Euler de França Belém
Euler de França Belém

Polícia prende um dos suspeitos de matar jornalista. Segundo criminoso está foragido

Criminoso que deu as facadas mantinha relacionamento com Carol Majewski. O outro já havia sido preso por roubo, furto e tráfico de drogas

Gabriel da Silva Ribas (já está preso) e Lucas Eduardo da Silva Vaz (está foragido)

Os moradores de rua Gabriel da Silva Ribas, de 19 anos, e Lucas Eduardo da Silva Vaz, de 21 anos, são os responsáveis pelo assassinato do jornalista Carol Majewski, de 57 anos, que prestava serviços para a OAB do Rio Grande do Silva, no domingo, 14, no Centro de Porto Alegre. Gabriel da Silva Ribas, o único que foi preso pela polícia, sustenta que estava no local, mas Lucas Eduardo, que está foragido, teria sido o responsável pelas 30 facadas no pescoço do profissional. Na versão de Gabriel da Silva, Lucas Eduardo mantinha um relacionamento com o jornalista.

Carol Majewski: jornalista que prestava serviço para a OAB-RS

Gabriel da Silva disse à polícia que Lucas Eduardo roubou um celular do jornalista, no apartamento onde estavam. Carol Majewski reagiu e começaram a lutar. Lucas Eduardo esfaqueou o jornalista várias vezes e usou — ou usaram, porque provavelmente Gabriel da Silva participou do assassinato — um travesseiro para sufocá-lo ou impedi-lo de gritar por socorro.

O delegado Fernando Soares afirma que “todos os indícios é que [o assalto] foi premeditado por no mínimo um deles. Nós ainda estamos trabalhando para ver se os dois compactuaram antes de chegar no local”. A polícia avalia que se trata de latrocínio (roubo e assassinato). É praxe o criminoso preso atribuir o crime mais pesado — como assassinato — ao comparsa que escapou. Pode ser o caso. Carol Majewski não era um homem frágil e para dominá-lo possivelmente os dois homens agiram juntos.

Gabriel da Silva tem antecedentes criminais por furto, roubo e tráfico de drogas. Ele foi preso no bairro Menino Deus, em Porto Alegre, na quinta-feira, 18. Sua história indica que se trata de um criminoso barra-pesada.

Deixe um comentário