Euler de França Belém
Euler de França Belém

Imprensa deve entender que “desmoralizar” o Exército fortalece Bolsonaro

O presidente poderá sugerir que, enquanto valoriza as Forças Armadas, a imprensa tem “obsessão” por atacá-las

Sob pressão do presidente da República, Jair Bolsonaro, o Exército decidiu não “punir” o general Eduardo Pazuello, que, contrariando a regras das Forças Armadas, participou de um comício-motorreata no Rio de Janeiro, há alguns dias.

Ao não “punir” Eduardo Pazuello, que cometeu uma infração às regras militares — e se trata de um general —, o Exército ficou mal com a sociedade.

O comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, um general respeitável, teria deixado de “punir” o colega de farda para evitar uma crise com a Presidência da República. Crise que fatalmente ocorreria, possivelmente até com nova troca de comando.

O fato é que o general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, mesmo agindo com realismo e visão histórica, se equivocou.

Já a imprensa está “errando” ao falar o certo. Frase estranha, decerto. Entretanto, tem sentido, algum sentido.

Democratas não devem ter medo de se manifestar. A democracia fica mais forte quanto mais se faz sua defesa. Por isso não se deve ter receio de criticar seus adversários — como a família Bolsonaro.

Entretanto, “desmoralizar” o Exército, ainda que dizendo a verdade, pode não ser um bom negócio para a democracia. Porque talvez seja tudo o que Bolsonaro queira.

Bolsonaro não tem o apoio das Forças Armadas para uma quartelada, no momento. Mas um massacre do Exército, por causa de não ter “punido” Pazuello — uma arma ligeiramente sutil do presidente —, interessa muito ao mandatário, sobretudo se realmente tiver intenções golpistas.

Daqui pra frente, Bolsonaro poderá dizer que a imprensa está tentando desmoralizar as Forças Armadas, enquanto ele, pelo contrário, faz “tudo” para valorizá-las.

Portanto, o “excesso” de verdade da imprensa, embora agrade os bem-pensantes, pode-se tornar um instrumento pró-Bolsonaro e não da democracia.

Se até o ex-presidente Michel Temer, legalista ao extremo, admite que Bolsonaro pensa em “golpe”, talvez queira se transformar no Vladimir Putin dos trópicos, por que não abrir as portas para o racionalismo da ponderação?

Se é tosco, Bolsonaro não é nada bobo. Mas o “excesso” de inteligência da imprensa, com sua defesa correta do legalismo, na questão da não punição de Pazuello, pode ser um exercício de irrealismo político. Talvez não seja, mas pode ser.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.