Euler de França Belém
Euler de França Belém

Sai em português livro de Joyce que pode ter sido a matriz de Finnegans Wake

O que James Joyce escreveu de melhor já está publicado em inglês e português: “Dublinenses”, “Um Retrato do Artista Quando Jovem”, “Ulysses” e “Finnegans Wake”. Mas, como se trata de um dos maiores escritores do século 20, qualquer rascunho é publicado com estardalhaço. Talvez não seja o caso de “Finn’s Hotel” (Companhia das Letras, 160 páginas, tradução de Caetano Galindo).

“No início dos anos 1990, o surgimento de um manuscrito causou alvoroço entre os estudiosos de James Joyce. Encontrado em meio a seus papéis e anotações, Finn’s Hotel foi anunciado como embrião daquele que seria o mais enigmático dos livros do irlandês, o gargantuesco e caudaloso Finnegans Wake.

“Todavia, uma longa briga judicial privou os leitores do acesso ao texto. Apenas agora, mais de duas décadas depois de sua aparição, é que ‘Finn’s Hotel’ chega às mãos dos fãs de Joyce.
“Tremendamente claro e acessível, é composto de onze pequenos contos, que poderiam ser chamados de fábulas, sobre a história da Irlanda.

“Não se sabe ao certo as intenções de Joyce com o manuscrito, e se essas histórias de fato compõem uma versão anterior do Finnegans Wake. Ainda assim, estão lá Humphrey Chimpden Earwicker, protagonista do ‘Wake’, bem como um esboço inicial da magnífica carta de Anna Livia Plurabelle, uma das peças mais belas da língua inglesa.”

A edição “traz uma nova tradução do poema ‘Giacomo Joyce’, também traduzido por Galindo”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.