Tim Maia: um dos artistas  mais completos, versáteis e  perturbados da música brasileira
Tim Maia: um dos artistas mais completos, versáteis e perturbados da música brasileira

Tim Maia é um músico norte-americano nascido no Brasil. Explica-se o óbvio: o Síndico é brasileiro. Mas sua matriz musical está nos Estados Unidos — tanto que começou sua carreira imitando, com brilho, Little Richard. Aos poucos, definiu uma personalidade artística única, com matizes nacionais e internacionais. Lembra, com sua vida perturbada e perturbante — os artistas mais talentosos não são “normais paranoicos” — a cantora Billie Holiday e o músico Charlie Parker, reis “chapados” do jazz. Sua imensa capacidade criadora — cercada por um espírito altamente destrutivo, tanto que morreu ainda relativamente jovem, aos 55 anos — lembra, e não vagamente, estrelas como Louis Armstrong, Ella Fitzgerald e B. B. King.

A música de Tim Maia é como a de João Gilberto: nunca entedia. Porque parece sempre diferente a cada audição. O curioso é que músicas e letras casam-se muito bem. Porém, quando a letra não é lá essas coisas, a música é de qualidade e vice-versa.

O filme “Tim Maia”, de Mauro Lima, baseado em livro do jornalista e escritor Nelson Motta, é muito bem feito. Preciosistas vão encontrar algum caco para criticar — o comentarista da revista “Veja” apontou certa falta de ritmo —, mas, no geral, é quase perfeito. Primeiro, claro, porque há a música de Tim Maia. Segundo, porque consegue capturar, com rara fidelidade, o indivíduo complexo e contraditório — sem torná-lo herói ou vítima. Terceiro, porque Babu Santana se tornou Tim Maia. Durante alguns minutos, inebriado pela música e pela história ricas do cantor, compositor e músico, peguei-me vendo em Babu Santana o verdadeiro Tim Maia.

Li, nos jornais e sites da internet, que alguns músicos (e seus parentes) estão reclamando que foram deixados de fora do filme, ou dois ou mais artistas foram condensados numa só pessoa, e um filho de Tim Maia admite que, de fato, quis “deixar de fora” aqueles que processaram seu pai. Um equívoco, pois a história de um artista deve ser contada como é, sem vinditas e cortes. Mas Nelson Motta tem razão quando afirma que se trata de um filme, não de um documentário. Noutras palavras, não cabe tudo num filme de pouco mais de duas horas. Mais: a ficção, mesmo quando trata de temas reais, às vezes precisa da imaginação para se tornar mais, por assim dizer, compreensível. O filme nos “segura” o tempo todo.