Euler de França Belém
Euler de França Belém

Lucy Alves muda estilo e grava música “Caçadora”. Que tal cantar “Que lio Compay Andres”?

Acordeonista de primeira linha, a paraibana encanta em clipe, o que sugere que pode cantar músicas de cubanos

A cantora Lucy Alves é, essencialmente, uma excelente acordeonista. Não que seja uma cantora de má qualidade. Mas “canta” melhor quando, junto, toca o instrumento que a consagrou. A paraibana tornou-se famosa, especialmente no Nordeste, cantando músicas (xote, baião, frevo, forró) consagradas de Luiz Gonzaga e similares. Seu trabalho pode ser apreciado no YouTube.

A bela Lucy Alves estava se tornando uma espécie de Luiz Gonzaga, ou Dominguinhos, de saia. Mas, no início de abril, deixando o acordeom de lado, quiçá provisoriamente, divulgou o clipe no qual canta a música “Caçadora”. Sensual, com um decote provocativo, mesmeriza cantando num estilo caliente — escapando da música regional. O que parece é que, jovem (31 anos) e em busca de um estilo mais “nacional”, está experimentado, sugerindo que não é uma artista limitada a um estilo, mesmo àquele que a torna uma espécie de rainha do, digamos, YouTube.

Numa entrevista a Bruno Astuto, da revista “Época”, Lucy Alves pespegou: “Eu estou muito feliz em poder mostrar essa faceta, esse meu lado mais sensual. É uma grande brincadeira e o clipe tem também uma atitude que tem tudo a ver com esse clima. Tipo ‘girl power’, mesmo”. A música faz parte da trilha sonora da novela “A força do querer”. “O [DJ] Ruxell trouxe o mundo eletrônico, a batida que eu queria para o pessoal dançar, mesmo. Pode parecer um pouco diferente do meu repertório, mas a minha música sempre teve muito de dança”, diz a artista.

A música diz: “Montada, armada, tô pronta pra caçada”. “Eu gosto muito de dançar e ‘Caçadora’ é para a pista, para colocar todo mundo para se divertir.” A música não é lá grande coisa, mas, em busca de um público mais amplo, Lucy Alves não faz feio. A música diverte, encanta e, de fato, convida à dança. O clipe, gravado numa espécie de cabaré-boate, é de uma sensualidade quase andrógina ou, quem sabe, pansexual.

Ao final do clipe, o que concluir? Que a melhor Lucy Alves, a grande Lucy Alves, ainda é a que canta músicas “nordestinas”, com seu acordeom refinado. Mas é um direito da artista, ainda mais de uma artista tão talentosa, tentar outros caminhos. Eu gostaria de vê-la cantando bolero (son ou guaracha), ao estilo dos cantores cubanos, como Ibrahim Ferrer, Compay Segundo, Celia Cruz e Omara Portuondo. Eu adoraria vê-la cantando e executando no acordeom a divertida música trava-língua “Que lio Compay Andres” — cantada, com mestria, por Compay Segundo:

e Eliades Ochoa:

https://www.youtube.com/watch?v=_WPRzw9YeeM).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.