Euler de França Belém
Euler de França Belém

Executivos dizem que Jr. Câmara vendeu TV Anhanguera porque herdeiros não querem tocar o negócio

Dirigentes dizem que, com quase 70 anos, Júnior Câmara não tem interesse em continuar dirigindo o Grupo Jaime Câmara

Júnior Câmara e Cristiano Câmara: o segundo, filho do primeiro, mora nos Estados Unidos

O grupo Zahran comprou a TV Anhanguera, dirigido pelo Grupo Jaime Câmara. Os dois grupos vão divulgar brevemente uma nota a respeito do fechamento do negócio, ouviu o repórter Yago Salles, do Jornal Opção, da assessoria da empresa que atua em Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul. Uma fonte sustenta que o valor do negócio supera o que foi divulgado inicialmente — 700 milhões de reais — se incluir imóveis. O valor real passa de 1 bilhão de reais.

O Jornal Opção conversou com dois executivos do grupo e perguntou: “Por que o presidente do Grupo Jaime Câmara decidiu vender a TV Anhanguera?”.

A versão do executivo 1: “A TV Anhanguera é afiliada à Globo desde 1969 — há quase 50 anos. Trata-se de uma emissora lucrativa, respeitada e profundamente integrada ao Estado de Goiás. Jaime Câmara Júnior, que todos conhecem como Júnior Câmara, está no comando há vários anos, depois de um interregno em que o grupo esteve sob o comando de um de seus filhos, Cristiano Câmara. Porém, como a ação de Cristiano não surtiu resultados positivos, Júnior Câmara voltou ao comando. Porém, beirando os 70 anos, não tem substituto familiar. Por isso decidiu vender a empresa”.

Jaime Câmara, Cristiano Câmara, Tasso Câmara e Tadeu Câmara: familiares que têm ações no Grupo Jaime Câmara

A versão do executivo 2: “Há algum tempo, Júnior Câmara passou por uma cirurgia de próstata, para extirpar um câncer, e está bem — sem sequelas. No entanto, como dois filhos decidiram radicar-se nos Estados Unidos, com suas respectivas famílias, o empresário, que não é mais jovem, decidiu passar a galinha de ovos de ouro do grupo para frente. Ao contrário do que especulam, a TV Anhanguera não está em crise e sua audiência supera, em larga medida, à dos concorrentes. Em suma, o que posso dizer é que Júnior Câmara cansou de dirigir um conglomerado de comunicação — que inclui jornais impressos, rádios e emissoras de televisão em Goiás e Tocantins”.

Sobre os jornais “O Popular” e “Daqui” não há nenhuma notícia oficial. Procede que um político comprou “O Popular”? Os executivos não confirmam, mas admitem que não têm informações precisas sobre a negociação envolvendo os jornais.

Tasso Câmara

O Jornal Opção ouviu Tasso Câmara, um dos sócios minoritários do Grupo Jaime Câmara (o sócio majoritário é Jaime Câmara Júnior, filho de Jaime Câmara). “Por motivos de saúde [hérnia], não frequento a empresa há pelo menos três meses e não estou participando da negociação com o grupo de Mato Grosso. Quem participa é um de meus irmãos, o Tadeu Câmara.”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Carlos Augusto Tavares

Cristiano Câmara chegou ao comando da empresa e começou a demitir funcionários antigos e dedicados, botando gente nova e inexperiente no lugar. O resultado foi o fracasso total de sua administração. Depois que o barco começou a fazer água rumou para Miami!.