Euler de França Belém
Euler de França Belém

O Popular falava em “ocupação” de escolas e agora usa “invasão” pra denominar ação do MST

Meios de comunicação tratam movimentos sociais como luvas de pelica… até se tornarem vítimas

MST invade o pop foto de cristiano borges

Já disseram que a maldição e a redenção do homem começam na linguagem. É provável que seja assim. Quando a Sefaz e escolas do governo do Estado foram invadidas, recentemente, a TV Anhanguera e “O Popular” usaram um eufemismo: foram ocupações. Mas agora, quando os sem-terra ocuparam e picharam a sede do Grupo Jaime Câmara, seus veículos encontraram, finalmente, a palavra apropriada — “invasão”.

Editores e jornalistas, por vezes, aderem ao populismo, tentando agradar segmentos muito bem organizados da sociedade, e usam uma linguagem suave para denominar ações que beiram o terrorismo. Quando se tornam vítimas, não sabem como se comportar.

Trecho de reportagem de O Popular

“Integrantes do Movimento Sem Terra (MST) invadiram, na noite desta terça-feira (8), a sede do Grupo Jaime Câmara, que abriga veículos como TV Anhanguera, os jornais O Popular e Jornal Daqui, e a rádio CBN.”

(A foto é de Cristiano Borges/O Popular)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.