Euler de França Belém
Euler de França Belém

His­tó­ria do mas­sa­cre de poloneses pelos soviéticos de Stálin em Katyn

Stá­lin, Vo­ros­hi­lov, Mikoyan e Mo­lo­tov “as­si­na­ram pro­pos­ta fei­ta por Be­ria que le­vou aos as­sas­si­na­to de mais de 20 mil ci­da­dã­os pro­e­mi­nen­tes do les­te po­lo­nês”

[Texto publicado no Jornal Opção em 2015]

O filme “Katyn”, do di­re­tor po­lo­nês Andrzj Wajda, é praticamente um documento histórico. A his­tó­ria do as­sas­si­na­to em mas­sa, ocor­ri­do em 1940 na Po­lô­nia, e não ape­nas na flo­res­ta de Katyn, é co­nhe­ci­da há mui­tos anos, mas re­cen­te­men­te, com a aber­tu­ra dos ar­qui­vos so­vi­é­ti­cos, se te­ve aces­so de mo­do mais am­plo a uma das gran­des tra­gé­di­as do sta­li­nis­mo. Os agen­tes da NKVD (de­pois KGB e ho­je FSB) ma­ta­ram mais de 20 mil po­lo­nes­es. O his­to­ri­a­dor in­glês Lau­ren­ce Re­es, no ex­cep­cio­nal “Stá­lin, os Na­zis­tas e o Oci­den­te — A Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al En­tre Qua­tro Pa­re­des” (La­rous­se, 567 pá­gi­nas, tradução de Luis Fragoso), re­gis­tra que, “no iní­cio da dé­ca­da de 1990, pro­mo­to­res rus­sos clas­si­fi­ca­ram o as­sas­si­na­to dos po­lo­nes­es co­mo ‘cri­me’ — o que faz de Stá­lin um cri­mi­no­so até mes­mo de acor­do com a lei rus­sa. Es­te fa­to não te­ve gran­de di­vul­ga­ção”. Se exis­ti­ram ca­ça­do­res de na­zis­tas, não há ca­ça­do­res de sta­li­nis­tas.

Re­es con­ta que, em 5 de mar­ço de 1940, Ióssif Stá­lin, Vo­ros­hi­lov, Mikoyan e Mo­lo­tov “as­si­na­ram pes­so­al­men­te uma pro­pos­ta fei­ta por Be­ria que le­vou aos as­sas­si­na­to de mais de 20 mil ci­da­dã­os pro­e­mi­nen­tes do les­te po­lo­nês, mui­tos dos qua­is eram ofi­ci­ais do exér­ci­to po­lo­nês. O cri­me so­men­te tor­nou-se co­nhe­ci­do no res­to do mun­do em abril de 1943, quan­do os ale­mã­es, que es­sa al­tu­ra ha­vi­am ocu­pa­do o ter­ri­tó­rio ao re­dor da ci­da­de de Smo­lensk, na Rús­sia oci­den­tal, des­co­bri­ram uma se­pul­tu­ra em mas­sa em uma flo­res­ta cha­ma­da Katyn”.

Ofi­ci­ais po­lo­nes­es e ci­da­dã­os pro­e­mi­nen­tes (mé­di­cos, ad­vo­ga­dos, aca­dê­mi­cos e es­cri­to­res) fo­ram pre­sos em três cam­pos, Ko­zelsk, Os­tashkov e Sta­ro­belsk. A NKVD, ori­en­ta­da por Stá­lin e Be­ria, per­se­gui­am, com mais ener­gia, a in­tel­li­gentsia e os mi­li­ta­res po­lo­nes­es. Eles eram clas­si­fi­ca­dos pe­la po­lí­cia se­cre­ta co­mo “con­trar­re­vo­lu­ci­o­ná­rios” e, por­tan­to, de­ve­ri­am ser pu­ni­dos por seus “cri­mes”. A mai­o­ria dos po­lo­nes­es pre­sos de­ci­diu man­ter-se ca­tó­li­ca e não co­mu­nis­ta, ape­sar das pres­sões dos sta­li­nis­tas.

Massacre de Katyn: um crime perpetrado contra poloneses pelos comunistas da União Soviética no tempo de Ióssif Stálin, em 1945 | Foto: Reprodução

Se po­dia man­ter os po­lo­nes­es pre­sos, em cam­pos, por que Stá­lin op­tou por as­sas­si­ná-los? Re­es diz que o paranoico Stá­lin “odia­va” e des­con­fi­a­va dos po­lo­nes­es. Mas de­ci­si­vo mes­mo foi o fa­to que, de­pois da guer­ra, o lí­der so­vi­é­ti­co não que­ria de­vol­ver a Po­lô­nia pa­ra seu po­vo. “Os mem­bros da eli­te po­lo­ne­sa eram con­si­de­ra­dos par­ti­cu­lar­men­te pe­ri­go­sos.”

Re­es re­ve­la um fa­to ex­tra­or­di­ná­rio: “… pes­qui­sas re­cen­tes su­ge­rem que al­gu­mas ações — tais co­mo a pri­são, em no­vem­bro de 1939, de aca­dê­mi­cos po­lo­nes­es em Cra­có­via, pe­los na­zis­tas, e pri­sões se­me­lhan­tes, fei­tas pe­la NKVD na mes­ma épo­ca, em uni­ver­si­da­des em Lwów — fo­ram, na ver­da­de, dis­cu­ti­das e co­or­de­na­das en­tre os fun­cio­ná­rios de se­gu­ran­ça na­zis­tas e ale­mã­es [aqui, re­gis­tra o Jor­nal Op­ção, o ótimo tra­du­tor Lu­is Fra­go­so de­ve ter co­me­ti­do um er­ro; o cer­to de­ve ser “na­zis­tas e so­vi­é­ti­cos”]. Tu­do is­so faz au­men­tar a pos­si­bi­li­da­de de que Stá­lin e Be­ria te­nham ob­ser­va­do a ma­nei­ra ra­di­cal com que os na­zis­tas es­ta­vam re­or­ga­ni­zan­do a Po­lô­nia e de­ci­di­ram, con­se­quen­te­men­te, agir de ma­nei­ra mais ra­di­cal, eles mes­mos”.

“As es­ta­tís­ti­cas dos pró­prios so­vi­é­ti­cos — não re­ve­la­das an­tes da que­da do co­mu­nis­mo — re­ve­lam que 21.857 pes­so­as fo­ram exe­cu­ta­das co­mo con­se­quên­cia da Di­re­ti­va de 5 de mar­ço”, con­ta Re­es. As fi­chas dos que fo­ram as­sas­si­na­dos eram exa­mi­na­das por três pes­so­as: Merku­lov, Bashka­tov e Ko­bu­lov.

Massacre de Katyn: os stalinistas soviéticos cometeram o crime e tentaram atribui-lo aos nazistas da Alemanha de Adolf Hitler | Foto: Reprodução

Na pri­são de Ka­li­nin, agen­tes da NKVD re­ves­ti­ram du­as sa­las com ve­lu­do, pa­ra aba­far o ba­ru­lho dos ti­ros, e co­me­ça­ram a ma­tan­ça. O pri­si­o­nei­ro era mor­to com um ti­ro na ca­be­ça. Na pri­mei­ra noi­te, le­va­ram 300 pes­so­as pa­ra se­rem as­sas­si­na­das. “Era gen­te de­mais. A noi­te era mui­to cur­ta e só po­dí­a­mos tra­ba­lhar à noi­te. Co­me­ça­ram a tra­zer 250 pes­so­as por noi­te”, re­la­tou o ge­ne­ral Dmitry Toka­rev, ex-che­fe da NKVD na re­gi­ão de Ka­li­nin. Pa­ra ma­tar mais gen­te, ti­ve­ram de usar até mo­to­ris­tas e guar­das. “Iro­ni­ca­men­te, os agen­tes so­vi­é­ti­cos usa­vam pis­to­las ale­mãs — Wal­thers —, pois elas eram mais con­fi­á­veis do que as pe­que­nas ar­mas con­ven­cio­nais dos so­vi­é­ti­cos. Mas mes­mo as ar­mas de qua­li­da­de su­pe­ri­or dos ale­mã­es co­me­ça­ram a fi­car des­gas­ta­das com tan­to uso. Toka­rev re­ve­lou que os as­sas­si­na­tos con­ti­nu­a­ram du­ran­te cer­ca de um mês — sem­pre à noi­te. Uma vez que to­dos os po­lo­nes­es ti­nham si­do exe­cu­ta­dos, na pri­são de Ka­li­nin, foi da­do um ban­que­te pa­ra ce­le­brar a ‘fa­ça­nha’”, re­gis­tra Re­es.

Na pri­são de Kharkov, os po­lo­nes­es do cam­po de Sa­ro­belsk eram as­sas­si­na­dos do mes­mo mo­do, à noi­te, com um ti­ro na nu­ca. “Os cor­pos eram en­ter­ra­dos em uma se­pul­tu­ra em mas­sa nos cam­pos da re­don­de­za.”

Os pri­si­o­nei­ros po­lo­nes­es do cam­po Ko­zelsk não fo­ram mor­tos na pri­são. Eles fo­ram le­va­dos pa­ra a flo­res­ta de Katyn, aí as­sas­si­na­dos e en­ter­ra­dos. Ni­na Vo­e­vodskaya, de 11 anos, cu­jo tio era ofi­ci­al da NKVD, viu po­lo­nes­es em va­gões de trem. “Eram jo­vens, e es­ta­vam ves­ti­dos em uni­for­mes mi­li­ta­res. Pos­so até me lem­brar de co­mo eram bo­ni­tos”, con­tou Ni­na a Re­es (um dos trun­fos do li­vro de Re­es é que, além de ter vas­cu­lha­do os ar­qui­vos so­vi­é­ti­cos, en­tre­vis­tou pes­so­as que vi­ve­ram sob o sta­li­nis­mo). “Pa­re­ce que os ofi­ci­ais en­car­re­ga­dos dos as­sas­si­na­tos oca­si­o­nal­men­te não con­se­gui­am dar con­ta do vo­lu­me de pes­so­as a se­rem mor­tas, por­tan­to al­guns dos po­lo­nes­es aguar­da­vam no tri­lho la­te­ral da es­ta­ção de Gnez­do­vo por apro­xi­ma­da­men­te um dia, vi­gi­a­dos pe­la NKVD.”

Se­gun­do Re­es, “nin­guém sa­be ao cer­to o por­quê de os po­lo­nes­es te­rem si­do as­sas­si­na­dos na flo­res­ta de Katyn, e não na pri­são da NKVD na ci­da­de pró­xi­ma de Smo­lensk, e en­tão le­va­dos a Katyn pa­ra se­rem en­ter­ra­dos. Mas é pos­sí­vel que a exis­tên­cia de uma gran­de área cer­ca­da — esta fo­ra uma área de se­gu­ran­ça por al­guns anos — e o fa­to de ha­ver uma pe­que­na ca­sa na flo­res­ta, que a NKVD po­de­ria usar co­mo ba­se, im­pli­ca­vam que, es­pe­ci­fi­ca­men­te den­tre os três lo­ca­is pa­ra os as­sas­si­na­tos, nes­se ca­so con­si­de­rou-se mais fá­cil as­sas­si­nar os po­lo­nes­es per­to de seu lo­cal de se­pul­ta­men­to”.

Mais tar­de, quan­do os po­lo­nes­es se tor­na­ram ali­a­dos na lu­ta con­tra os na­zis­tas, Sá­lin e Be­ria per­ce­be­ram o er­ro que ha­vi­am co­me­ti­do ao eli­mi­nar os prin­ci­pa­is ofi­ci­ais do pa­ís. In­qui­ri­do so­bre os ofi­ci­ais por ali­a­dos po­lo­nes­es, Stá­lin dis­se que ha­via li­ber­ta­do to­dos e que al­guns es­ta­ri­am na Ásia. Re­es no­ta o ci­nis­mo do lí­der so­vi­é­ti­co.

A crí­ti­ca de ci­ne­ma Isa­be­la Bos­cov, da re­vis­ta “Ve­ja”, diz que em Katyn fo­ram as­sas­si­na­dos 12.000 ofi­ci­ais po­lo­nes­es. As pes­qui­sas re­cen­tes, às qua­is Bos­cov não te­ve aces­so, in­di­cam que na flo­res­ta de Katyn fo­ram en­ter­ra­dos “pou­co mais de 4 mil cor­pos”. “Na ver­da­de”, de com acordo com Re­es, Katyn foi “um dos três di­fe­ren­tes lu­ga­res usa­dos pe­la NKVD pa­ra en­ter­rar os cor­pos de su­as ví­ti­mas”.

Mas o de­ta­lhe não tem tan­ta im­por­tân­cia, por­que cru­ci­al é a in­for­ma­ção, mais do que pro­va­da, do mas­sa­cre sta­li­nis­ta, que nin­guém da es­quer­da pa­re­ce la­men­tar. Tan­to que “Katyn” é, aparentemente, o pri­mei­ro fil­me so­bre o te­ma. Tudo indica que fizeram o possível para que Katyn fosse esquecido. Assim como o assassinato da adolescente Elza Fernandes, a Garota, em 1936. O líder comunista Luiz Carlos Prestes teria autorizado seu assassinado porque suspeitava que Elza, de 16 anos, havia dedurado comunistas para a polícia. A suspeita era infundada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.