As redes sociais são excelentes para vulgarizar informações verdadeiras. Ao mesmo tempo, são úteis para propalar informações desencontradas e, mesmo, equivocadas. Qualquer sinal de fumaça é apresentado como resultado de um incêndio de grandes proporções. Como a esquerda, ao longo da história, tem cometido as maiores barbaridades, como matar e envenenar adversários (Stálin chegou a criar uma fábrica de venenos), acredita-se, ao menos nas redes sociais, que o doleiro Alberto Youssef foi envenenado. Mais: estaria morto e a notícia seria divulgada tão-somente depois das eleições. Falta lógica, das mais primárias, ao boato: por mais que tenha receio da língua do doleiro, que pode documentar a corrupção da Petrobrás – que envolve políticos do PT, do PMDB e do PP –, os petistas não são néscios. A morte do doleiro prejudicaria única e exclusivamente a candidata do PT, Dilma Rousseff.

O jornal “Gazeta do Povo”, de Curitiba, relata que Alberto Youssef passou mal na carceragem da Política Federal, na capital do Paraná, no sábado, 25. “O hospital em que está internado o doleiro Alberto Youssef, em Curitiba, divulgou nota para informar que o paciente tem um quadro provável de angina instável, condição grave na qual o coração não é irrigado corretamente com sangue e que pode levar ao infarto”, relata o jornal.

O jornal paranaense diz que “a nota não faz referência a qualquer agente externo que tenha levado à crise. Nas redes sociais, há uma intensa boataria de que Youssef fora envenenado na carceragem. Em nota, a Polícia Federal negou a suposição de envenenamento e lembrou que o doleiro tem histórico de doença cardíaca e que esta foi a terceira vez que ele teve um atendimento médico de urgência desde que foi preso”.

Alberto Youssef “tem um histórico de doença cardíaca. Na nota do Hospital Santa Cruz, está relatado que ele teve dor torácica e um desmaio, mas que manteve os sinais vitais estáveis. Em nota, a Polícia Federal afirmou” no domingo, 26, que Youssef passou bem a noite e deve permanecer internado por pelo menos 48 horas, sob escolta de policiais federais”.

A íntegra da nota do hospital:

“Nota técnica

Às 14:03 do dia 25/10/2014, a Central do SAMU regional metropolitano de Curitiba recebeu chamada para realizar atendimento do paciente Alberto Youssef, sendo realizado deslocamento de uma ambulância de suporte avançado de vida para realizar o atendimento e transporte, com escolta policial, até o Hospital Santa Cruz. O atendimento foi finalizado às 16:45.

No momento do atendimento o paciente referiu dor torácica, sendo dois episódios ao repouso, associados a um episódio de síncope. Durante o atendimento encontrou-se consciente, lúcido e orientado, com dados vitais estáveis.

Hipótese diagnóstica: Angina instável

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba/PR”