Euler de França Belém
Euler de França Belém

Justiça manda retirar de circulação livro com suposto diário do ex-deputado Eduardo Cunha

O livro a respeito da Lava Jato é apontado como ficcional. E, claro, não foi escrito pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados, que, como deixa dúvida, pediu sua censura, e conseguiu

A Justiça do Rio de Janeiro proibiu a circulação do livro “Diário da Cadeia — Com Trechos da Obra Inédita Impeachment”, “de” Eduardo Cunha (pseudônimo), publicado pela Editora Record. Na sexta-feira, 24, a editora divulgou uma nota informando que, cumprindo decisão judicial, “interrompeu imediatamente a circulação da obra”. A censura foi pedida pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, que exige uma indenização de 100 mil reais.

O “Diário da Cadeia” não foi escrito pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, que está preso e pretende escrever um livro contando sua história política. Numa entrevista à revista “Veja”, o editor da Record, Carlos Andreazza, revelou que uma mulher é a autora (com vários livros publicados) do livro ficcional mas fortemente ancorado na realidade. A repórter da revista pergunta: “O que podemos saber sobre o verdadeiro autor?” E recebe como resposta: “É um escritor com vários livros publicados”. A jornalista complementa: “Podemos enviar perguntas para ele?” Carlos Andreazza consente: “Sim, me passa que eu encaminho a ela”. Observe que não diz “ele”, e sim “ela”. Seria um disfarce ou um ato falho?

Como não leu o livro, ao recorrer à Justiça — o juiz possivelmente não leu a obra —, Eduardo Cunha estaria pedindo “censura prévia”, na avaliação de Carlos Andreazza. “É uma sátira de gargalhar de rir. Acho que o Cunha vai se divertir”, afirma o editor. Não vai mais, porque o livro não irá, como havia sido informado, para as livrarias neste fim de semana. Quem tentar vendê-lo será multado.

Adiante, o livro pode ser liberado pela Justiça? É provável, sobretudo depois que Eduardo Cunha (ou seus advogados) e o magistrado tiverem lido a obra integralmente.

Nota oficial sobre o livro “Diário da Cadeia”

Em cumprimento à decisão judicial relacionada ao livro “Diário da Cadeia – Com Trechos da Obra Inédita Impeachment – Eduardo Cunha (PSEUDÔNIMO)”, processo nº 0063612-11.2017.8.19.0001, em trâmite na 13ª Vara Cível da Comarca da Capital do Rio de Janeiro, a Editora Record interrompeu imediatamente a circulação da obra.

“Estamos envidando todos os esforços para obter a revogação da Tutela Provisória de Urgência.

“Solicitamos que, por gentileza, não sejam publicados ou reproduzidos trechos da obra citada.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.