Euler de França Belém
Euler de França Belém

Por que Gustafsson perdeu para Anthony Johnson? Porque pensou que estava enfrentando Jon Jones

Não pretendia comentar, nem brevemente, a luta ou quase luta entre o americano Anthony “Rumble” Johnson, atleta de altos e baixos, e o sueco Alexander Gustafsson. Porém, como os craques Rayana Caetano, Rafael Teodoro, Ricardo Spindola e Carlos Willian, embora mais qualificados para comentar lutas de MMA, ficaram silentes e vários amigos do Facebook praticamente exigiram que eu desse uma palavrinha a respeito, estou aqui, mais uma vez, discutindo a 17ª arte (o boxe é a sétima, um pouco acima do cinema). A pergunta é: por que Gustafsson perdeu? Fica-se com a impressão de que somos, para usar um termo Frankenstein, impactados mais pela derrota do que pela vitória? A pergunta apropriada deveria ser outra: “Por que Johnson ganhou?” Por que preferimos a primeira indagação? Porque as pessoas estavam de olho muito mais em Gustafsson, que supostamente, segundo o próprio Johnson, derrotou Jon Jones e, segundo os fãs do sueco, teria sido garfado pelos jurados.

Pois o problema de Gustafsson talvez seja exatamente Jon Jones. É possível que tenha visto em Johnson apenas uma escada para voltar a se aproximar do excepcional campeão. Ele parece ter subido ao octógono não para lutar contra Johnson, e sim para participar de um simulacro de treino com vista a pegar o rei da categoria meio-pesado. A cachola do sueco parecia estar longe. Parecia ter se preparado mais para enfrentar Jon Jones do que Johnson.

Na luta contra Jon Jones, Gustafsson sacou com mestria o jogo do oponente americano, por isso batia e escapava. Só começou a perder quando cansou-se, porque movimentou-se de maneira excessiva pelo octógono, e aí Jon Jones aproximou-se e começou a bater forte e a metralhar o sueco com seus cotovelos-metralhadoras. O repertório do americano é vasto e, se o oponente se cansa, adeus: o pau come. Como dizem os comentaristas do canal Combate, ele “passa o carro”, quer dizer, atropela o oponente.

De olho em Jon Jones, mas, tendo de lutar contra Johnson, Gustafsson parece ter se esquecido que seu adversário é um pegador mortal. O jogo apropriado era jabear e mantê-lo a distância, até cansá-lo. Como não fez de maneira precisa o jogo das escapadas, para deixar Johnson com os braços pesados e o fôlego curto, o sueco tornou-se um alvo fixo, quase um saco de pancadas. Aí, como nocauteador atroz, Johnson o pegou e não lhe nenhuma chance.

O erro de Gustafsson, um bom lutador mas nada excepcional, talvez tenha sido treinar e preparar sua cabeçorra para enfrentar Jon Jones, e não Johnson, um pegador. Parece impossível que seus treinadores tenham cometido este erro? É provável que o erro não tenha sido do técnico ou do técnicos, e sim do próprio sueco — que já estava de olho no título e, claro, na grana. Imagine um campeão meio viking nos Estados Unidos, uma espécie de Greta Garbo do octógono. O sujeito, se brincar, ainda vai parar em Hollywood.

O que fará Gustafsson daqui pra frente? Não sei, porque não tenho bola de cristal, mas possivelmente enfrentará Daniel Cormier e, se vencer de maneira convincente — Cormier é outro Johnson, um pouco mais versátil —, talvez seja colocado no octógono para lutar contra o vencedor da batalha entre Jon Jones e Anthony Johnson. Como acredito que o campeão vai derrotar o desafiante — atacando Johnson de maneira incisiva, mas usando a envergadura para evitar seu boxe fatal —, entre 2015 e 2016 o sueco estará de volta ao octógono para enfrentar Jon Jones.

3
Deixe um comentário

3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
Stt4n

Nada haver isso, como acha que sabe o que ele estava pensando? Ele apenas cometeu um erro, por estar confiante, apenas isso!

Compadi Washington

concordo! menosprezou um cara perigoso e pagou o preço

Jorge

comentário bosta. Não manja nada de mma… Jhonson ganhou porque é Jhonson.