Em entrevista, o treinador marcou data limite para seu ex-clube o contratar de volta. O detalhe é que a vaga está ocupada. Por enquanto

Jorge Jesus, em sua passagem pelo Flamengo: técnico mais vitorioso do século no futebol brasileiro | Foto: Assessoria Flamengo

Quando é que Jesus vai voltar? A pergunta, no caso, não é nada cristã.

Refere-se ao português Jorge Jesus, certamente o técnico mais bem sucedido no futebol brasileiro neste século. Sua saga no Clube de Regatas Flamengo entre 2019 e 2020 é daquelas que poderiam virar filme, no mínimo, um documentário.

É bem verdade que o clube carioca contava com muito dinheiro e, a partir daí, contratou um elenco incomparável ao de seus rivais. Mas o fato é que, em campo, o brilho do time mais do que correspondeu às expectativas geradas, culminando com a conquista da Copa Libertadores depois de 38 anos – a diferença é que, em 1981, a conquista havia sido com um maestro dentro de campo, Zico.

Desde então, ainda que com um time como o melhor ou pelo menos entre os três melhores do País, o Rubro-Negro nunca repetiu aquele desempenho. E a cada derrapada, cada sequência ruim, lá vem de volta a lembrança do nome do português. Quando é que Jesus vai voltar?

Bom, se depender dele próprio, até o dia 20. Jorge Jesus está no Brasil, curtindo férias, e concedeu entrevista ao jornalista Renato Maurício Prado, do portal UOL. O texto saiu nesta quinta-feira, 5, horas depois de o Flamengo apenas empatar por 2 a 2 com o Talleres – lanterna de seu grupo na Copa da Liga Argentina –, pela Libertadores. Nada que vá prejudicar sua iminente classificação aos playoffs, mas que serviu para aumentar o descontentamento com o trabalho do técnico Paulo Sousa, também português.

“Quero voltar, sim. Mas não depende só de mim. Posso esperar até pelo menos o dia 20. Depois disso, tenho que decidir minha vida.”

A fala de Jesus, acima, foi o estopim para que a hashtag #forapaulosousa chegasse ao topo entre as mais engajadas no Twitter. Afinal, o sebastianismo rubro-negro tem um rei que está vivo, bem vivo, e andando por aí, pela Cidade Maravilhosa. O conjunto da obra é um soco na boca da ética.

Jesus, com certeza, seria muito bem-vindo de volta pela torcida. A questão é que, sem nenhum apreço pela etiqueta profissional, ele impôs data limite para negociar o retorno passando por cima do fato de haver um colega e compatriota empregado no cargo que pretende.

Quem conhece um pouco do mundo do futebol sabe que, depois dessa polêmica embaraçosa, será preciso ficar atento ao comportamento da equipe em campo nos próximos jogos. Como a vaga na próxima fase da competição sul-americana está garantida e o Campeonato Brasileiro é longo, nada impede que os bastidores fabriquem alguns fracassos em sequência… antes do dia 20.

Ocorrendo isso dessa forma, para quem entende que a cena dos esportes não prescinde da moral, só resta torcer pelo fracasso de Jorge Jesus. Quem com ferro fere merece ser ferrado também.