Euler de França Belém
Euler de França Belém

Ronda Rousey e Holly Holm provam que o MMA é o maior esporte “feminino” da atualidade

Ronda Rousey e Holly Holm | Foto: divulgação

Ronda Rousey e Holly Holm | Foto: divulgação

Parece brincadeira, ou boutade, mas o melhor esporte feminino da atualidade é mesmo o MMA. Na semana passada, nas rodas de homens e mulheres, a discussão era, muitas vezes, sobre a surra que a bela e formidável lutadora Ronda Roussey levou da igualmente bela e fabulosa Holly Holm.

No octógono o que se viu, de maneira surpreendente, foi uma Ronda Rousey tentando caçar e sendo caçada. Como era o dia da caça, resultou que a atleta perdeu por nocaute.

O observador que não ama tanto lutas — o boxe, sabe-se em Hollywood, é a sétima arte; o MMA é quase arte, como o cinema — parece acreditar que Ronda Roussey foi demolida pelo chute certeiro de Holly Holm. E foi, sem dúvida.

Mas há o detalhe de que, quiçá racionalmente, Holly Holm primeiro “preparou” Ronda Rousey, quer dizer, foi deixando-a desnorteada com seu boxe agudo, que, além de minar a resistência — retirando o fôlego da oponente —, é desmoralizante.

Portanto, quando foi nocauteada, Ronda Roussey estava tonta pelas estocadas do boxe de Holly Holm. O chute foi a gota d’água, a pá de cal, diria Carlos Monteiro, meu amigo coveiro.

O que está ligeiramente equivocado nas análises, tanto as dos especialistas quanto as dos amadores — pertenço à segunda categoria —, é que a vitória de Holly Holm é definida, em larga medida, pela derrota de Ronda Rousey.

Explico o repentino caos: Holly Holm ganhou porque lutou muito bem, pondo a adversária “dentro” de seu jogo, absorvendo-a — como os chineses faziam com seus adversários, segundo Henry Kissinger, em “Sobre a China” —, e não só por que Ronda Housey lutou mal, não conseguindo impor sua tática habilidosa de intimidar a adversária, “abafando”-a, como o cerco de Stalingrado.

Certo, ao não conseguir impor seu estilo de luta, sequer conseguiu segurar Holly Holm no chão, Ronda Rousey não lutou bem. Mas Ronda Rousey não perdeu devido aos seus possíveis defeitos — autoconfiança, em termos esportivos, não é defeito; é virtude —, e sim por que Holly Holm lutou muito melhor.

Mas, hein, queria diria: o MMA se tornou mesmo o esporte feminino por excelência, como prova a excelência técnica de Ronda Rousey — a melhor, apesar da derrota, do MMA —, Holly Holm, Paige VanZant (Chaplin do octógono) e Joanna Jędrzejczyk (fantástica lutadora).

Os marmanjos não andam fazendo bonito, não é?, caros Rafael Teodoro, Nelsonmuaythai, Rayana Caetano, Candice Marques de Lima, Ricardo Tavares e Frederico Vitor e Alberto Nery.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.