Michael foi embora. Pois o Jaraguá é o Michael dos times do Goianão 2020

Clássico agora é assim: quando joga o Jaraguá contra o Goiás, o Atlético e o Vila Nova. O time encanta todos os torcedores

Cilas Gontijo

O Jaraguá Esporte Clube, mais conhecido como Gavião da Serra, tem sido até agora a grande sensação do Goianão 2020. Tudo seria trivial, se essa não fosse a sua primeira participação jogando a primeira divisão do Campeonato Goiano.

Criado em 1929, o Jaraguá completa 91 anos este ano — com uma história com muitos altos e baixos, talvez muito mais baixos que altos. Mas em 2019, noventa anos após sua fundação, entrou para a galeria dos grandes times do Estado de Goiás, conquistando o título da divisão de acesso para a elite do Goianão deste ano.

Este crescimento surpreendente do time da cidade do Vale do São Patrício não seria possível se não fosse a ajuda do poder público da cidade — com investimentos financeiros no Clube. Sem mãozinha (ou mãozona) pública, nada disso teria acontecido. Pelo simples fato de que os clubes do interior não têm condição para bancar um bom time — sem atrasos de salários. Não é fácil em dia todas as despesas de um clube de futebol.

Se é certo ou errado colocar dinheiro público em um time de futebol — lazer para o povo —, é uma questão a ser debatida, o que farei, em breve, noutro texto.

O grande responsável pelo bom momento do Gavião é Müller Meira, que está no clube desde o ano passado e era coordenador das categorias de base do Vila Nova. Na gestão do Jaraguá, tem feito um excelente trabalho — com contratações que está dando muito certo.

Lucas Oliveira: técnico soube ajustar o time do Jaraguá | Foto: Reprodução

Para a comissão técnica, Müller Meira convocou dois velhos amigos. Ariel Mamede, o primeiro, comandou a equipe na divisão de acesso. Ele hoje está no comando do Tigrão. Com sua saída, Müller trouxe o segundo amigo — que também veio do Vila. Trata-se de Lucas Oliveira.

Com um perfil parecido ao de Ariel, Lucas é um profissional ambicioso e quer fazer no Jaraguá o melhor possível e alavancar sua carreira como treinador de futebol.

A maioria dos jogadores que compõe o elenco é de jogadores com média de idade de 26 anos e veio de times onde não tiveram grandes oportunidades. São clubes de Goiás, de São Paulo e de Mato Grosso. Da mesma forma que seu dirigente e treinador, ou seja, ambiciosos. Eles desejam ser vistos por clubes maiores e de uma certa forma mostrar para seus ex-clubes que eles erraram e que são capazes de jogar um bom futebol.

O certo é que esse time tem deixado até os torcedores de outros times encantados com o que vêm mostrando na competição. Até o momento, com seis rodadas, o time continua invicto. Só tem vitórias e um empate.

Até onde vai ser assim? Não se sabe. Uma surpresa? Sim, uma grata surpresa ver um time do interior desbancando times da capital com orçamentos muito superiores e que, na prática, deveriam mostrar essa superioridade dentro de campo. Porém o jogo é jogado dentro de campo e nem sempre o dinheiro resolve.

Com 16 pontos na competição — três a mais que o segundo colocado, o Atlético, que tem 13, sete a mais que o todo-poderoso Goiás, com 9, e oito na frente do Vila Nova, que tem 8 pontos. Portanto, o time da lendária terra tem sido o novo Michael do campeonato Goiano 2020 — deixando todos, independentemente de qual time sejam torcedores, encantados com o seu futebol.

O destaque do Jaraguá não são craques incontornáveis. Mas o conjunto do time, que é muito bem armado.

No sábado, 22, às 17h30, acontecerá o jogo entre o Jaraguá e o Goianésia — o grande clássico do Vale do São Patrício. A partida será realizada no estádio Amintas de Freitas, na cidade de Jaraguá. O time mandante defenderá a liderança do campeonato.

Cilas Gontijo é comentarista esportivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.