Euler de França Belém
Euler de França Belém

Livro revela história do americano que ajudou Fidel e Che Guevara a fazer a Revolução Cubana

Mitch Weiss e Michael Sallah, ganhadores do prestigioso Pulitzer, relatam a história de William Morgan, o revolucionário que Fidel Castro mandou prender

Uma grande história está chegando às livrarias patropis no livro “O Comandante Ianque — A História de Coragem e Luta de um Americano Para Libertar Cuba” (Record, 364 páginas, tradução de Maria Cavalcanti e Cristina Torquilho), de Mitch Weiss e Michael Sallah. A obra conta a história do intrépido William Morgan, que chegou em Cuba em 1957, oriundo dos Estados Unidos, para combater nas montanhas com o pequeno exército de guerrilheiros de Fidel Castro, Raúl Castro e Che Guevara.

Michael Sallah, jornalista

Articulado e mais experimentado do que muitos guerrilheiros, William Morgan assumiu a liderança inclusive de Che Guevava e, junto com Fidel e Raúl, expurgaram o ditador Fulgencio Batista do poder e de Cuba.

No poder, Fidel Castro, aquele que parecia democrata — era, em 1959, não um comunista, e sim nacionalista, de matiz populista e autoritário —, prendeu adversários, permitiu que muitos fossem assassinados, sem qualquer julgamento formal, e exilou vários cubanos.

As propriedades dos homens ricos e mesmo de indivíduos de classe média foram tomadas, sem nenhuma indenização. William Morgan acabou preso, por discordar dos métodos do trio Fidel Castro, Raúl Castro e Che Guevara.

Mitch Weiss, autor de livro sobre Cuba

Jornalistas consagrados e premiados com o Pulitzer, Michael Sallah e Mitch Weiss relatam que, além de articular a guerrilha, William Morgan — pouco citado nos livros sobre a Revolução Cubana de 1959 — viveu um grande amor com a rebelde Olga Rodríguez. Eles se casaram e se rebelaram contra o governo de Fidel Castro, ao qual trabalharam para derrubar, de maneira infrutífera.

Michael Sallah e Mitch Weiss tiveram acesso a documentos confidenciais do FBI, da CIA e da Inteligência do Exército dos Estados Unidos para escrever o livro. Mas a obra não é baseada exclusivamente em documentos oficiais do governo americano sobre a Revolução Cubana e a respeito do indomável William Morgan. Como se diz em Hollywood e nos cadernos de entretenimento, uma história de cinema.

Deixe um comentário