Euler de França Belém
Euler de França Belém

Filme russo dá conta da grandiosidade do romance “Guerra e Paz”, de Tolstói

Ao contrário do filme americano, o filme explora mais detalhadamente o grande romance sobre a invasão napoleônica na Rússia

digitalizar0002“Guerra e Paz” é um dos maiores, senão o maior, romance russo. Vladimir Nabokov considerava Púchkin e Liev Tolstói os escritores essenciais da Rússia. O livro de Tolstói deixou os historiadores, mais do que os críticos literários, desconcertados. Porque, assim como Balzac fez na França, mostrou uma compreensão esplêndida dos fatos (há equívocos, por certo, mas o autor escreveu quase em cima dos acontecimentos). Hollywood levou a obra ao cinema, com título homônimo, sob direção de King Vidor, e com Henry Fonda e Audrey Hepburn. Se não é ruim, não é bom. Belo plasticamente, é uma visão edulcorada e redutora da história. Para a sorte dos brasileiros, a história da invasão napoleônica na Rússia, em 1812, tendo como contrahistória a relação de Natasha e Andrei, foi levada ao cinema pelos próprios russos, grandiosos e grandiloquentes, como sempre (e como nós, brasileiros — os russos dos trópicos, ainda que mais malemolentes). “Guerra e Paz”, dirigido por Sergey Bondarchuk, foi lançado no fim da década de 1960 (recebeu o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 1968), mas saiu no Brasil há pouco tempo. Elenco: Lyudmila Saveleva, Sergey Bondarchuk e Vyacheslav Tikhonov.Com 402 minutos, em três discos, é um portento. Quase tão detalhado quanto o romance. O filme pode ser adquirido nas principais livrarias brasileiras, como a Cultura. Custa R$ 79,90. A Amazon é a única livraria que está comercializando a excelente tradução do livro feita por Rubens Figueiredo e publicada pela Cosac Naify. Custa R$ 99,90.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.