Euler de França Belém
Euler de França Belém

Jason Bourne patropi: agente secreto da ditadura enganou líder do PSOL em Goiás

Joaquim Artur Lopes de Souza, o Ivan-Carioca, trabalhou, em novembro de 1964, para evitar reação do cacique Pedro Ludovico e do ex-governador Mauro Borges

Resenha publicada em 9 de maio de 2013

Jo­a­quim Ar­thur Lo­pes de Sou­za, co­di­no­me Ivan, é ti­do co­mo um dos mais “efi­ci­en­tes” agen­tes se­cre­tos da di­ta­du­ra ci­vil-mi­li­tar. Sar­gen­to, atu­a­va no Cen­tro de In­for­ma­ções do Exér­ci­to. No li­vro “A Lei da Sel­va” (Ge­ra­ção Edi­to­ri­al), o jor­na­lis­ta Hu­go Stu­dart re­la­ta: “O ge­ne­ral An­tô­nio Ban­dei­ra, mai­or íco­ne mi­li­tar du­ran­te a guer­ri­lha [do Ara­gu­aia], di­zia a to­dos que ado­ra­va o Ivan. Quan­do o via, abria um sor­ri­so. Era o úni­co mi­li­tar su­bal­ter­no cu­jas opi­ni­ões Ban­dei­ra cos­tu­ma­va escutar”. Stu­dart su­ge­re que Ivan apai­xo­nou-se pe­la guer­ri­lhei­ra co­mu­nis­ta Di­nal­va Oli­vei­ra Tei­xei­ra, a len­dá­ria Di­na, mas, obe­de­cen­do à or­dem “sem so­bre­vi­ven­tes”, exe­cu­tou-a [leia mais adi­an­te]. Sa­bia-se pou­co so­bre o agen­te. Ago­ra, com o li­vro “Sem Ves­tí­gios — Re­ve­la­ções de um Agen­te Se­cre­to da Di­ta­du­ra Mi­li­tar Bra­si­lei­ra” (Ge­ra­ção Edi­to­ri­al, 239 pági­nas), es­cri­to a par­tir de su­pos­tos di­á­rios e es­bo­ço de um li­vro de Ivan pe­la jor­na­lis­ta Taís Mo­ra­is, es­pe­cia­lis­ta em Guer­ri­lha do Ara­gu­aia, fi­ca-se sa­ben­do um pou­co mais. Taís, tal­vez pa­ra pro­te­ger a fa­mí­lia do es­pi­ão, pre­fe­re cha­má-lo de Ca­ri­o­ca — não ci­tan­do o co­di­no­me Ivan e o no­me Jo­a­quim Ar­tur (re­ve­la­dos por Stu­dart). Há du­as his­tó­ri­as que interes­sam par­ti­cu­lar­men­te ao lei­tor go­i­a­no. Sol­da­do do Exér­ci­to, Ivan-Ca­ri­o­ca tra­ba­lhou con­tra uma pos­sí­vel re­sis­tên­cia de Pe­dro Lu­do­vi­co e de Mau­ro Bor­ges, quan­do es­te foi afas­ta­do do go­ver­no de Go­i­ás, em no­vem­bro de 1964. Mais tar­de, en­ga­nou o en­ge­nhei­ro go­i­a­no Mar­ti­nia­no Ca­val­can­te (Cavalcanti, no livro), prin­ci­pal lí­der do PSOL¹ em Go­i­ás.

Pos­si­vel­men­te no fi­nal da dé­ca­da de 1980 — o agen­te te­ria si­do as­sas­si­na­do em 1987, tal­vez por tra­fi­can­tes —, Ivan-Ca­ri­o­ca re­ce­beu uma or­dem do co­ro­nel Bra­ga, do Exér­ci­to: “Dois ho­mens es­tão or­ga­ni­zan­do um par­ti­do clan­des­ti­no em Go­i­â­nia, com ra­mi­fi­ca­ções em ou­tras ci­da­des. Vi­a­je ime­di­a­ta­men­te pa­ra lá, ve­ri­fi­que e re­por­te to­dos os de­ta­lhes”. Um dos ho­mens era Mar­ti­nia­no. Ivan-Ca­ri­o­ca vas­cu­lhou o dos­siê so­bre o po­lí­ti­co go­i­a­no e des­co­briu que ti­nha “li­ga­ção com um ho­mem que su­pos­ta­men­te di­ri­gia uma grá­fi­ca que pu­bli­ca­va do­cu­men­tos do par­ti­do clan­des­ti­no em for­ma­ção”.

Taís não di­vul­ga o no­me do par­ti­do, o que é uma fa­lha de seu es­pan­to­so li­vro-re­por­ta­gem. O jor­na­lis­ta Re­na­to Di­as, espe­cia­li­za­do em as­sun­tos da es­quer­da, con­ta que, em 1987, o Co­mi­tê Gre­gó­rio Be­zer­ra — que al­guns de seus integran­tes (ex-pres­tis­tas) cha­ma­vam de KGB — ten­tou fun­dar o Par­ti­do da Li­ber­ta­ção Pro­le­tá­ria. Ivan-Ca­ri­o­ca foi escalado, pos­si­vel­men­te, pa­ra in­ves­ti­gar o PLP, que nau­fra­gou an­tes de se tor­nar par­ti­do. Mais tar­de, vi­rou PSTU, que teve em Eli­as Vaz (ho­je no PSOL²) seu pri­mei­ro e úni­co ve­re­a­dor elei­to em Go­i­â­nia.

Com os da­dos nas mãos, Ivan-Ca­ri­o­ca dei­xou Bra­sí­lia e, com o no­me de Pau­lo Mar­tins, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, “especia­li­za­do em Ci­ên­cias So­ci­ais”, de­ci­diu pro­cu­rar Mar­ti­nia­no em Go­i­â­nia.

Joaquim Artur Lopes de Souza, o Ivan-Carioca | Foto: Reprodução

Na ca­pi­tal go­i­a­na, Ivan-Ca­ri­o­ca li­gou pa­ra Mar­ti­nia­no. “So­lí­ci­to e sem des­con­fi­ar de na­da, [Mar­ti­nia­no] con­vi­dou-o a ir até sua ca­sa. Foi fá­cil as­sim.” A mu­lher de Mar­ti­nia­no in­for­mou: “Sen­te-se e fi­que à von­ta­de; ele es­tá ter­mi­nan­do de re­di­gir um do­cu­men­to po­lí­ti­co e não vai de­mo­rar”. “A sa­la pa­re­cia imen­sa — pe­la fal­ta de mó­veis e jei­to de apa­re­lho —, não de lar. Ape­nas du­as pol­tro­nas e, ao fun­do, uma gran­de me­sa de uns três me­tros de com­pri­men­to, cheia de pa­péis e li­vros”, con­ta Taís, a par­tir das ano­ta­ções do agen­te. Mar­ti­nia­no es­ta­va es­cre­ven­do um tex­to pa­ra ser en­vi­a­do ao Sin­di­ca­to dos Pro­fes­so­res de Go­i­â­nia (o cer­to é de Go­i­ás, o Sin­te­go foi cri­a­do em 1988).

Ao ter­mi­nar o ar­ti­go, sem sus­pei­tar de na­da, Mar­ti­nia­no “le­van­tou-se e foi ao en­con­tro do tal Pau­lo Mar­tins, de quem nunca ou­vi­ra fa­lar, com a mão di­rei­ta es­ten­di­da. Cum­pri­men­tou-o efu­si­va­men­te, ba­teu em seu om­bro e de­cla­rou-se muito sa­tis­fei­to com aque­la vi­si­ta de sur­pre­sa. Na­da per­gun­tou so­bre as cre­den­ci­ais da pes­soa que en­tra­va em sua casa. Ao con­trá­rio, per­gun­tou: ‘Em que pos­so aju­dá-lo?’”.

Ivan-Ca­ri­o­ca sur­pre­en­deu-se com a aco­lhi­da cor­dial de um jo­vem po­lí­ti­co que es­ta­va or­ga­ni­zan­do um par­ti­do de esquerda ra­di­cal. Não che­cou na­da so­bre Pau­lo Mar­tins. O agen­te es­ta­va pre­o­cu­pa­do, com me­do de ser des­co­ber­to. O so­ci­a­lis­ta dis­se, com tranquilidade, que a di­ta­du­ra per­se­gui­ra as gran­des ca­be­ças in­te­lec­tu­ais da es­quer­da, mas que “os co­mu­nis­tas po­de­ri­am vol­tar às ati­vi­da­des”.

En­quan­to a mu­lher de Mar­ti­nia­no ser­via o ca­fé, Ivan-Ca­ri­o­ca olhou, dis­cre­ta­men­te, os fo­lhe­tos que es­ta­vam na me­sa. Mar­ti­nia­no fa­lou das “di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras do par­ti­do” e Ivan-Ca­ri­o­ca, de­pois de mui­to ou­vir, des­pe­diu-se. “A par­tir dali, pas­sou a te­le­fo­nar se­ma­nal­men­te pa­ra Mar­ti­nia­no Ca­val­can­ti pa­ra fa­lar so­bre po­lí­ti­ca, ten­tan­do so­li­di­fi­car o pri­mei­ro con­ta­to. Sem­pre se co­lo­ca­va à dis­po­si­ção do in­ter­lo­cu­tor, pa­ra al­go que pre­ci­sas­se, na ca­pi­tal fe­de­ral.”

Martiniano Cavalcanti: ex-PSOL | Foto: Reprodução

Um mês mais tar­de, Mar­ti­nia­no iria par­ti­ci­par de um en­con­tro do par­ti­do em Bra­sí­lia, jun­to com mem­bros do co­mi­tê cen­tral. Mar­ti­nia­no te­ria di­to pa­ra Pau­lo Mar­tins: “É uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de pa­ra vo­cê co­nhe­cer de per­to a lu­ta”.

No en­con­tro dos co­mu­nis­tas ra­di­cais, “Mar­ti­nia­no re­ce­beu Pau­lo Mar­tins com to­da a cor­dia­li­da­de. Apre­sen­tou-o a ou­tros mi­li­tan­tes”. Ao sa­ir do en­con­tro, que não con­se­guiu fo­to­gra­far nem gra­var, agen­tes se­cre­tos se­gui­ram Ivan-Ca­ri­o­ca, prova­vel­men­te con­fun­din­do-o com um co­mu­nis­ta. Com ma­no­bras ra­di­cais, es­ca­pou dos co­le­gas.

O Jor­nal Op­ção ten­tou ou­vir a ver­são de Mar­ti­nia­no Ca­val­can­ti, prin­ci­pal lí­der do PSOL em Go­i­ás, mas não o en­con­trou em Go­i­â­nia ou Bra­sí­lia. Con­ver­sou com o ve­re­a­dor Eli­as Vaz, do mes­mo par­ti­do, que for­ne­ceu os nú­me­ros de dois telefones do so­ci­a­lis­ta — um ce­lu­lar e o ou­tro de sua re­si­dên­cia.

Mau­ro Borges e Pe­dro Ludovico

Em no­vem­bro de 1964, de­pois de ter apoi­a­do o gol­pe ci­vil-mi­li­tar que le­vou Cas­tel­lo Bran­co ao po­der, o go­ver­na­dor Mau­ro Bor­ges, um na­ci­o­na­lis­ta de cen­tro — nun­ca te­ve uma go­ta de es­quer­dis­mo no seu san­gue de coronel do Exér­ci­to —, foi der­ru­ba­do pe­lo es­for­ço con­cen­tra­do das for­ças ude­nis­tas (fa­mí­lia Cai­a­do, Ary Va­la­dão, Al­fre­do Nas­ser, en­tre ou­tros) e da li­nha du­ra mi­li­tar (Mau­ro apo­i­a­ra a pos­se de Jan­go Gou­lart em 1961 e se tor­na­ra ali­a­do do de­mo­ni­za­do Le­o­nel Bri­zo­la).

Taís Morais: pesquisadora gabaritada da Guerrilha do Araguaia | Foto: Facebook

A par­tir das ano­ta­ções de Ivan-Ca­ri­o­ca, Taís es­cre­ve: “Pe­dro [Lu­do­vi­co], o pai de Mau­ro, deu si­nais de que pre­ten­dia resis­tir. Jun­tou um gru­po de apa­ni­gua­dos, além de al­guns po­li­ci­ais ci­vis e mi­li­ta­res fi­éis a ele. Pi­o­rou a si­tu­a­ção do fi­lho. Sua ati­tu­de foi a go­ta d’água pa­ra Cas­tel­lo Bran­co en­du­re­cer e or­de­nar a ope­ra­ção de guer­ra. Aos sol­da­dos que, co­mo Ca­ri­o­ca, ti­nham si­do con­vo­ca­dos pa­ra o cer­co ao go­ver­na­dor, foi da­da a in­for­ma­ção de que de­ve­ri­am es­tar pron­tos pa­ra tu­do, pois se tra­ta­va de uma ação ar­ris­ca­da: a ver­são é de que ha­via um con­fli­to sé­rio em Go­i­â­nia, com en­vol­vi­men­to da Po­lí­cia Mi­li­tar. Saí­ram de­vi­da e os­ten­si­va­men­te ar­ma­dos, com a se­guin­te or­dem do co­man­do: ‘Va­mos im­pe­dir que qualquer gru­pa­men­to ul­tra­pas­se o li­mi­te que es­ta­be­le­cer­mos. Fi­quem na es­tra­da e pa­rem car­ros que, por­ven­tu­ra, venham com po­li­ci­ais mi­li­ta­res’”.

Na es­tra­da, Ca­ri­o­ca, com o apoio de seus co­le­gas de far­da, “bar­ra­va e re­vis­ta­va to­dos os ve­í­cu­los que pa­re­ci­am suspeitos”. A re­a­ção de Pe­dro Ludovico e Mau­ro Borges era, na ver­da­de, ne­nhu­ma. Não ha­via co­mo re­a­gir, ex­ce­to com pa­la­vras e lamentos. Aca­ba­va, em 1964, a ex­pe­ri­ên­cia de um na­ci­o­na­lis­ta que, ali­a­do com a oli­gar­quia lu­do­vi­quis­ta, fez um go­ver­no pla­ne­ja­do e mais mi­ti­fi­ca­do que com­pre­en­di­do.

Da­vid Ca­pis­tra­no é o Ti­ra­den­tes co­mu­nis­ta

O di­ri­gen­te co­mu­nis­ta Da­vid Ca­pis­tra­no foi pre­so no Rio Gran­de do Sul e es­quar­te­ja­do na Ca­sa de Pe­tró­po­lis

De­pois de des­tru­ir a es­quer­da ar­ma­da, tan­to a Ação Li­ber­ta­do­ra Na­ci­o­nal (ALN) de Car­los Ma­rig­hel­la quan­to o PC do B de Mau­rí­cio Gra­bois e o Mo­li­po de Jo­sé Dir­ceu, as for­ças re­pres­si­vas vol­ta­ram-se pa­ra o ve­lho e mo­de­ra­do Par­ti­do Comunis­ta Bra­si­lei­ra (PCB), co­nhe­ci­do co­mo Par­ti­dão (ho­je PPS³). Um de seus pre­sos e de­sa­pa­re­ci­dos mais conhecidos é o len­dá­rio Da­vid Ca­pis­tra­no da Cos­ta, que par­ti­ci­pou da Guer­ra Ci­vil Es­pa­nho­la (1936-1939), ao la­do dos re­pu­bli­ca­nos. Exi­la­do na Tche­cos­lo­vá­quia, re­tor­nou ao Bra­sil, via Uru­gu­ai­a­na, no Rio Gran­de do Sul.

Em 13 de mar­ço de 1974, Da­vid Ca­pis­tra­no e um com­pa­nhei­ro fo­ram pre­sos. Ivan-Ca­ri­o­ca foi um dos agen­tes se­cre­tos do CIE en­vi­a­dos a Por­to Ale­gre pa­ra le­vá-lo pa­ra São Pau­lo e en­tre­gá-lo à Ope­ra­ção Ban­dei­ran­tes (Taís es­cre­ve, er­ra­do, Or­ga­ni­za­ção). De­pois, o agen­te re­ce­beu or­dens de en­ca­mi­nhá-lo pa­ra a fa­mo­sa Ca­sa de Pe­tró­po­lis, de on­de era di­fí­cil sa­ir vi­vo.

Na Ca­sa de Pe­tró­po­lis, Ivan-Ca­ri­o­ca e o ofi­ci­al Gar­cia, o Boa Mor­te, en­tre­gam Da­vid Ca­pis­tra­no pa­ra “um po­li­ci­al mi­li­tar ne­gro”, co­nhe­ci­do co­mo Par­dal, e a um jo­vem. À noi­te, Gar­cia diz: “Olha, Ca­ri­o­ca, se não es­ti­ver a fim, não pre­ci­sa ir ao cô­mo­do do quin­tal on­de os me­ni­nos es­tão tra­ba­lhan­do”. Às 21 ho­ras, um dos agen­tes o cha­mou: “Ei! Ca­ri­o­ca! Ve­nha aqui fo­ra, o tra­ba­lho tá qua­se pron­to”.

Tran­scre­vo o as­som­bro­so tex­to de Taís so­bre o es­quar­te­ja­men­to de Da­vid Ca­pis­tra­no: “O que [Ivan-Ca­ri­o­ca] viu ao en­trar ti­rou seu fô­le­go. Não, não po­dia ser ver­da­de… […] Era san­gue por to­do o la­do, im­preg­nan­do o am­bi­en­te com aque­la textu­ra pe­ga­jo­sa do pro­ces­so de co­a­gu­la­ção. O lí­qui­do for­ma­va pe­que­nas po­ças no chão, mas nem si­nal de um cor­po hu­ma­no ín­te­gro. Chei­ro de car­ne e vís­ce­ras. Mor­te re­cen­te. Sa­bia dis­tin­guir mui­to bem. Afi­nal, on­de es­ta­va o pre­so subme­ti­do à ta­ma­nha fe­ro­ci­da­de? […] Cho­ca­do, sem ar­ti­cu­lar uma só pa­la­vra, o es­tô­ma­go en­gu­lha­do, per­ce­beu que as par­tes, amon­to­a­das num can­to, es­ta­vam a pon­to de se­rem co­lo­ca­das em sa­cos plás­ti­cos. […] Len­ta­men­te, le­van­tou a ca­be­ça em di­re­ção a al­go pen­du­ra­do em gan­chos. A prin­cí­pio não dis­tin­guiu bem o que era. Um tron­co, di­vi­di­do ao meio. As cos­te­las de Ca­pis­tra­no pen­di­am do te­to, e ele, re­du­zi­do a pe­da­ços co­mo se fos­se uma car­ca­ça de ani­mal abati­do, pron­ta pa­ra o açou­gue. Não pô­de evi­tar a ime­di­a­ta as­so­cia­ção com uma câ­ma­ra fri­go­rí­fi­ca, mas ex­pon­do um ser hu­ma­no, co­mo ele”.

Teoria da conspiração implica José Dirceu como agente duplo

O livro-reportagem de Taís Morais é muito bom e as histórias, embora não inteiramente documentadas, são críveis. Há problemas, felizmente poucos. O ex-ministro José Dirceu me processou, há alguns anos, porque publiquei uma entrevista (gravada) do historiador Luís Mir, na qual se dizia que o ex-dirigente estudantil (e, mais tarde, presidente nacional do PT) havia sido um agente duplo e possivelmente um dos responsáveis pela queda do Movimento de Libertação Popular (Molipo). Na verdade, houve uma confusão: o petista realmente integrava um grupo de esquerda brasileiro e era ligado ao governo cubano. Mas nunca foi agente da ditadura. Numa entrevista para o Jornal Opção, José Dirceu apresentou sua versão. O fato é este: não há nenhuma prova de que José Dirceu tenha sido agente duplo, ou seja, que tenha trabalhado para os militares para salvar a própria vida.

A história volta à tona no livro de Taís, “Sem Vestígios”, e, de novo, sem qualquer documentação e com uma informação titubeante do coronel Lício Augusto Maciel. Na página 100, a jornalista escreve que, do Grupo da Ilha, ou Grupo dos 28, ou Grupo Primavera, apenas dois esquerdistas sobreviveram: Ana Corbisier e José Dirceu, o Daniel. “Alguns militares afirmam que Daniel foi agente duplo e contribuiu para a queda de quase todos os militantes que estiveram em Cuba.” Numa minúscula nota de rodapé, apresentada como “nota da autora”, Taís escreve: “Segundo as notas de Carioca, depoimento de alguns militares e às memórias do coronel Lício — naqueles idos [década de 1970], major —, Daniel teria sido o agente duplo e, antes de morrer, Jeová informara este nome como o de quem havia traído o Molipo”.

O depoimento de Lício Maciel, intitulado de “Confidências de um coronel” (página 228), parece ser esclarecedor, mas não é, pois permite dúvidas. O militar conta a história da morte do guerrilheiro Jeová de Assis Gomes, do Molipo. Em janeiro de 1972, Lício e sua equipe estão no sul do Bico do Papagaio, à cata de integrantes do Molipo. Um agente atira no esquerdista. “Jeová morreu na noite do incidente, depois de dizer quem era o traidor do Molipo, que anotei e incluí no relatório de final de missão. Embora mal conseguisse falar, Jeová balbuciou e Boanerges [de Souza Massa] ‘traduziu’. Não me lembro, infelizmente, desse detalhe importantíssimo: o nome. Acho que era Zé Dirceu, o Daniel. Talvez alguém da equipe se lembre”. Taís não procurou “alguém da equipe”. Um pouco antes, Lício diz: “Se Cid estivesse [na operação], acho que saberia o nome do traidor dito por Jeová”. Convenhamos, “acho” não fundamenta uma acusação tão grave quanto a feita por Lício e transcrita por Taís.

Se tem provas, documentos e outros testemunhos, o coronel Lício deveria apresentá-los. Ao dizer “acho” e que não se lembra do nome, mesmo assim citando José Dirceu, desqualifica integralmente seu depoimento, que só pode ser chamado de leviano, embora jornalistas competentes garantam que Lício “não mente” e não tem o hábito de inventar situações, ao contrário do coronel que ganhou apelido de passarinho. Mesmo assim, para que possa ser levado a sério por historiadores e, mesmo, leitores leigos, precisa qualificar melhor suas acusações. (Um livro excelente é “O Coronel Rompe o Silêncio”, do jornalista Luiz Maklouf Carvalho, no qual Lício conta, de modo crível, sua atuação no combate à Guerrilha do Araguaia.)

Lício Maciel esclarece a morte de Arno Preis, em Paraíso, hoje do Tocantins. “Arno tinha matado um policial militar e ferido gravemente outro. Morreu feito cachorro doido espumando até pelos cotovelos. Usava documento com o estapafúrdio nome Patrick McBund Comik.”

Boanerges de Souza Massa, o Felipe, a respeito do qual Lício faz uma insinuação de conotação sexual, havia militado na Ação Libertadora Nacional (Taís erra e apresenta a ALN como “Aliança”) e havia aderido ao Molipo, foi preso em Pindorama, na época Goiás e hoje Tocantins. Foi apresentado como “traidor” do Molipo, mas Carioca, segundo Taís, sabia que se trata de uma calúnia. Boanerges “não” traiu a esquerda. O agente secreto garante que, depois de executado, o guerrilheiro foi enterrado “em algum lugar próximo a Formosa, em Goiás”.

Embora Taís não tenha citado bibliografia, é provável que tenha consultado livros para checar as versões de Carioca sobre vários fatos. Num caso, pelo menos, faltou verificar a bibliografia, sobretudo os livros de Carlos Eugênio Sarmento da Paz e Jacob Gorender. O primeiro foi o último líder da ALN e escreveu “Viagem à Luta Armada — Memórias Romanceadas” (Civilização Brasileira, 228 páginas) e “Nas Trilhas da ALN” (Bertrand Brasil). Gorender escreveu o magnífico “Combate nas Trevas”. Carlos Eugênio, fonte categorizada, revela, com extrema franqueza, que comandou o justiçamento de Márcio Leite Toledo porque ele queria sair da guerrilha, e a cúpula da ALN avaliou que não era seguro. Como Márcio Toledo radicalizara, os guerrilheiros o mataram.

Taís, baseada em informações de Ivan-Carioca, relata que Márcio Toledo foi “fuzilado por companheiros, em 1971” por ter sido considerado “suspeito de trair [Joaquim] Câmara Ferreira [substituto de Carlos Marighella no comando da ALN]. Suspeita infundada, e que praticamente liquidou a ALN”. Caberia a Taís uma consulta ao músico Carlos Eugênio, que mora no Rio de Janeiro, e poderia esclarecer a questão. Aliás, esclarecida num de seus livros.4

O espião que saiu do calor não esclarece morte da lendária Dina

Ao contrário do livro de Hugo Studart, o livro de Taís Morais nada acrescenta sobre a morte de Dinalva Conceição Oliveira Teixeira, subcomandante da Guerrilha do Araguaia

O must do livro “Sem Vestígios”, de Taís Morais, é a parte 3, “Caçada final no Araguaia” (além da assombrosa história do esquartejamento de David Capistrano). Joaquim Artur Lopes de Souza, o Ivan-Carioca, agente secreto do Centro de Informações do Exército (CIE), atuou, com energia, no combate à Guerrilha do Araguaia. Era do grupo que tinha a confiança do general Antônio Bandeira e não se entusiasmava com as firulas do major Curió. Antes de expor seu relato, registro uma história que não é contada no livro, talvez porque Ivan- Carioca não a tenha anotado, por ser constrangedora. É a história da morte de Dinalva Conceição Oliveira Teixeira, a lendária Dina, militante do Partido Comunista do Brasil (PC do B) e subcomandante da Guerrilha do Araguaia (iniciada em 1972 e liquidada em 1974).

Em “A Lei da Selva”, um dos mais equilibrados livros sobre a Guerrilha do Araguaia, Hugo Studart (mestre em história pela UnB5) conta que Ivan-Carioca matou Dina, que havia sido presa em junho de 1974. No início de julho, o então capitão Sebastião de Moura, o dr. Luchini ou Curió, mandou “fazer” a guerrilheira. Dina foi levada de helicóptero para a mata. O sargento do Exército Joaquim Arthur, o Ivan, era o comandante da equipe de três homens.

Ao descerem do helicóptero, Dina perguntou: “Vocês vão me matar agora?” Ivan-Carioca respondeu: “Não, mais na frente um pouco”. Os dois conversavam cordialmente, segundo relatou um militar a Studart. Adiante, numa clareira, Dina perguntou: “Vou morrer agora?” Ivan assentiu: “Vai, agora você vai ter que ir”. Dina replicou: “Eu quero morrer de frente”. Não transmitiu medo. O agente “se aproximou da guerrilheira, parou a dois metros de distância e lhe estourou o peito com uma bala de pistola calibre 45. O tiro pegou um pouco acima do coração. O impacto jogou Dina para trás. Levou um segundo tiro na cabeça. Foi enterrada ali mesmo”. O livro de Taís diz que Ivan-Carioca saiu à procura de Dina, mas nada acrescenta de extraordinário. O agente tentou, como se vê, manter sua ficha um pouco limpa. Faltou a Taís recorrer à bibliografia.

O sargento Ivan-Carioca e o coronel Lício Maciel operam a história do combate à Guerrilha do Araguaia com a finalidade de reduzir a importância do major Curió. Há indícios de que, enquanto homens como Lício Maciel, Ivan-Carioca, Régis (José Reis, agente do CIE e pai da jornalista Taís Morais, revelou no sábado, 13, o jornalista Vasconcelo Quadros, do “Jornal do Brasil”. Lício disse ao “JB” que a principal fonte de Taís deve ter sido seu pai, que era muito ligado a Ivan. Na página 119, ela elogia o pai, sem dizer que é seu pai), Cid (primeiro-sargento) e J. Peter-Javali Solitário (subtenente João Pedro do Rego) e Nilton Cerqueira (coronel) lutavam de verdade, Curió se comportava como marqueteiro. Ele “destruiu” a Guerrilha do Araguaia. Os últimos livros sobre o assunto provam que não foi bem assim. “Curió desejava ficar famoso de qualquer jeito, pensava o irritado Carioca”, escreve Taís.

Tortura

Ivan-Carioca relata que vários camponeses foram torturados pelos militares para que dessem informações sobre os “paulistas”, como os guerrilheiros eram conhecidos localmente. “Carioca participava de interrogatórios violentos”, anota Taís. O coronel Lício Maciel, na época major, comandou o grupo que prendeu os primeiros guerrilheiros, José Genoíno, Eduardo Monteiro Teixeira e Rioko Kaiano (depois, mulher de Genoíno). “Cortem o mal pela raiz”, era a ordem expressa do general-presidente Emilio Garrastazu Médici. Mas, no início, os militares não matavam os prisioneiros. Genoíno e Rioko estão vivos.

Mais tarde, a ordem expressa dos superiores era “sem sobreviventes, meus caros, sem sobreviventes”. No fim de 1973, o guerrilheiro Tobias Pereira Junior, o Josias, se entregou, desiludido com a luta do PC do B. Ele “dava informações quando era preciso encarar novos interrogatórios — checagem de detalhes antes não muito claros”, na versão apresentada pelo agente. Studart acrescenta: “Ficou quase dois meses colaborando com os militares. Desenhou os mapas da região e ajudou a localizar remanescentes da guerrilha”. Segundo o relato de Ivan-Carioca, se Tobias “pudesse mesmo ser liberado, como na época de Antônio Bandeira [general], com certeza tentaria viver sem envolvimentos com o pessoal da luta armada”. Mesmo assim, dizendo que “ordens são ordens”, Ivan-Carioca e seus companheiros o mataram. No relato de Studart, um dos militares, Fernando, não teve coragem de matar Tobias. “Ele já não oferecia nenhum tipo de ameaça pra gente.” A execução de Tobias parece ter mexido com os nervos de Ivan-Carioca, se o relato descrito por Taís for verdadeiro — pelo menos bate com o de Fernando, ouvido por Studart.

Ivan-Carioca diz que Honestino Guimarães foi morto no Araguaia

Preso e torturado no tempo da ditadura civil-militar, o jornalista e historiador Jarbas Silva Marques, do Instituto Histórico e Geográfico de Brasília, é um dos maiores conhecedores da história das guerrilhas brasileiras. Na terça-feira, 17, disse ao Jornal Opção, em Brasília, que o goiano Honestino Guimarães, presidente da União Nacional dos Estudantes e estudante de geologia na Universidade de Brasília, foi assassinado no Rio de Janeiro, pelo grupo do delegado Sérgio Paranhos Fleury. José Carlos da Mata Machado havia sido delatado aos homens de Fleury pelo cunhado, Gilberto Prata, residente em Goiânia e supostamente “protegido” de um conhecido esquerdista. Prata vendeu-se a Fleury. Por grana e para salvar a própria pele. Honestino foi preso porque mantinha contato com José Carlos.

A história narrada por Taís, a partir dos apontamentos de Ivan-Carioca, apresenta outra versão. Honestino “foi preso em outubro de 1973, no Rio de Janeiro, e levado para Brasília, de onde não tardou muito a ser levado a outro destino. Era um dos passageiros do jatinho da empresa Líder, contratado pela Presidência da República, e que levou quatro militantes de esquerda para a cidade de Marabá, em pleno Araguaia: dois brasileiros e dois estrangeiros, um francês e outro argentino. Carioca, mais uma vez, foi testemunha ocular. Não sabia de onde o avião decolara, mas viu muito bem quem saiu dele. Quem os escoltava era o coronel Jonas, da Aeronáutica, acompanhando por quatro agentes da equipe. O comandante da Casa Azul os recebeu numa caminhonete. Encostou bem perto da aeronave, de onde os quatro prisioneiros foram rapidamente retirados e amontoados no interior do veículo. Todos estavam dopados e com capuz. […] A intenção era bem clara: levar aquelas pessoas ao interior da selva no Araguaia para matá-las. […] Quando os presos chegaram à Casa Azul, Carioca reconheceu perfeitamente o rosto de Honestino, então com 26 anos. […] Ouviu, então, o coronel Jonas dizer ao comandante da área que o outro rapaz era Eduardo Leite, o Bacuri”, da Ação Libertadora Nacional.

As versões apresentadas, até agora, dão como certo que Bacuri foi barbaramente torturado e morto em São Paulo. Os militares o consideravam um quadro extremamente violento e perigoso. Ivan-Carioca integrou o grupo de execução. Um dos prisioneiros, supostamente francês, teria dito: “Pô, cara, não faz isso comigo não! Deixa que eu mato os três pra vocês, e ainda sirvo de informante para o que quiserem”. Um dos executores tinha o codinome de Paraíba e sua descrição parece com a do sargento Santa Cruz, aliado do major Curió. Os “grupos de extermínio tinham, como a equipe de Carioca, um acordo tático de manter suas identidades sob sigilo absoluto, em qualquer circunstância. Abrir o bico significava morte certa. Alguém se disporia a fazer o ‘serviço’”, escreve Taís.

Um cabo costumava dizer, ao ser perguntado o que acontecera, ao voltar de caçadas proveitosas: “Entrou pra a VPC, a Vanguarda Popular Celestial”.

Corpos de guerrilheiros foram queimados na Serra das Andorinhas

O depoimento do sargento do Exército Joaquim Artur Lopes de Souza confirma entrevista do coronel Pedro Cabral, da Aeronáutica, ao Jornal Opção

O que fizeram dos corpos dos guerrilheiros do Araguaia? O livro “Sem Vestígios”, de Taís Morais, sustentado pelo depoimento do agente secreto Joaquim Artur Lopes de Souza, codinomes Ivan e Carioca, fornece uma história crível. A respeito dos documentos da Guerrilha do Araguaia, Taís escreve: “Alguns coronéis, e até mesmo generais, que passaram pelos serviços de informações copiaram registros que depois foram apagados, e fizeram arquivos particulares. Muito bem guardados”. O caso mais notório é o general Antônio Bandeira. A filha de Bandeira, Márcia, repassou um baú cheio de documentos para o jornal “O Globo”, que publicou uma série de reportagens, com informações privilegiadas, sobre a guerrilha.

As primeiras remoções de cadáveres ocorreram porque, ao descobrir as covas, o povo da região do Araguaia começou a colocar velas e cruzes. “Tão logo encontraram as velas, os agentes voltaram à Casa Azul. Informado, o major Curió imediatamente mandou os homens ao local, levando pás, sacos e outros instrumentos necessários ao trabalho que lhes ordenou: cavar e retirar os restos mortais, colocando-os na caminhonete que ele mesmo usava em serviço. Ao chegar às margens do Rio Araguaia, deu ordens para que somente o seu veículo entrasse na balsa. O cheiro que exalava era fétido. Contaminava tudo em volta. Ninguém ficou imune à cena e ao fedor, um misto de morte com pavor. […] Muito tempo depois, [Ivan-Carioca] foi informado que o destino teria sido uma imensa vala, que mais tarde viraria pira de cremação, na Serra das Andorinhas.”

A Operação Limpeza foi preparada e executada, segundo Ivan-Carioca, pelo Centro de Informações do Exército (CIE) e o Centro de Informações da Aeronáutica (Cisa). “Agora, não mais porque as disfarçadas sepulturas pudessem atrair romarias, mas pela urgência em eliminar provas de uma ação que chegou à barbárie”, diz Taís (não se faz referência aos justiçamentos praticados pelos comunistas, assunto que é descrito por Hugo Studart em “A Lei da Selva”).

“Para dar conta desse terrível recado, foram constituídas duas diferentes equipes. Uma subiu a Serra das Andorinhas e ficou responsável por cavar o buracão. Outra se espalhou pela área à procura das sepulturas conhecidas. Era preciso contar com agentes que haviam sido destacados para as execuções e posterior translado de despojos. Assim, Carioca lá estava. […] O comando escolheu as pessoas a dedo. Só voltou para a área quem sabia mesmo localizar as covas, porque participara de missões in loco ou sabia se virar por ali, caso tivesse indicações gerais de ‘sepulturas’”, conta Taís.

Num local conhecido como Some Home, nas proximidades da Fazenda Consolação e do Rio Saranzal, o grupo de Carioca descobriu a cova de quatro guerrilheiros, enterrados por paraquedistas. “Terrível surpresa: os corpos, envolvidos em plástico, tinham literalmente derretido. No mesmo instante, o ar ficou totalmente impregnado de um fedor insuportável de carniça. Era um caldo viscoso, onde se misturavam restos de vísceras, ossos, pelos, unhas e sabe-se lá que outros humores próprios da decomposição, quando contida em um recipiente impermeável. […] Não havia estômago que pudesse resistir. Vendo seus homens no limite, Carioca obrigou o camponês que os guiou a descer na cova e ensacar o material putrefato. Sem alternativa, ele cumpriu a asquerosa tarefa, com o agravante de ter se desequilibrado na beirada, caindo pesadamente sobre a horripilante e disforme massa.”

O corpo da guerrilheira Suely Yumiko Kanayama, a Chica, foi descoberto por indicações do sargento Santa Cruz. Ela foi enterrada num local conhecido como Bacaba. “Os tatus haviam furado a cova, farejado a presença de alimento. Puxaram partes dos restos mortais para fora, comeram a carne e deixaram os ossos. Ainda havia claras marcas de patas ao redor. […] Nem sempre, porém, as equipes encontravam o que procuravam. […] As diferentes localizações, por motivos óbvios de sigilo absoluto, nunca foram documentadas.”

“O que muita gente desconhecia”, escreve Taís, baseada no relato de Ivan-Carioca, “até determinado momento, é que houve um cuidado extra no afã de destruir provas do que realmente houve no Araguaia. Depois do retraslado de corpos de onde estavam originalmente, para aquela área mais distante [a Serra das Andorinhas], muitos foram amontoados em uma cova muito profunda, forrada e depois coberta com várias camadas de pneus, depositando os cadáveres no meio. Em seguida, com o uso de imensas quantidades de gasolina, atearam fogo à pilha, até que tudo se transformasse em cinzas, que a poeira dispersou ou o vento levou. Houve, ainda, uma terceira etapa. A cova foi, então, coberta com terra, para em seguida receber mudas de árvores e sementes de capim. Uma verdadeira maquiagem na geografia para que ninguém jamais fosse capaz de descobrir o que houve ou quem foi o responsável por aquilo. […] Os guerrilheiros viraram adubo macabro, certamente, na Serra das Andorinhas”. O coronel Pedro Cabral — um dos pilotos da Aeronáutica que transportaram os corpos para a Serra das Andorinhas —, disse ao Jornal Opção a mesma coisa e tentou localizar os corpos, com uma equipe de técnicos, mas não conseguiu.

A suposta overdose do ex-presidente Fernando Collor

Há uma história que não mereceu reportagem da jornalista Taís Morais, e sim uma nota de rodapé, na página 89: “Em 1990, Carioca foi informado que, durante sua gestão na Presidência da República, Fernando Collor de Mello fora internado sigilosamente no Hospital das Forças Armadas, onde deu entrada quase morto por overdose de cocaína”.

Se verdadeira, a história merecia mais do que nota de rodapé. Taís não foi ao Hospital das Forças Armadas em busca de informações. Se foi, e não obteve informações, não esclarece o leitor. Da forma que foi publicada, fica parecendo maluquice, boato. Por mais que Ivan-Carioca tenha sido um agente criterioso, suas informações deveriam ter passado por crivo rigoroso. Espiões são notórios plantadores de boatos e distorções a respeito de pessoas.

Ivan-Carioca relata que uma vez seguiu o ex-senador e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Maurício Corrêa. Ele flagrou um encontro amoroso de Corrêa com “uma mulher muito bonita”.

Gabinete de Médici foi grampeado por aliados

Um dos pontos fortes do livro de Taís Morais é o depoimento do coronel Lício Maciel a respeito de um grampo feito no gabinete do presidente Emilio Garrastazu Médici. Lício cuidava da área de telecomunicações do Centro de Informações do Exército (CIE), “que contava com os melhores e mais modernos sistemas e equipamentos de escuta e gravação. Certa vez, o presidente Medici iria receber, no Palácio do Planalto, a visita de um importante senador. Por algum motivo queria gravar a conversa”.

O mais espantoso é narrado por Lívio: “Terminada a reunião, gravação em mãos, a fita foi entregue à Presidência. No entanto, o que era para ser uma ação isolada, continuou a ser feita cotidianamente na sala de reuniões do presidente Medici. A linha telefônica secreta captou coisas absurdas. Quem acabou com o gracejo das conversas foi o ministro do Exército, Orlando Geisel. Num momento de distração, sua assessoria revelou, num despacho, um fato impossível de se conhecer sem que se tivesse acesso às conversas particulares de Médici. Quando o assunto veio à tona, o capitão Joubert perguntou-me se tudo estava sendo gravado. A resposta foi bem direta: ‘Evidentemente que sim, você não mandou?’ ‘Então pode parar’, ordenou ele”.

Os homens dos porões estavam tão à vontade que passaram a resolver problemas particulares usando a estrutura das Forças Armadas. O então major Gilberto Zenkner, o Doutor Nunes, durante uma viagem do general Antônio Bandeira, assumiu a 3ª Brigada de Infantaria Motorizada. Zenkner mandou seus subordinados, entre eles Carioca, sequestrarem Geraldo Bordon, da família proprietária do Frigorífico Bordon, porque ele lesara um amigo.

Os militares sequestraram Geraldo Bordon e o levaram para uma chácara nas proximidades de Luziânia. Ao perceber a armação de Zenkner, Ivan-Carioca contou a história ao general Antônio Bandeira, que mandou soltar o parente remediado dos empresários ricos.

Taís Morais e Hugo Studart garantem que Ivan-Carioca foi morto. Taís diz que a machadada; Studart, a pauladas. Ele estaria vivo? Se morreu em 1987, como pode ter assinado um texto em 1990? Não pode, claro. Taís está escondendo alguma coisa? Não se sabe.

Errinhos: Taís diz que Ivan-Carioca tinha olhos verdes e, depois, azuis. Studart diz que o “galã” tinha olhos verdes. O general Bandeira não morreu em 1966, e sim em 2005. No índice remissivo, Márcia, filha de Bandeira, é apresentada como filha de Ivan-Carioca.

Notas

¹ Martiniano Cavalcanti não é mais filiado ao PSOL. Em dezembro de 2021, ele é do PSB.

² Em dezembro de 2021, o deputado federal Elias Vaz está filiado ao PSB.

³ O PPS não existe mais. Seu novo nome é Cidadania. O principal líder continua o mesmo: Roberto Freire.

4 Em 2021, saiu o livro “Injustiçados” (Companhia das Letras), que conta a história de Márcio Toledo.

5 Mais tarde, Hugo Studart apresentou sua tese de doutorado, na UnB, publicada em livro com o título de

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.