Marcello Rosa: por meio de sua demissão, o Grupo Jaime Câmara manda um recado para seus jornalistas l Foto: Divulgação/Facebook
Marcello Rosa: por meio de sua demissão, o Grupo Jaime Câmara manda um recado para seus jornalistas l Foto: Divulgação/Facebook

Marcello Rosa foi demitido da TV Anhanguera porque mantém contrato com o governo do Estado de Goiás. O jornalista era apresentador do “Jornal Anhanguera”, o da edição do almoço. Ao tomar a decisão, a cúpula do Grupo Jaime Câmara avaliou duas coisas: primeiro, o profissional que mantém contrato com governos perde a independência, e, segundo, é possível que o faturamento do empregado “prejudique” o da empresa.

Leitores e jornalistas — estes, sempre em off — mandaram vários e-mails com a mesma pergunta: “Só Marcello Rosa mantém relações comerciais, diretas ou indiretas, com governos?” É uma pergunta que não tenho como responder.

O GJC tomou uma decisão parecida com a do Grupo Globo, que não aceita duplo emprego. Os profissionais podem escrever e vender livros, mas não podem ter outro emprego, nem público nem privado. A ressalva é que na empresa da família Marinho os salários são bem superiores.

O jornalista Aulus Rincón, que se manifestou nas redes sociais, disse que a demissão tem a ver com a baixa audiência da TV Anhan­guera. No entanto, ao menos um diretor garante que a Anhanguera é líder em audiência em Goiás. Um diretor da TV Serra Dourada contesta: o “Jornal do Meio Dia”, no seu horário, estaria superando o “Jornal Anhanguera”.

Há algum tempo, quando o Jornal Opção publicou dados, que de fato apontavam o “Jornal do Meio Dia” na liderança, o Ibope ameaçou com ação judicial, enviou e-mail e ligou para a redação, e disse que as informações eram confidenciais. Porém, não negou a veracidade do que havia sido publicado. Os dados eram corretos.

Um dado curioso: nenhum jornalista do Grupo Jaime Câmara se manifestou sobre a demissão do colega em blogs e redes sociais. Nem contra nem a favor.