Euler de França Belém
Euler de França Belém

His­to­ri­a­dor in­glês revela vezo poético do ditador Stá­lin 

“Su­as ima­gens ro­mân­ti­cas são se­cun­dá­rias, mas sua be­le­za es­tá na de­li­ca­de­za e na pu­re­za de rit­mo e lin­gua­gem”, diz Simon Sebag Mon­te­fiore

[Publicado no Jornal Opção em 2008]

Stálin: adolescente | Foto: Reprodução

O in­glês Si­mon Se­bag Mon­te­fio­re brin­da os lei­to­res com ou­tro ex­ce­len­te es­tu­do, mui­to mais do que uma bi­o­gra­fia — “O Jo­vem Stá­lin” (Com­pa­nhia das Le­tras, 528 pá­gi­nas, e tra­du­ção precisa de Pe­dro Maia So­a­res).

Se­bag con­ta que Iós­sif (Jo­sé) Vis­sa­rió­no­vitch Dju­gachví­li, Stá­lin (no­me que só pas­sou a uti­li­zar em 1912), lei­tor com­pul­si­vo, foi gran­de­men­te in­flu­en­cia­do pe­la pro­sa dos es­cri­to­res fran­ces­es Vic­tor Hu­go e Émi­le Zo­la. A li­te­ra­tu­ra e a vi­da miserável na Ge­ór­gia o trans­for­ma­ram num re­vo­lu­ci­o­ná­rio du­ro, in­fle­xí­vel e cru­el. Des­de o iní­cio, e não ape­nas de­pois de che­gar ao po­der, em 1924, era ex­tre­ma­men­te vi­o­len­to com ad­ver­sá­rios e ali­a­dos que caí­am em des­gra­ça. Fi­lho úni­co, Stá­lin foi cri­a­do por uma mãe pos­ses­si­va, Eka­te­ri­na “Keké” Ge­ladzde, que fez o im­pos­sí­vel pa­ra que es­tu­das­se. Stá­lin foi edu­ca­do por pa­dres. Vis­sa­ri­on “Bes­só” Dju­gachví­li, que não ti­nha cer­te­za de ser pai de Stá­lin — Mon­te­fio­re apos­ta que o sa­pa­tei­ro era pai do gran­de lí­der, mas dei­xa a dú­vi­da —, aban­do­nou a fa­mí­lia. Pe­lo me­nos qua­tro ho­mens eram ti­dos co­mo pai de Stá­lin — um de­les pa­dre.

Stá­lin co­me­çou sua vi­da de re­vo­lu­ci­o­ná­rio co­mo as­sal­tan­te de ban­cos, pa­ra ser­vir à lu­ta de Vla­dí­mir Lê­nin. Um dos as­sal­tos, em 1907, ren­deu um va­lor (3,4 mi­lhões de dó­la­res) pa­re­ci­do com o as­sal­to ao co­fre de Ad­he­mar de Bar­ros, no Rio de Ja­nei­ro, na dé­ca­da de 1960.

Uma das des­co­ber­tas de Mon­te­fio­re é a po­e­sia de Stá­lin, que não con­si­de­ra ru­im. Ele foi pri­mei­ro re­co­nhe­ci­do co­mo po­e­ta, na Ge­ór­gia na­tal, do que co­mo re­vo­lu­ci­o­ná­rio. Seu ape­li­do, an­tes de Ko­ba e Stá­lin, era Sos­só. Ele as­si­na os po­e­mas co­mo Sos­se­ló. “Fo­ram am­pla­men­te li­dos e se tor­na­ram um clás­si­co me­nor ge­or­gia­no, apa­re­cen­do em an­to­lo­gia da me­lhor po­e­sia do pa­ís an­tes que al­guém ti­ves­se ou­vi­do fa­lar de ‘Stá­lin’”, diz o his­to­ri­a­dor. “Ma­nhã” foi o pri­mei­ro po­e­ma de Stá­lin. “Su­as ima­gens ro­mân­ti­cas são se­cun­dá­rias, mas sua be­le­za es­tá na de­li­ca­de­za e na pu­re­za de rit­mo e lin­gua­gem”, diz Mon­te­rio­re, que não é, vê-se, crí­ti­co li­te­rá­rio. “Na Rús­sia, a po­e­sia é re­al­men­te va­lo­ri­za­da; aqui, ma­tam por ela”, dis­se Ós­sip Man­dels­tam, mor­to no gu­lag do “po­e­ta” Stá­lin.

Stálin jovem: um revolucionário cruel | Foto: Reprodução

Tran­scre­vo a se­guir al­guns dos po­e­mas. Eles fo­ram tra­du­zi­dos do rus­so pa­ra o in­glês pe­lo pro­fes­sor Do­nald Rayfi­eld, me­nos um dos po­e­mas, sem tí­tu­lo, que foi tra­du­zi­do pe­lo po­e­ta bra­si­lei­ro Nel­son As­cher (o exímio tra­du­tor de Púchkin). As tra­du­ções pa­ra o por­tu­guês são de Pe­dro Maia So­a­res.

1
Ma­nhã

O bo­tão de ro­sa flo­res­ce­ra
E es­ten­de­ra-se pa­ra to­car a vi­o­le­ta
O lí­rio es­ta­va acor­dan­do
E in­cli­na­va sua ca­be­ça na bri­sa

No al­to das nu­vens, a co­to­via
Can­ta­va um hi­no gor­je­an­te
En­quan­to o ale­gre rou­xi­nol
Com voz su­a­ve di­zia:

“En­che-te de flo­res, ó ter­ra ama­da
Re­ju­bi­la-te pa­ís dos Ivé­ri­a­nos
E tu, ó ge­or­gia­no, ao es­tu­dar Traz ale­gria pa­ra tua ter­ra na­tal.”

Stálin: preso pelo czarismo | Foto: Reprodução

2
À Lua

Mo­ve in­can­sá­vel
Não in­cli­na tua ca­be­ça
Dis­per­sa a né­voa das nu­vens
A Pro­vi­dên­cia do Se­nhor é gran­de.

Sor­ri gen­til pa­ra a ter­ra
Es­ten­di­da abai­xo de ti;
Can­ta à ge­lei­ra um aca­lan­to
Que des­ce su­a­ve dos céus.

Tem cer­te­za que de­pois de
Der­ru­ba­do ao chão, um ho­mem opri­mi­do
Lu­ta de no­vo pa­ra su­bir a mon­ta­nha pu­ra,
Quan­do exal­ta­do pe­la es­pe­ran­ça.

En­tão, ado­rá­vel lua, co­mo an­tes,
Bri­lha atra­vés das nu­vens;
Na abó­ba­da ce­les­te, su­a­ve­men­te,
Faz teus rai­os brin­ca­rem.

Mas eu abri­rei mi­nha ves­te
E mos­tra­rei meu pei­to à lua,
De bra­ços aber­tos, re­ve­ren­ci­a­rei
Aque­la que ilu­mi­na a ter­ra!

Stálin jovem e mais velho | Foto: Reprodução

3

Quan­do a lua cheia lu­mi­no­sa
Cru­za flu­tu­an­do a abó­ba­da ce­les­te
E sua luz, bri­lhan­do in­ten­sa­men­te,
Põe-se a brin­car no anil do ho­ri­zon­te;

Quan­do su­a­ve­men­te o rou­xi­nol
Co­me­ça no ar seu gor­jeio si­bi­lan­te
Quan­do o an­seio da flau­ta de pã
Pla­na aci­ma do pi­co da mon­ta­nha;

Quan­do, con­ti­da, a fon­te da mon­ta­nha
Tor­na-se tor­ren­ci­al e inun­da o ca­mi­nho,
E a flo­res­ta, acor­da­da pe­la bri­sa,
Co­me­ça, far­fa­lhan­do, a se agi­tar;

Quan­do o ho­mem ex­pul­so por seu ini­mi­go
Vol­ta a tor­nar-se dig­no de seu pa­ís opri­mi­do
E o en­fer­mo pri­va­do de luz
Vol­ta a ver o sol e a lua;

Opri­mi­do tam­bém, ve­jo, en­tão, a bru­ma da tris­te­za
Se dis­si­par, des­fa­zer-se e lo­go su­mir;
E a es­pe­ran­ça da vi­da boa
Faz meu co­ra­ção se abrir!

E, ar­re­ba­ta­do por uma es­pe­ran­ça as­sim,
Sin­to jú­bi­lo n´al­ma e meu co­ra­ção ba­ter em paz;
Mas se­rá au­tên­ti­ca tal es­pe­ran­ça
Que me foi man­da­da nes­tes tem­pos?
(Tra­du­ção de Nel­son As­cher)

Stálin criança | Foto: Reprodução

4
Ve­lho Ni­nika

Nos­so Ni­nika fi­cou ve­lho,
Seus om­bros de he­rói lhe fal­ta­ram…
Co­mo es­se tris­te ca­be­lo gri­sa­lho
Que­brou uma von­ta­de fer­ro?

Ó mãe! Mui­tas ve­zes,
Bran­din­do sua foi­ce “hi­e­na”,
De pei­to nu, no fim do tri­gal,
Ele de­ve ser sol­ta­do um ru­gi­do sú­bi­to.

Ele de­ve ter em­pi­lha­do mon­ta­nhas
De fei­xes la­do a la­do, e so­bre seu
Ros­to go­ver­na­do pe­lo su­or go­te­jan­te
Fo­to e fu­ma­ça de­vem ter jor­ra­do.

Mas ago­ra, cei­fa­do pe­la ida­de,
Ele não mo­ve mais os jo­e­lhos.
Dei­ta­do, so­nha ou fa­la do pas­sa­do
Aos fi­lhos de seus fi­lhos.

De tem­po em tem­po, cap­ta o som
Da can­to­ria nos tri­gais pró­xi­mos
E seu co­ra­ção que ou­tro­ra era du­ro,
Co­me­ça a ba­ter com pra­zer.

Ele se ar­ras­ta pa­ra fo­ra, trê­mu­lo,
E dá al­guns pas­sos com seu ca­ja­do.
E, quan­do con­se­gue ver os ra­pa­zes,
Sol­ta um sor­ri­so de alí­vio.

Leia mais sobre o ditador Ióssif Stálin e o pós-Stálin

Livro diz que maldição totalitária não perdeu energia com a morte de Stálin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.