Euler de França Belém
Euler de França Belém

O que está por trás das 11 demissões da Folha de S. Paulo? Um mercado que jornais ainda não entendem

O acesso na internet é formidável. Todos estão contentes. Mas o faturamentos dos jornais na internet não contribui para manter as estruturas físicas

esfinge-grega

Os jornais estão numa encruzilhada, que pode ser momentânea ou não. Os anúncios da versão impressa são mais caros e mantêm os lucros — pequenos, médios ou grandes — das empresas. Os anúncios da versão online às vezes são até fartos, mas não garantem a manutenção da estrutura. O fato está ocorrendo com todos os jornais, pois ainda não se descobriu a fórmula de os jornais faturaram “muito” dinheiro com seus portais-sites. Não se discute acesso, quase sempre alto (até muito alto) e em expansão. O problema é a sustentabilidade financeira. O “problema” — para o qual não se tem solução a médio prazo — é agravado pela crise econômica do país, que reduz tanto o número de anunciantes quanto os valores dos anúncios. Por trás das palavras “contenção de despesas” e “ajustes à economia real” está o que se disse antes. A tendência é que as empresas de comunicação passem a trabalhar com equipes cada vez menores e passem a comprar material de agências (o que “O Popular” está fazendo, comprando, por sinal, material produzido pela “Folha”) ou de jornalistas free lancers (que, não raro, estão à beira da escravidão ou da servidão voluntária).

A “Folha de S. Paulo” anunciou a demissão de 10 jornalistas e uniu os cadernos de “Esportes e Cotidiano” — as equipes serão as mesmas — e tornou mais enxuta uma de suas sucursais mais valorizadas, a do Rio de Janeiro, que só perdia, se perdia, em estrutura para a de Brasília. Novas demissões estão previstas e, mesmo quando previstas, virão (pelos motivos apresentados no primeiro paragráfo). A decisão foi anunciada na quinta-feira, 8.

Acrescente-se que as demissões de agora fazem fazer parte de um processo. O grupo Folha da Manhã vem demitindo há algum tempo e enxugando a redação. Isto não vai parar, exceto se a empresa conseguir ganhar mais dinheiro com a internet.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Cristiano Vieira

Num mundo de redes sociais, onde as pessoas estão lendo só títulos, percebemos que o conteúdo realmente pouco tem importado. Vejo publicações de manchetes tendenciosas no facebook, com títulos polêmicos. As pessoas reagem (curtem, amam, odeiam, etc…) e comentam sem ler. A leitura é ignorada. Vejo ainda que muitos portais trazem textos extensos e sem objetividade, o que afasta o leitor. Já os jornais goianos (os dois maiores – DM e O P) publicam notícias superficiais, sem informações suficientes, com excessos de erros de digitação, concordância, gramatical. Isso tudo pode afastar leitor e anunciantes e determinar a morte do meio… Leia mais