Maria José Silveira é a escritora universal que tanto canta o mundo quanto sua aldeia. Sua literatura é múltipla, una na qualidade e variegada na temática. A linguagem de sua prosa, finamente elaborada — e isto, diga-se, nada tem a ver com pomposidade —, é marcante e o leitor precisa prestar atenção em duas cousas. Primeiro, na história, às vezes intrincada. Segundo, na forma como a conta, sempre de maneira magistral. Há na sua escritura uma perspicácia rara para descrever os atos humanos. Há uma paixão, por assim dizer, por tudo que é estranhamente humano. Talvez seja possível sugerir que aqui e ali há um dedo de Dostoiévski — sem a brutalidade excessiva — matizado pelo dedo de Tchékhov. Prevalece, na sua prosa, a delicadeza do contista russo.

Maria José Silveira: autora do romance “Farejador de Águas” | Foto: Facebook

Maria José Silveira lança o romance “Farejador de Águas” (Instante, 256 páginas) na terça-feira, 13, às 18 horas, na Livraria do Goiânia Shopping. Ela autografará livros para os leitores.

Sinopse da editora de Farejador de Águas

“Uma saga de quase cem anos pelo Brasil profundo que nos lembra de que natureza e humanidade são uma coisa só e nos devolve a esperança em dias melhores.

“Nos anos 1920, Minino, garoto órfão criado por uma mulher indígena, decide abandonar a terra deixada pelos pais, em Goiás, e acompanhar a Coluna Prestes. Graças à sua coragem e esperteza, e também por possuir o dom de ‘farejar’ águas de nascentes de rios, ele logo passa a ter relevância no grupo e a caminhar na frente da marcha, a fim de também farejar jagunços escondidos na vegetação, prontos para emboscadas. É nessas andanças que Minino desenvolve a vontade de lutar por aquilo em que acredita, além do amor pela natureza e por Maria Branca, que se torna sua companheira de toda a vida. Com o fim da Coluna, decide voltar para sua pequena propriedade, mas isso não o impede de continuar perseguindo seus ideais.”

Outros livros de Maria José Silveira

— A Mãe da Mãe da Sua Mãe e Suas Filhas

— Pauliceia de Mil Dentes

— Guerra no Coração do Cerrado

— Maria Altamira

— Aqui. Neste lugar.