Euler de França Belém
Euler de França Belém

Obrigada, Inezita Barroso, pelo exemplo de resistência e pelo canto das águas que jorram pra eternidade

Cida Almeida

Viola, minha viola. Calou-se a voz de uma guerreira — Inezita Barroso —, que até o fim da vida reinou com sua autenticidade libertária, quebrando preconceitos e a hegemonia da indústria cultural. Deu voz ao Brasil de dentro, ao Brasil dos rincões e dos sertões tão ermos de nossas raízes. Fez de seus programas na TV um ponto de encontro desses brasis desencontrados de si mesmo, inspirou gerações e escancarou portas para muitos que seguiram na coragem de seus passos.

Meu pai, Jerônimo Duarte, era um profundo conhecedor de música caipira. Estava sempre sintonizado na Inezita e outros tantos que persistiam no culto e na reverberação de um lirismo musical genuíno de nossas raízes roceiras, perdido nos sulcos das estradas de terra batida pelas boiadas que cortavam os sertões, os cafezais a perder de vista nas longas travessias dos bois carreiros que cruzavam o Paranaíba redesenhando o povoamento do Brasil, o rádio integrando esse Brasil do Planalto Central.

Era um tempo de informações de utilidade pública na frequência do rádio: fulano, na Fazenda São Pedro, em Jandaia, aviso que passa bem e pede para buscá-lo no entroncamento da Rodovia Federal com a estrada tal… E tome música nas madrugadas das casas avarandadas em que as pessoas encontravam o sol com o leite tirado e muita música caipira na radiola que se impunha na sala. Era esse tempo, a alma desse tempo, que a Inezita prolongou. Levou para a TV.

Prestar homenagem a Inezita é também reverenciar meu avô, meu pai e a porção deles que vive em mim. Sempre me emociono quando ouço Mourão da Porteira, Flor do Cafezal e Poeira. Ara, que esses versos de Poeira digam desse amor que sinto pelo Brasil afinado na voz de Inezita e na viola de meu pai: “O carro de boi lá vai/Cantando lá no estradão. Vai levantando poeira/Poeira vermelha/Poeira do meu sertão/(…)Poeira entra em meus olhos/Não fico zangado não/Pois sei que quando eu morrer/Meu corpo irá para o chão”. Fui embalada pela poesia desse mundão na voz doce, doce de meu. Obrigada Inezita pelo belo exemplo de resistência e pelo canto dessas águas que jorram para a eternidade.

Cida Almeida, jornalista, é colaboradora do Jornal Opção.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.