativo”, com Cássio Vasconcelos.

Workshop: “Olhar o mundo e não se ver, o meu, o teu o nosso olhar”, com Adenor Gondim.

Workshop para crianças – “Brincando com a luz – iniciando na fotografia”, com Mariana Capeletti.

14 horas – Leituras de Portfólio com Ronaldo Entler e Ana Carolina Fernandes.

19 horas – Palestra: “Canudos – novos territórios”, com Mônica Zarattini.

Dia 8

9 horas – Workshop:  “Fotógrafos inspiradores: do moderno ao contemporâneo”, com Mônica Zarattini.

Workshop “A fotografia no contexto da economia criativa – alguns caminhos possíveis para trilhar seus sonhos”, com Graziene Moreira.

9h30 – Leituras de Portfólio com Cássio Vasconcellos.

19 horas – Conversa com Ronaldo Entler e Guilherme Ghisoni.

20h30 – Palestra: “Fotojornalismo e fotodocumentarismo”, com Ana Carolina Fernandes.

Dia 9

9 horas – Workshop – “Fotografia e acaso”, com Ronaldo Entler .

Workshop – “Fotojornalismo e Fotodocumentarismo”, com Ana Carolina Fernandes.

9h30 – Leituras de Portfólio com Mônica Zarattini.

19 horas – Projeções noturnas.

20h – Encerramos do Goyazes.

Dia 10

Encerramento interno da equipe.

Quem é o curador Diógenes Moura

Diógenes Moura: curador da mostra

Diógenes Moura é escritor, curador de fotografia e editor independente. Em 2009 foi eleito o melhor curador de fotografia do Brasil. Com Ficção Interrompida – Uma Caixa de Curtas (Ateliê Editorial) recebeu o prêmio APCA da Associação Paulista dos Críticos de Arte de melhor livro de contos e crônicas em 2010 e foi finalista do Prêmio Jabuti de Literatura em 2011. Foi curador da Pinacoteca do Estado de São Paulo e realizou mais de 150 exposições no Brasil e no exterior com nomes importantes. É curador mundial da exposição Operação Condor, do fotógrafo português João Pina, que já percorreu sete

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.