Euler de França Belém
Euler de França Belém

Maurício Noriega lança biografia de Rivellino, o duque da seleção de 1970

livroBrilhar numa seleção que tem um rei como Pelé, um príncipe como Tostão, um conde como Carlos Alberto e um visconde como Jairzinho não é nada fácil. Mas o duque Roberto Rivellino — 70 anos em 2016 — foi uma das estrelas dos jogos da Copa de Futebol de 1970, no México, que vi numa televisão preto e branco, com chuvisco e tudo, e ouvi pelo rádio, nas vozes impagáveis de Waldir Amaral e Jorge Curi.

Dotado de forte personalidade, Rivellino cavou seu próprio espaço na seleção de 70 e jogou muito bem. Era tão bom quanto Jairzinho (um dos maiores jogadores da copa). A Patada Atômica também jogou muito bem no Corinthians — era chamado de Reizinho do Parque — e no Fluminense. Driblava, lançava e chutava com rara mestria.

O jornalista Maurício Noriega publica “Rivellino” (Contexto, 208 páginas) para explicar um jogador que, embora excelente, é esquecido pelos biógrafos, que preferem pesquisar a vida de Pelé e até a de jogadores menoríssimos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.