Expulsão de Thaís Azevedo da Faculdade de Direito mata a gente de vergonha

A universidade é uma casa que tem de prezar pela livre expressão, por ser aberta à divergência. Ao expulsar a jovem, os alunos da Faculdade de Direito exibem intolerância

Iúri Rincón Godinho

Quando pousei no ninho da esquerda goiana, o Jornalismo da UFG, em 1982, estavam marcadas as primeiras eleições pós-ditadura. Uma luta do bem contra o mal. De um lado PMDB e PT, de outro o PDS, o partido da ditadura.

Zander Campos Jr, da Cannes Publicidade, fazia a campanha de Osires Teixeira para senador pelo PDS. Zander Jr colocava os cartazes do Osires debaixo do braço e os pregava nos banheiros. Ríamos. Meu pai era chefe de reportagem de O Popular, representante da grande e opressiva imprensa, que apoiara a ditadura e o PDS. Eu levava o jornal para a sala de aula todos os dias. Alexandre Alfaix, acabara de voltar de um ano na meca da direita, do consumo e do Ronald Reagan, os Estados Unidos. Jogávamos Batalha Naval nos intervalos das aulas. Susete Amâncio, pasmem, ia de carro para o Campus quando todo mundo usava o ônibus. Nosso sonho era uma carona.

A UFG não era intolerante. Jamais perdi meio colega por ter ideia diferente da minha. O fato de expulsarem alguém da UFG (Thaís Azevedo) pelo que a pessoa pensa, envergonha não só a universidade mas toda essa geração de universitários.

Critiquem, até duramente. Mas não façam como a ditadura, quer dizer, não expurguem aqueles que pensam diferente. Há algo de Torto na Faculdade de Direito e, também, na Universidade brasileira.

Iúri Rincón Godinho é jornalista.

P.S.: O crime de Thaís Azevedo para ter sido expulsa da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás? Ela não roubou, não torrou dinheiro público. Nada disso. Ela só é crítica do feminismo e de outras questões.

4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Adalberto de Queiroz

Bravo! Iuri Godinho.

mari

Engraçado essa sua matéria. Parece que você ouviu só lado dela, mas não ouviu (ou simplesmente ignorou) de quem estava lá e viu o que realmente aconteceu. Ela não soube lhe dar com situação e nem argumentar com quem pensa diferente dela. Incitando o ódio vai-se muito longe né??

Claudenir

Uma Faculdade agir dessa forma e lamentável.

Daniel

Um absurdo expulsá-la, sou gay, sou antifeminista, não sou de esquerda e nem de direita. Mas sou contra a intolerância desse tipo, lamentável.