Euler de França Belém
Euler de França Belém

O erro da Veja sobre Romário é milhares de vezes menor do que a corrupção sistêmica criada pelo PT

Romário de Souza e Eurípedes Alcântara, editor da “Veja”: a revista apurou mal e errou; o senador quer e tem direito de cobrar indenização

Romário de Souza (direita) e Eurípedes Alcântara, editor da “Veja”: a revista apurou mal e errou; o senador quer e tem direito de cobrar indenização

A “Veja” admitiu que errou ao publicar que o ex-jogador de futebol Romário de Souza Faria tinha um conta na Suíça com saldo de 7,5 milhões de reais. O banco BSI divulgou um documento esclarecendo a questão: “Nós estabelecemos como certo que este extrato bancário é falso e que o sr. Romário de Souza Faria não é o titular desta conta em nosso banco na Suíça”. A revista pediu desculpas ao senador do PSB do Rio de Janeiro. “Estamos revisando passo a passo o processo que, sem nenhuma má fé, resultou na publicação do extrato falso nas páginas da revista, evento singular que nos entristece e está merecendo toda atenção e cuidado para que nunca mais se repita”, publicou a revista, no seu portal.

A Editora Abril mantém uma das maiores estruturas jornalísticas do país e teria facilidade para enviar um repórter à Suíça em busca de informações detalhadas ou poderia ter remetido um e-mail. O BSI certamente diria se o extrato era verdadeiro ou não. Como sua fonte possivelmente é (ou era) “boa”, a “Veja” apostou tudo na “veracidade” do “documento”. O diretor de redação, Eurípedes Alcântara, deveria ter cobrado mais investigação de sua competente redação.

Porém, nos casos do mensalão e do petrolão, não há a menor dúvida de que as principais denúncias — comprovadas — foram publicadas pela “Veja”. O grau de acerto e de ousadia jornalística é alto. Os “adversários” da publicação da Editora Abril — muitos com a cabeça feita pela máquina de propaganda do PT — vão se esbaldar. Certamente vão transformar um equívoco numa avaliação geral das demais publicações. Entretanto, aquele que se der ao luxo de verificar, possivelmente concluirá que os acertos são bem maiores. Muito do que a imprensa está publicando sobre o petrolão saiu antes na “Veja”. Quem mais se aproxima da revista, em termos de jornalismo investigativo de qualidade, é o “Estadão” e, em terceiro lugar, a revista “Época”.

Filósofos da linhagem de Hannah Arendt e Isaiah Berlin sempre procuraram incentivar o leitor a perceber que as coisas têm gradações e que é preciso julgar e comparar. O erro da “Veja”, ainda que tenha “prejudicado” apenas um indivíduo, Romário, é grave e sugere que sua apuração jornalística contém falhas. Mas o que dizer da corrupção articulada por petistas, em doze anos de poder?

Para chegar ao poder, para acalmar sobretudo o mercado financeiro e os industriais, Lula da Silva divulgou a Carta aos Brasileiros. Doze anos depois, com o mensalão — que levou petistas proeminentes à cadeia, como José Dirceu, José Genoino (financeiramente, honesto; moralmente, é difícil avaliá-lo) e Delúbio Soares — e com o petrolão (enlamearam e endividaram a Petrobrás), o PT criou um sistema corrupto, inicialmente para continuar no poder e, em seguida, para alguns de seus líderes locupletaram-se, ao lado de políticos do PMDB, do PP e do PR.

Agora, inteiramente tragado e manchado pela corrupção — daí a rejeição de 71% da presidente Dilma Rousseff (individualmente, decente), segundo o Datafolha —, o PT não quer (ou não tem coragem de fazê-lo) divulgar a Carta aos Brasileiros 2. Se quiser “escapar” da lama, salvando parte de seus integrantes — a maioria é honesta —, o PT tem de cortar na própria carne. Mas como fazer isto se parte da cúpula do partido pode estar envolvida até a medula no lodaçal da corrupção?

A “Veja” cometeu um erro. Mas o erro do PT é muito maior. Alguns de seus integrantes, além de furtarem os cofres públicos — antes do poder, diziam que fariam governos éticos e atacavam com virulência gestores corruptos —, roubaram as esperanças dos eleitores brasileiros. O PT aumentou o descrédito das pessoas em relação à política, quando a política é fundamental para a organização e mudança da sociedade.

7 respostas para “O erro da Veja sobre Romário é milhares de vezes menor do que a corrupção sistêmica criada pelo PT”

  1. Avatar José Mariano disse:

    Irresponsável no mínimo, tem de processar mesmo todos que, acusam sem provas, que sirva de lição para todos que estão acusando sem provas, ai e fácil acusa e depois finge pedir desculpa. Acreditam em tudo que lêem, vamos nos informar melhor, acusar sem provas e fácil, criar provas fraudulentas e fácil, e se tivesse ido parar na cadeia como ficaria.

  2. Avatar Olívio disse:

    Não entendi a relação entre o erro da Veja com o Romário, que bateu o pé até o último monuto dizendo que estava certa, com q corrupção do PT que envolve outro partido e pessoas. Na verdade, a Veja erra muito, no ano passado, por exemplo, em editorial, o Rodrigo Constantino disse que o Brasil deberia se separar do Nordeste por causa das eleiçøes, manteve o posicionamento e continua lá na veja falando mais asneiras.

  3. Avatar Manuel Ferreira disse:

    Concordo com o articulista. Para mim, deve-se ler tudo e reter o bom. Ora, acusa-se a Veja de tudo, mas esquece-se o quanto a revista contribui para denunciar as falcatruas deste Governo. Para mim, quem diz “nunca lerei nada da Veja” comporta-se como o religioso fanático, que não quer ler nada além do livro sagrado; mas aqui, temos fanáticos de ideologia.

  4. Avatar Vinícius Rocha disse:

    A Veja vem errando desde o famoso caso do “Boimate”, e o jornalista que se diz também ser historiador,sabe que a corrupção vem entranhada napolitica nacional bem antes do PT entrar no poder.

  5. Avatar Lita Carneiro disse:

    Perdeu Veja, perdeu. Sem ter provas, tentou denegrir o nome do senador. Não há dinheiro que pague tamanha injustiça. Quando se é acusado por desonestidade que não cometemos, não tem indenização que pague, muito menos um pedido de desculpas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.