Daniel Aarão Reis é um dos maiores historiadores brasileiros. Seus livros sobre o golpe de Estado de 1964 e sobre a ditadura civil-militar resultam de pesquisas rigorosas e de uma interpretação inteligente e original. Ao contrário de outros estudiosos do período, sublinha que a ditadura não acabou em 1985. Altamente produtivo, mas sem deixar a qualidade cair, agora lança “Luís Carlos Prestes — Um Revolucionário Entre Dois Mundos” (Companhia das Letras, 576 páginas). Trata-se, pelo número de páginas, de uma obra alentada.

Um sociólogo e jornalista brinca: “Não li e já gostei”. Com a brincadeira, o pesquisador quer dizer exclusivamente que a biografia de Prestes, dada a capacidade de Daniel Aarão Reis para pesquisar e interpretar, deve ser do balacobaco.

Ao explicar Luís Carlos Prestes, um dos mais longevos políticos brasileiros — também foi militar (liderou a Coluna Prestes) —, Daniel Aarão Reis deve ter feito uma reconstrução minuciosa do século 20 e até de um pedaço do século 19. Prestes nasceu em Porto Alegre, em 1898, e morreu no Rio de Janeiro, em 1990 — aos 92 anos.

O livro não chegou às livrarias, mas já pode ser pedido no site da Livraria Cultura.