Os liberais e o alto tucanato ficaram encantados com a informação de que a revista inglesa “The Economist” prefere Aécio Neves, do PSDB, a Dilma Rousseff, do PT, porque acredita — é mais fé do que constatação, porque só o poder revela o político e o gestor — que, com o primeiro, o país voltará a crescer. É um tiro no escuro. Pode avançar ou não.

A intelectualidade brasileira, notadamente a liberal, adora as diatribes da “Economist” e trata suas análises, às vezes mais opiniões, como uma espécie de bíblia laica. Nem tudo que diz a revista britânica é equivocado, mas nem tudo que publica é inteiramente sólido e inquestionável.

Que “Economist” tem uma certa implicância com o Brasil, notadamente com o governo da presidente Dilma Rousseff, é fato. Pode parecer teoria conspiratória, mas a Inglaterra, pátria da revista, é forte competidora do Brasil ao posto de sexta maior potência mundial. Por enquanto, os ingleses estão na frente, mas, dada as potencialidades do Brasil, dificilmente não ficarão para trás, dentro de alguns anos. “Economist”, embora tente se apresentar como “objetiva”, reflete, aqui e ali, a disputa entre os dois países.