Euler de França Belém
Euler de França Belém

Sai livro de Svetlana Aleksiévitch sobre soldados soviéticos no Afeganistão

A obra apresenta os testemunhos de soldados, médicos, enfermeiras, mães, esposas e irmãos que descrevem os efeitos duradouros da guerra

Há guerras que se tornam cemitérios de países. A União Soviética era uma potência e desafiava os Estados Unidos, durante toda a Guerra Fria. O país, um composto de várias nações — unidas à força —, enfrentava problemas graves, na década de 1980, mas, mesmo assim, decidiu invadir o Afeganistão para, supostamente, amparar os aliados locais. Pois a batalha que ambicionava manter os comunistas no poder acabou se tornando um grande cemitério para centenas de soviéticos e contribuiu, em larga medida, para o declínio da federação.

A história dos soviéticos na “areia movediça” do Afeganistão tem sido contada por jornalistas e historiadores. “Meninos de Zinco” (Companhia das Letras, 320 páginas, tradução do russo por Cecília Rosas), de Svetlana Aleksiévitch, abre espaço para os que vivenciaram a guerra. A editora informa, nos sites das livrarias, que o livro começa a ser comercializado em fevereiro de 2020.

Svetlana Aleksiévitch: jornalista e escritora da Bielorrússia, ganhadora do Nobel de Literatura | Foto: Reprodução

Sinopse da editora

“A brutalidade da guerra soviético-afegã é retratada neste livro extraordinário, com o olhar sempre preciso e humano de Svetlana Aleksiévitch.

Entre 1979 e 1989, as tropas soviéticas se envolveram em uma guerra devastadora no Afeganistão, que causou milhares de baixas em ambos os lados. Enquanto a URSS falava de uma missão de ‘manutenção da paz’, levas e levas de mortos eram enviadas de volta para casa em caixões de zinco lacrados. Este livro apresenta os testemunhos honestos de soldados, médicos, enfermeiras, mães, esposas e irmãos que descrevem os efeitos duradouros da guerra.

Ao tecer suas histórias, Svetlana Aleksiévitch nos mostra a verdade sobre o conflito soviético-afegão: a destruição e a beleza de pequenos momentos cotidianos, a vergonha dos veteranos que retornaram, as preocupações com todos que ficaram para trás. Publicado pela primeira vez em 1991, Meninos de zinco provocou enorme controvérsia por seu olhar perspicaz e angustiante sobre as realidades da guerra.”

Um dos mais notáveis historiadores britânicos, Antony Beevor, escreveu sobre o livro: “A proeza de Aleksiévitch elevou a história oral a uma dimensão totalmente diversa”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.