Euler de França Belém
Euler de França Belém

Pesquisadores dizem que peças provam que Simões Lopes era um escritor urbano

Apontado como autor regionalista, peças do gaúcho João Simões Lopes mudam avaliação de sua criação artística

Imagem: Reprodução

João Simões Lopes Neto (1865-1916), um dos mais celebrados escritores gaúchos, é conhecido sobretudo como regionalista. “Contos Gauchescos” e “Lendas do Sul” são obras-primas da literatura regional. Mas uma pesquisa de dois acadêmicos, João Luis Pereira Ourique e Luís Rubira, da Universidade Federal de Pelotas, sustentam que sua dramaturgia muda em parte a avaliação sobre o autor, que passa ser certo vezo urbano.

João Ourique e Luís Rubira colocam em circulação novos textos de Simão Lopes Neto, que não haviam sido publicados em livro, como “Mixórdia!…”, “Coió Júnior” e “A Fifina”. O volume que estão lançando, o primeiro, inclui também as peças “O Boato”, “Os Bacharéis”, “O Bicho” e “A Viúva Pitorra”. Consta do livro ensaios críticos. Em 1990, o crítico teatral Cláudio Heemann havia editado “O Teatro de Simões Lopes Neto” (pelo Instituto Estadual do Livro). Trata-se de uma antologia pioneira, com parte da dramaturgia do escritor. A “Obra Completa”, organizada pelo escritor Paulo Bentancur, saiu em 2003. Os “Bacharéis”, comédia-opereta, foi editada pelos pesquisadores Cláudia Antunes e Márcio de Souza e levada ao palco por Elcio Rossini, em Pelotas e em Porto Alegre.

Na quarta, 13, o repórter Fábio Prikladnicki, do jornal “Zero Hora” (“Livro resgata peças teatrais de Simões Lopes Neto”), publicou uma excelente entrevista do professor João Luis Pereira Ourique.

João Ourique assinala que “toda a literatura dramática” de Simões Lopes “é urbana, ambientada no espaço da cidade e discute questões de época importantes para compreendermos não somente a cidade de Pelotas, mas a ideia de uma identidade nacional perceptível a partir de suas relações culturais com o ambiente urbano das grandes cidades brasileiras”.

O exame do teatro prova, segundo João Ourique, “Simões Lopes é um escritor antes de ser um regionalista, sendo a sua obra regionalista (mesmo se constituindo como a mais importante) parte de sua produção”. O professor frisa que “a crítica à sociedade da época, ao comportamento social, à burocracia da administração pública—mediados por uma linguagem que insere expressões, gírias e termos que auxiliam a entender melhor uma cidade que ainda permanece fechada no imaginário, salvo algumas imagens e registrados apresentados de forma fragmentada”.

O teatro de Simões Lopes tem qualidade? João Ourique diz que sim. “O teatro de Simões Lopes se destaca e merece novas leituras para abordar melhor essa parte de sua produção.” A peça “O Bicho”, do século 19, é comparada pelo professor a um conto de Machado de Assis. Os dois abordam o jogo do bicho. “A peça de Simões Lopes discutiu essa questão oito anos antes de Machado, o que sustenta tanto o seu olhar atento às questões do seu tempo.” O mestre sublinha o objetivo não é criar um “culto” em torno do autor, e sim de considerá-lo como dramaturgo.

Mas as peças são efetivamente bem feitas? João Ourique assegura “que todas apresentam um cuidado de quem conhecia linguagem do teatro. Desde a sua primeira peça — ‘O Boato’ —, a construção de personagens e situações se alicerça em todos os pontos necessários para que o espetáculo se realize, para que o teatro possa tomar a sua forma: da pena ao palco”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.