Euler de França Belém
Euler de França Belém

Editora Intrínseca lança o excelente livro de Max Hasting sobre a Primeira Guerra Mundial

imprensa 4Max Hasting não brinca em serviço. Grande historiador da Segunda Guerra Mundial, o britânico volta-se, neste livro, para a Primeira Guerra Mundial, ou Grande Guerra, no livro “Catástrofe — 1914: A Europa Vai à Guerra” (Intrínseca, 704 páginas, tradução de Berilo Vargas). Um dos segredos de Hasting é unir com precisão a história miúda, do cotidiano, à história das cúpulas.

Há historiadores que, na ânsia de valorizar o povão, praticamente ignoram a história das elites. Há outros que, no afã de sustentar que a história é feita mais pelos grandes líderes, como Franklin D. Roosevelt, Josef Stálin, Winston Churchill e Charles de Gaulle, abandonam a história do povão. Hasting, com a mestria de sempre, escapa desta armadilha. Correm juntas, nunca separadas, as grandes histórias dos grandões e dos pequenos — com o hábil pesquisador, com seu “cérebro-agulha” de ouro, costurando com linhas de diamante uma única história, mas registrando as especificidades, os sentimentos de cada um, as contradições.

Por certo, há de agradar mais ao jornalismo e aos que adoram polêmicas o também magnífico “O Horror da Guerra” (Planeta do Brasil, 768 páginas), com o subtítulo de “Uma Provocativa Análise da Primeira Guerra Mundial”, do historiador inglês Niall Ferguson. Não que Ferguson escreva mal — longe disso, pois escreve muito bem, com rara capacidade de conectar e analisar fatos —, mas Hasting parece um cronista, digamos um escritor, ao narrar as histórias da Grande Guerra. A Primeira Guerra Mundial, embora seja a tragédia que gerou um mundo novo — inclusive outras guerras, como a Revolução Russa e a Segunda Guerra Mundial —, contada por Hasting, perdoe-me as vítimas das batalhas cruentas, é uma delícia.

Ao contar a vida de algumas pessoas, que participaram direta ou indiretamente da guerra, Hasting cria uma história viva, mais próxima de todos nós, seus leitores. Sob sua pena perceptiva, a Grande Guerra parece ter acontecido ontem e, por isso, é mais fácil de ser apreendida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.