Euler de França Belém
Euler de França Belém

Ronald Reagan tentou se filiar ao Partido Comunista e pertenceu ao Partido Democrata

Reagan e Nixon: o 2º pediu que permanecesse no Partido Democrata para atrapalhar um candidato. Mais tarde, ele se tornou republicano

Reagan e Nixon: o 2º pediu que permanecesse no Partido Democrata para atrapalhar um candidato. Mais tarde, ele se tornou republicano

Em 1938, ao chegar a Holly­wood, Ronald Reagan quase se fi­liou ao Partido Comunista Ame­ricano. “Reagan ficou empolgado com os relatos do Partido Comu­nis­ta ajudando os menos favorecidos, os desempregados e os sem teto”, contou o roteirista e escritor Howard Fast (autor do romance “Espártaco”). Mas logo rompeu com a esquerda e se tornou um direitista empedernido. Ele foi eleito presidente do sindicato dos atores e, ao lado de sua mulher, Jane Wyman, passou a ser informante do FBI.

Assim como Hillary Clinton era adepta dos republicanos, Reagan era do Partido Democrata, ao menos até o início da década de 1960. Quando tentou sair do partido, foi aconselhado por Richard Nixon a ficar — era positivo ter um aliado democrata. Embora não fosse intelectual, Reagan era dotado de uma percepção aguçada. Quando o conservador Nixon, para se contrapor ao “progressista” Jack Kennedy, começou a adotar uma “plataforma republicana mais liberal”, ele aconselhou-o a manter o projeto anterior. “Não sou um perito infalível, mas eu tenho um forte sentimento de que 20 milhões de pessoas que não comparecem às urnas só podem ser conservadoras”, escreveu Reagan numa carta a Nixon. Este perdeu a eleição para John Kennedy.

Na televisão, Reagan contracenou com James Dean e Natalie Wood, então garotos, na adaptação do conto “I’m a Fool”, de Sherwood Anderson. “Jimmy Dean era um jovem ator com potencial ilimitado”, disse Reagan.

Em 1960, entre John Kennedy, do Partido Democrata, e Richard Nixon, do Partido Republicano, Reagan fica com o segundo. O cantor Frank Sinatra, então kennedista, ataca: Reagan seria “estúpido, perigoso e muito simplista”. Mais tarde, o apoiou para presidente.

Ao participar de um debate com Robert Kennedy, na década de 1960, Reagan lembrou-se que, quando ministro da Justiça do governo de Jack Kennedy, o democrata pediu e levou sua cabeça. Reagan foi demitido do cargo de apresentador do “GE Theater”, da General Electric. Reagan ganha o debate de Bob Kennedy, que diz para sua assessoria: “Nunca mais me coloque num palco com aquele filho da puta”.

Embora conservador, Reagan era tolerante com os homossexuais. Uma herança de Hollywood.

Reagan e Nancy Reagan, sua mulher, tomavam decisões seguindo as orientações de astrólogas, como Joan Quigley. A agenda deles, até a presidencial, seguia os ditames da astrologia. Nancy, “extremamente supersticiosa”, dormia “com a cabeça voltada para o norte e batendo na madeira constantemente”. O vice-chefe de gabinete Mi­chael Deavir diz que, “sem a aprovação” de Quigley, “o avião presidencial, o Air Force One, não decola”. Isto faz de Reagan um idiota? De maneira alguma. Era um ho­mem inteligente, foi um grande pre­sidente e um líder político de feição internacional, acima de Jimmy Carter, Gerald Ford, Bush pai e Bush filho. Um lídimo herdeiro, quem sabe, de Richard Nixon. Só que este, nos piores dias, era meio, digamos, Fernando Collor.

Reagan era mais sutil do que Nixon, aproximando-se, por vezes, de Franklin D. Roosevelt.

Deixe um comentário