Euler de França Belém
Euler de França Belém

Nigerianos roubam U$ 242 milhões de banco brasileiro

Misha Glenny con­ta a his­tó­ria do gol­pe que um gru­po de cri­mi­no­sos ni­ge­ri­a­nos apli­cou no Ban­co No­ro­es­te, das fa­mí­lias Si­mon­sen e Cochra­ne, en­tre 1995 e 1997

O his­to­ri­a­dor e jor­na­lis­ta in­glês Mis­ha Glenny es­cre­veu um li­vro mui­to bom, “McMá­fia — Cri­me Sem Fron­tei­ras” (Com­pa­nhia das Le­tras, 440 pá­gi­nas), no qual o Bra­sil fi­gu­ra co­mo um dos per­so­na­gens prin­ci­pa­is. Não é pre­ci­so es­que­cer as má­fi­as ita­li­a­nas e ame­ri­ca­nas, mas o pes­qui­sa­dor mos­tra que há mui­tas ou­tras má­fi­as no mun­do que de­vem ser co­nhe­ci­das e, so­bre­tu­do, com­ba­ti­das. Uma de­las é a ni­ge­ri­a­na.

No ca­pí­tu­lo 8, “O te­a­tro do cri­me”, Glenny con­ta a his­tó­ria do gol­pe que um gru­po de cri­mi­no­sos ni­ge­ri­a­nos apli­cou no Ban­co No­ro­es­te, das fa­mí­lias Si­mon­sen e Cochra­ne, en­tre 1995 e 1997. Jun­tas, fo­ram sur­ru­pia­das por afri­ca­nos es­per­tos em 242 mi­lhões de dó­la­res e só com mui­to cus­to con­se­gui­ram re­a­ver par­te do di­nhei­ro. Na ver­da­de, se­gun­do o li­vro, con­se­gui­ram blo­que­ar a gra­na. Mas gas­ta­ram uma for­tu­na pa­ra ten­tar re­to­má-la, pois ti­ve­ram de con­tra­tar es­pe­cia­lis­tas ca­rís­si­mos pa­ra fa­zer a ope­ra­ção de “re­tor­no”. Des­mo­ra­li­za­do, o ban­co aca­bou ven­di­do pa­ra o San­tan­der.

A his­tó­ria do gol­pe é sur­pre­en­den­te, e co­me­çou pe­lo fax e, de­pois, pe­la in­ter­net. O exe­cu­ti­vo Nel­son Saka­gu­chi, res­pon­sá­vel pe­las ope­ra­ções do Ban­co No­ro­es­te nas Ilhas Cayman, re­ce­beu um fax de Ta­fi­da Wil­li­amns (na ver­da­de, Bless Oke­reke), di­re­tor de Or­ça­men­to e Pla­ne­ja­men­to do Mi­nis­té­rio da Avi­a­ção da Ni­gé­ria. Wil­li­ams ex­pli­cou que o go­ver­no, que iria cons­tru­ir um no­vo ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal em Abu­ja, a no­va ca­pi­tal, pre­ci­sa­va de in­ves­ti­men­tos.

Nelson Saka­gu­chi, ví­ti­ma de uma frau­de mo­nu­men­tal

Saka­gu­chi, ho­mem do mer­ca­do fi­nan­cei­ro, fa­re­jou uma gran­de opor­tu­ni­da­de de in­ves­ti­men­tos. Ar­ti­cu­lou um en­con­tro com Pa­ul Ogwu­ma, di­re­tor do Ban­co Cen­tral da Ni­gé­ria. Os ni­ge­ri­a­nos in­for­ma­ram que o go­ver­no que­ria 50 mi­lhões de dó­la­res pa­ra cons­tru­ir o ae­ro­por­to.

Mes­mo sa­ben­do que o ca­pi­tal do No­ro­es­te era de ape­nas 500 mi­lhões de dó­la­res, o bra­si­lei­ro, im­pres­sio­na­do com o es­que­ma, en­tu­si­as­mou-se e li­be­rou ime­di­a­ta­men­te 4 mi­lhões de dó­la­res pa­ra Em­ma­nu­el Nwu­de, “o mais exí­mio gol­pis­ta da Ni­gé­ria”. Saka­gu­chi foi li­be­ran­do di­nhei­ro, até che­gar à fa­bu­lo­sa so­ma de 242 mi­lhões de dó­la­res. O no­me do gol­pe é “co­mis­são adi­an­ta­da”, ou 419. Os ni­ge­ri­a­nos fo­ram pe­din­do di­nhei­ro, an­te­ci­pa­ções, e, no fi­nal das con­tas, não ha­via ae­ro­por­to, nem os gol­pis­tas eram di­ri­gen­tes do go­ver­no e do ban­co cen­tral da Ni­gé­ria.

“To­do mun­do con­cor­da que Saka­gu­chi foi ví­ti­ma de uma frau­de mo­nu­men­tal” — uma das cin­co mai­o­res do mun­do —, “mas nin­guém en­ten­de co­mo um ban­quei­ro tão ex­pe­ri­en­te caiu no gol­pe nem por que sub­traiu o di­nhei­ro de seu em­pre­ga­dor no pro­ces­so”, es­cre­ve Glenny. “Saka­gu­chi in­sis­te que foi ví­ti­ma pu­ra e sim­ples de um gol­pe e que não es­ta­va rou­ban­do di­nhei­ro do ban­co. (…) A in­ge­nui­da­de de Saka­gu­chi im­plo­ra cre­di­bi­li­da­de. Não há pro­vas de que ele es­ti­ves­se man­co­mu­na­do com os gol­pis­tas — foi uma ví­ti­ma ge­nu­í­na. Mas es­ta­va fi­nan­cian­do aque­le jo­go des­vai­ra­do com o di­nhei­ro dos ou­tros.”

Saka­gu­chi as­se­gu­ra que seus pa­trões sa­bi­am do “ne­gó­cio”, mas as fa­mí­lias Si­mon­sen e Cochra­ne ne­gam e o pro­ces­sa­ram.

Glenny re­la­ta que os ni­ge­ri­a­nos en­vi­am, to­dos os di­as, mi­lha­res de e-mails pa­ra pes­so­as do mun­do in­tei­ro com pro­pos­tas de di­nhei­ro fá­cil — mi­lhões de dó­la­res — e mui­tas acre­di­tam, en­tram em con­ta­to e são le­sa­das. Di­fi­cil­men­te con­se­guem re­ce­ber o di­nhei­ro que, na ver­da­de, de­ram de pre­sen­te pa­ra ni­ge­ri­a­nos es­per­tos. O e-mail se tor­nou um po­de­ro­so ins­tru­men­to pa­ra os ni­ge­ri­a­nos ar­ran­ca­rem di­nhei­ro dos in­cau­tos. Ali­ás, po­de-se di­zer que Saka­gu­chi, com anos de mer­ca­do fi­nan­cei­ro, é in­cau­to?

Nou­tro ca­pí­tu­lo, Glenny re­la­ta co­mo o de­le­ga­do Pro­tó­ge­nes Quei­roz (o mes­mo que pren­deu o ban­quei­ro Da­ni­el Dan­tas) des­ba­ra­tou a qua­dri­lha do chi­nês Law Kin Chong. Nem mes­mo a Po­lí­cia Fe­de­ral em São Pau­lo foi avi­sa­da da Ope­ra­ção Sho­gun.

“Os car­té­is de Ca­li e de Me­del­lín co­me­ça­ram a ne­go­ci­ar a ex­pan­são glo­bal da co­ca­í­na com re­pre­sen­tan­tes da Ir­man­da­de de Solntse­vo de Mos­cou, com tra­fi­can­tes búl­ga­ros e com inú­me­ros tra­fi­can­tes do Ca­ri­be e da Amé­ri­ca Cen­tral” por in­ter­mé­dio das fa­mí­lias Cun­tre­ra e Cu­a­ra­na. O fun­da­dor do es­que­ma, oc­to­ge­ná­rio, mo­ra, sem ser mo­les­ta­do, no Rio de Ja­nei­ro. Os fil­mes ame­ri­ca­nos es­tão cer­tos: cri­mi­no­sos con­ti­nuam fu­gin­do pa­ra o Bra­sil.

O Pri­mei­ro Co­man­do da Ca­pi­tal (PCC) tam­bém é dis­cu­ti­do por Glenny, mas, nes­se cam­po, seu tra­ba­lho de pes­qui­sa é in­sa­tis­fa­tó­rio. Con­ten­tou-se em co­lher opi­ni­ões de pro­mo­to­res, um ju­iz apo­sen­ta­do e de­le­ga­dos de po­lí­cia e na­da con­ta de re­le­van­te.

Há re­la­tos in­te­res­san­tes so­bre “ra­tos” da in­ter­net bra­si­lei­ros e seus as­se­clas in­ter­na­cio­nais. Eles rou­bam mi­lhões de con­tas de ban­cos. O bra­si­lei­ro Kau, es­pe­cia­lis­ta em tes­tar se­gu­ran­ça de com­pu­ta­do­res, diz que “o úni­co com­pu­ta­dor se­gu­ro é o que es­tá des­li­ga­do”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.