Laís Fernanda, advogada, foi assassinada. Nilson Gomes diz que agora é luz

Laís estava terminando sua tese de mestrado em Processos Sustentáveis

A Laís agora é luz

Nilson Gomes

1

Laís Fernanda Araújo

Era brilhante advogada

Em breve realizaria

O sonho de ser magistrada

Mas na linda biografia

Encerrou-se a alegria:

Laís foi assassinada

2

Ninguém queria crer naquilo:

“Ah, está mentindo quem diz”

Pois Laís significava

Só coisa boa e feliz

Não, não podia ser verdade

Se há limite na maldade

Ela não chega à Laís

3

Laís conquistava a todos

E tudo com seu talento

Inteligência, persistência

Esforço, discernimento

Tanta virtude reunida

Tanta beleza, tanta vida

Não findariam num momento

4

Laís estava terminando

Sua tese de mestrado

Em Processos Sustentáveis

Conteúdo elogiado

No Brasil e até no Chile

Tantas ideias em desfile

Pro futuro deste Estado

5

Não há futuro sem Laís

Não há lugar que no presente

Suporte assistir quieto

O sofrer de sua gente

No Chile foi que Laís viu

Como desfila no Brasil

Quem faz sofrer o inocente

6

Mas Laís era a pureza

No presente e no pretérito

Estava vencendo concursos

Para trabalhar em inquérito

Depois, seria juíza

Com a dedicação precisa

De quem triunfa por mérito

7

O mérito nunca foi seu

Era o que Laís dizia:

“Deus dá tudo ao que crê

Ar, água, a luz, o dia”

Deus é bom, nos deu Laís

Deu tudo o que ela quis:

Bondade e sabedoria

8

Foi o que Laís inspirou

Nos fiéis de sua igreja

Mandando luz para os povos

De onde quer que esteja

E está junto de Deus

De novo, por méritos seus

De novo, por ser benfazeja

9

Bem fazia ao ensinar

Às células, às crianças

O ministério da Palavra

Das palavras de esperanças

De novo, ao novo, ao velho

Levou a luz do Evangelho

Levou a paz nas andanças

10

Por onde anda a paz?

Voou como a pomba branca?

“A paz está dentro de nós”

Laís responderia franca

Não duvidaria da fé

Reafirmaria quem é

O Deus que nos alavanca

11

Antes de a paz alçar voo

Antes da noite fatídica

Laís estava no Senar

Como assessora jurídica

Respeitada no Direito

Por fazer tudo bem feito

Por fazer tese verídica

12

Mas chegou a noite de maio

Dia 10, no Alto da Glória

O bairro de muitos amigos

A moça, marca da vitória

Conseguiu estacionar

E foi mexer no celular

Quando chegou a escória

13

O Inimigo tem mil faces

Duas surgiram nas janelas

Do Fit prata de Laís

Como assombração daquelas

De fazer tremer a espinha

“De fazer a mulher sozinha”

Acelerar pelas ruelas

14

O bandido se enganou

Laís nunca esteve só

Mas o tempo todo com Deus

Não há companhia melhor –

O diabo é a violência –

Não adianta ter prudência

De ninguém os monstros têm dó

15

As faces do Mal assustaram

Laís acelerou sem ver

Os bandidos viram ser fácil

Matar sem que nem por quê

Confiantes na impunidade

Dois menores de idade

E casal de fazer tremer

16

Laís não tremeu, assustou-se

No País dos 60 mil

Assassinatos por ano

Quem estava perto ouviu

Um tiro e uma corrida

Pela morte, não pela vida

E quem treme é o Brasil

17

Sejam maiores ou menores,

Quatro maiúsculos no crime

Um tiro fatal no tórax

Fatal pra moça tão sublime

Um tiro não só na Laís

Tiro na cara do País

Fatal pra este vil regime

18

Regime é sempre fechado

Para as pessoas de bem

Não podem sair de carro

Nem a pé, ônibus ou trem

Ficam presas dentro de casas

O crime roubou-lhes as asas

Liberdade ladrão é que tem

19

Quatro bandidos mataram

Um apertou o gatilho

Outro acompanhou do lado

No carro-fuga o caudilho

A quarta vigiou a rua

Desde então, até a Lua

E o Sol perderam o brilho

20

As Polícias foram rápidas

Juntas prenderam o quarteto

Civil e PM agindo

Funcionou bem o dueto

Problema é que marginal

Se livra com a lei penal

E o ECA obsoleto

21

A Laís é tão querida

Que a tragédia já inspira

Um movimento de juristas

Nos quais as leis dão é ira

Chega de Código vencido

Que só traz razão a bandido

O resto é tudo mentira

22

Edemundo de Oliveira

É delegado e pastor

Defende direitos humanos

Mas se cansou desse horror

Quem matou Laís é ladrão

E perpétua é a prisão

Que merece o malfeitor

23

Ladrão que mata pra roubar

É chamado de latrocida

Nas raras vezes que vai pego

Sai logo pela lei falida

Menores nem ficam nas celas

Pros que surgiram nas janelas?

Casa, roupa limpa, comida

24

As faces do horror nas janelas

13 e 16 anos

Rindo da dor da família

Rindo por estragar planos

Inda dizem ser crueldade

Que reduzir maioridade

Afeta direitos humanos

25

A OAB divulgou nota

Saudando os policiais

Centenas de advogados

Usaram redes sociais

Elogiando a polícia

Que por dias foi notícia

Enjaulando os marginais

26

Os que a polícia prendeu

Serão soltos pelas leis

Os menores saem em meses

Talvez sete, talvez seis

Os maiores vão ficar

Até a Copa do Catar

Talvez antes, meu Deus!, talvez

27

Foi isso o que escreveu

Demóstenes, um procurador

Que tentou mudar as leis

Em seu tempo de senador

Diz que batia de frente

Com quem acha que delinquente

Merece carinho e flor

28

Demóstenes lembrou que todos

No latrocínio envolvidos

Haviam matado, roubado

Deveriam estar detidos

Mas a frouxidão das leis

Transforma ladrões em reis

E os cidadãos em bandidos:

29

“A família e os amigos

Nunca mais verão Laís.

Já as ruas logo verão

A dupla que porta fuzis

Matar quem estaciona

A criminalidade é dona

Da vida, da paz, do País”

30

As leis às quais Laís

Dedicou sua juventude

Precisam mudar com urgência

E pra que algo aqui mude

É preciso mostrar pra Nação

Que Laís não sofreu em vão

Que vamos tomar atitude

31

Laís não chegou a juíza

Mas precisamos ter juízo

Laís não reagiu, mas pra

Nós agir logo é preciso

Sua linda biografia

Recomeça com alegria

Começa a cada sorriso

Nilson Gomes é jornalista, escritor e advogado.

Deixe um comentário